En­vol­vi­men­to do ex-lí­der fi­ca por es­cla­re­cer

Bruno de Car­va­lho pre­dispôs-se a ser in­qui­ri­do, mas não es­ta­vam reu­ni­das as con­di­ções pa­ra a di­li­gên­cia.

Destak - - DESPORTO - JOÃO MO­NIZ jmo­niz@des­tak.pt

Co­me­çou pe­lo De­par­ta­men­to Cen­tral de In­ves­ti­ga­ção e Ação Pe­nal, de­pois foi ao De­par­ta­men­to de In­ves­ti­ga­ção e Ação Pe­nal. Em ne­nhum dos dois foi ou­vi­do, co­mo pre­ten­dia, por­que o pro­ces­so re­la­ci­o­na­do com as agres­sões na Aca­de­mia de Alcochete ain­da es­tá com o juiz de ins­tru­ção do Tri­bu­nal de Bar­rei­ro.

Mas por­que quis Bruno de Car­va­lho fa­lar pre­ci­sa­men­te on­tem? «Che­gou ao meu co­nhe­ci­men­to que ha­ve­ria um man­da­do pa­ra es­ta sex­ta-fei­ra e não pre­ci­so de man­da­dos», ex­pli­cou aos jor­na­lis­tas. «Vim de­mons­trar de for­ma vo­lun­tá­ria que não é pre­ci­so na­da, é só di­ze­rem que pre­ci­sam de fa­lar co­mi­go e eu vou on­de for pre­ci­so», acres­cen­tou, ga­ran­tin­do que não te­ve qual­quer en­vol­vi­men­to nas agres­sões aos jo­ga­do­res. «Sou­be quan­do me avi­sa­ram no es­cri­tó­rio do que ti­nha acon­te­ci­do e fui pa­ra a Aca­de­mia. Nin­guém me dis­se na­da. Só sou­be do ata­que de­pois de ele ter acon­te­ci­do».

O fac­to de a pre­dis­po­si­ção pa­ra pres­tar de­cla­ra­ções ter sucedido um dia de­pois de o an­ti­go ofi­ci­al de li­ga­ção com os adep­tos do Spor­ting ter fi­ca­do em pri­são pre­ven­ti­va, por ale­ga­da­men­te ter ti­do co­nhe­ci­men­to do ata­que sem ter fei­to na­da pa­ra o evi­tar, foi des­cri­to co­mo uma «me­ra coin­ci­dên­cia» pe­lo ex-pre­si­den­te.

Re­cor­de-se que 38 pes­so­as es­tão de­ti­das pe­lo rai­de à aca­de­mia, em maio pas­sa­do, acu­sa­das de vá­ri­os en­tre cri­mes, en­tre eles ter­ro­ris­mo, que per­mi­te es­pe­rar um ano pe­la acu­sa­ção.

© VÍTOR MO­TA Bruno de Car­va­lho rei­te­rou que não sou­be do ata­que an­te­ci­pa­da­men­te

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.