Diario de Noticias - DN + Dinheiro Vivo

Or­ça­men­to do Es­ta­do de­si­lu­de

- Business · Taxes · Portugal · Assembly of the Republic · Wonder

Apro­pó­si­to do Or­ça­men­to do Es­ta­do pa­ra 2021, afir­mei há um mês que não es­tá­va­mos em tem­pos de con­si­de­ra­ções de tá­ti­ca po­lí­ti­ca, sen­do ne­ces­sá­rio an­tes as­su­mir uma es­tra­té­gia eco­nó­mi­ca com o ob­je­ti­vo de su­pe­rar a atu­al cri­se e cri­ar as ba­ses pa­ra co­lo­car de­fi­ni­ti­va­men­te Por­tu­gal na ro­ta do cres­ci­men­to. La­men­ta­vel­men­te, o que li na Pro­pos­ta de Or­ça­men­to do Es­ta­do apre­sen­ta­da nes­ta se­ma­na à As­sem­bleia da Re­pú­bli­ca foi tá­ti­ca po­lí­ti­ca a mais e es­tra­té­gia eco­nó­mi­ca a me­nos.

Quan­do li que a pri­mei­ra ra­zão in­vo­ca­da pa­ra jus­ti­fi­car que es­te or­ça­men­to apoia a eco­no­mia e o em­pre­go é o fac­to de os im­pos­tos não se­rem au­men­ta­dos, per­gun­tei-me se se­ria uma afir­ma­ção de­li­be­ra­da­men­te iró­ni­ca, ou ape­nas al­go que es­ca­pou a uma re­vi­são me­nos aten­ta do texto. Se­ria pos­sí­vel que a mensagem di­ri­gi­da às em­pre­sas, nes­te mo­men­to, fos­se mes­mo: De­em-se por fe­li­zes por, des­ta vez, não vos au­men­tar­mos os im­pos­tos?

Quan­do con­ti­nu­ei a ler e vi que a se­gun­da ra­zão in­vo­ca­da, com o mes­mo ob­je­ti­vo, é a eli­mi­na­ção do agra­va­men­to das tri­bu­ta­ções au­tó­no­mas no ca­so de pre­juí­zos em 2020 ou 2021, (me­di­da que, aliás, foi anun­ci­a­da em ju­nho e apa­re­ce ago­ra li­mi­ta­da às PME), per­gun­tei-me se não ha­ve­ria mes­mo nes­te or­ça­men­to no­vas me­di­das, me­di­das mais ro­bus­tas, nu­ma es­tra­té­gia de apoio à eco­no­mia pe­lo la­do da ofer­ta.

Pro­cu­rei, e não en­con­trei na­da, além da ma­jo­ra­ção de 10% das des­pe­sas no âm­bi­to de par­ti­ci­pa­ção con­jun­ta em pro­je­tos de pro­mo­ção ex­ter­na, pa­ra efei­tos de apu­ra­men­to do lu­cro tri­bu­tá­vel.

Mais aler­ta fi­quei, quan­do li, ain­da na lis­ta de “apoi­os às em­pre­sas”, que o Cré­di­to Fis­cal Ex­tra­or­di­ná­rio de In­ves­ti­men­to in­tro­du­zi­do pe­lo Or­ça­men­to Su­ple­men­tar vai ser des­con­ti­nu­a­do, já na se­gun­da me­ta­de de 2021.

Con­fes­so que as mi­nhas ex­pec­ta­ti­vas não eram ele­va­das. Mas es­pe­ra­va que es­te or­ça­men­to re­fle­tis­se, de al­gum mo­do, a exi­gên­cia que re­cai so­bre as em­pre­sas de re­sis­ti­rem e im­pul­si­o­na­rem a re­cu­pe­ra­ção.

Es­pe­ra­va, no mí­ni­mo, um sim­ples si­nal de que es­ta­ri­am a ser con­ce­bi­dos ins­tru­men­tos na li­nha da pro­pos­ta da CIP de cri­a­ção de um fun­do com vis­ta à ca­pi­ta­li­za­ção das em­pre­sas atra­vés de fun­dos de ca­pi­tal de ris­co.

Es­pe­ra­va que cons­tas­se des­ta Pro­pos­ta de Or­ça­men­to, pe­lo me­nos, a me­di­da que, nes­te es­pa­ço, ti­ve opor­tu­ni­da­de de qua­li­fi­car co­mo ir­re­cu­sá­vel: a pos­si­bi­li­da­de de de­du­ção dos pre­juí­zos fis­cais ge­ra­dos em 2020 e 2021 aos lu­cros já apu­ra­dos nos úl­ti­mos exer­cí­ci­os fi­nan­cei­ros.

Mas nem mes­mo es­sa me­di­da foi aco­lhi­da – uma me­di­da neu­tra, a mé­dio pra­zo, ao ní­vel das fi­nan­ças pú­bli­cas, tes­ta­da e ado­ta­da com su­ces­so em mui­tos paí­ses eu­ro­peus e, in­clu­si­va­men­te, de­fen­di­da pe­lo Prof. Cos­ta Sil­va na “Vi­são es­tra­té­gi­ca” que ofe­re­ceu ao go­ver­no.

Ao in­vés de apoi­ar as em­pre­sas no seu es­for­ço por man­ter o em­pre­go, o go­ver­no en­ve­re­da, ago­ra, pe­la via da pu­ni­ção de em­pre­sas que se vi­rem obri­ga­das a re­cor­rer a des­pe­di­men­tos.

Não se­rá, cer­ta­men­te, es­se o ca­mi­nho pa­ra im­pe­dir a es­ca­la­da no de­sem­pre­go.

Es­se se­rá, an­tes, o ca­mi­nho pa­ra con­ti­nu­ar a pa­gar o de­sem­pre­go.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal