A mar­cha len­ta da fer­ro­vi­as

Destak - - LEITOR - ADEMAR COS­TA Póvoa de Varzim

Des­ta vez o pro­gra­ma te­le­vi­si­vo Prós & Con­tras, do cal RTP1, foi fei­to a par­tir do Au­di­tó­rio do Cen­tro das Ar­tes de Si­nes, com o te­ma “A mar­cha len­ta da fer­ro­via”.

Foi da­da a pa­la­vra a vá­ri­as per­so­na­li­da­des do Es­ta­do Cen­tral, do Po­der Lo­cal e das Uni­ver­si­da­des.

Fa­lou-se do es­ta­do ca­la­mi­to­so a que a fer­ro­via che­gou, co­mo co­ro­lá­rio do con­ti­nu­a­do aban­do­no e de­sin­ves­ti­men­to no sec­tor por par­te do Es­ta­do.

Foi di­to que o ma­te­ri­al cir­cu­lan­te é o se­gun­do pi­or do con­ti­nen­te eu­ro­peu, pe­lo que há paí­ses que têm na su­ca­ta com­po­si­ções me­lho­res às que es­ta­mos a usar.

Ven­ti­lou-se a bi­to­la que não cor­res­pon­de ao pa­drão usa­do em to­da a Eu­ro­pa, bem co­mo se aflo­rou la­cu­nas mui­to gra­ves.

Que hou­ve aban­do­no gros­sei­ro de mui­tos ra­mais e li­nhas, dei­xan­do as po­pu­la­ções ape­a­das, pe­lo que, tal co­mo era co­nhe­ci­da a CP - Com­boi­os de Portugal, a mes­ma já não exis­te, pois es­tá com­ple­ta­men­te des­mem­bra­da.

Pi­or ain­da, se a CP - Com­boi­os de Portugal é mui­tís­si­mo de­fi­ci­tá­ria por na­tu­re­za, por pres­tar (al­gum) ser­vi­ço pú­bli­co, o mes­mo não acon­te­ce com os ope­ra­do­res pri­va­dos e su­as sub­con­ces­sões a si co­li­ga­dos, uma vez que são es­tes os que fi­cam com os lu­cros.

A tí­tu­lo de cu­ri­o­si­da­de, na dé­ca­da de 60 do sé­cu­lo pas­sa­do, a CP - Com­boi­os de Portugal era pu­jan­te e tu­do an­da­va so­bre car­ris. As­sim, até ha­via uma

De lem­brar que o Afeganistão é o país do mun­do on­de mais jor­na­lis­tas são mor­tos no exer­cí­cio da sua no­bre pro­fis­são.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.