Diario de Noticias - DN + Dinheiro Vivo

Des­cris­pa­do e nu­mé­ri­co

- Lisbon · United States of America · New University of Lisbon · Nova · ISCTE – Lisbon University Institute · Portugal · European Commission · Europe

Fa­la rá­pi­do e sa­be os nú­me­ros de cor. Pa­ra a en­tre­vis­ta trou­xe uma pas­ta cheia de do­cu­men­tos, mas nun­ca se so­cor­reu de­la. O mi­nis­tro de Es­ta­do e das Fi­nan­ças tem 46 anos. Nas­ci­do em Lis­boa, é o mais no­vo de cin­co fi­lhos e bem hu­mo­ra­do. Dou­to­ra­do em Eco­no­mia pe­lo Mas­sa­chu­setts Ins­ti­tu­te of Te­ch­no­logy (MIT), nos Es­ta­dos Uni­dos, é li­cen­ci­a­do em Eco­no­mia e Mes­tre em Eco­no­mia pe­la Uni­ver­si­da­de No­va de Lis­boa, é pro­fes­sor de Eco­no­mia no ISCTE, des­de 2008. Foi se­cre­tá­rio de Es­ta­do do Or­ça­men­to de Má­rio Cen­te­no, en­tre 2015 e 2019, no XXI Go­ver­no e man­te­ve no XXII Go­ver­no da Re­pú­bli­ca. Foi ain­da di­re­tor do Ga­bi­ne­te de Es­tu­dos do Mi­nis­té­rio da Eco­no­mia en­tre 2010 e 2014. si­do des­ta­ca­da, com au­men­to do or­ça­men­to de cer­ca de mil mi­lhões – me­ta­de fi­nan­ci­a­do por fun­dos eu­ro­peus, ver­bas do REACT e do Pro­gra­ma de Re­cu­pe­ra­ção, e ou­tra me­ta­de do OE.

Mes­mo as­sim o BE con­ti­nua com uma po­si­ção mui­to vin­ca­da con­tra o or­ça­men­to. Tem es­pe­ran­ça de que o ve­nham a apro­var ou tem al­gu­ma ne­go­ci­a­ção na man­ga?

Va­mos com es­pí­ri­to de aber­tu­ra e diá­lo­go, sa­be­mos a im­por­tân­cia pa­ra o país da apro­va­ção de um or­ça­men­to nes­ta fa­se; é mui­to im­por­tan­te pa­ra mos­trar es­ta­bi­li­da­de e con­fi­an­ça, por­que es­te con­jun­to de me­di­das só en­tra em vi­gor no pres­su­pos­to da apro­va­ção. Fa­ce à ques­tão que co­lo­ca, eu te­nho di­fi­cul­da­de em per­ce­ber que um or­ça­men­to com es­tas ca­rac­te­rís­ti­cas não se­ja apro­va­do. É um or­ça­men­to bom pa­ra Por­tu­gal, bom pa­ra os por­tu­gue­ses, e é o or­ça­men­to de que o país pre­ci­sa. E que re­fle­te as pre­o­cu­pa­ções que tra­ba­lhá­mos des­de o es­tu­do do iní­cio do ve­rão com os par­cei­ros par­la­men­ta­res, no sen­ti­do de col­ma­tar pre­o­cu­pa­ções que ti­ve­ram.

Mas es­sa pos­si­bi­li­da­de con­ti­nua em ci­ma da me­sa. Ten­do o OE o ce­ná­rio de ser chum­ba­do, o que é que se­ria me­lhor pa­ra o país? Ser chum­ba­do já na ge­ne­ra­li­da­de ou no fi­nal do pro­ces­so?

O es­sen­ci­al é que se­ja apro­va­do. Por­que is­so dá um si­nal mui­to im­por­tan­te de es­ta­bi­li­da­de nu­ma al­tu­ra de cri­se. Ins­ta­bi­li­da­de po­lí­ti­ca é mui­to má pa­ra o am­bi­en­te eco­nó­mi­co e a cre­di­bi­li­da­de in­ter­na­ci­o­nal do país, e é mui­to im­por­tan­te ter o OE apro­va­do pa­ra po­der­mos dar sequên­cia a es­te con­jun­to de me­di­das. Tam­bém é ver­da­de que o or­ça­men­to po­de ser apro­va­do de di­fe­ren­tes for­mas. Com abs­ten­ções, vo­tos fa­vo­rá­veis... não há for­mas fe­cha­das de o apro­var e nós con­ta­mos apro­vá-lo, co­mo sem­pre, com os par­cei­ros à es­quer­da.

A nos­sa pre­o­cu­pa­ção fun­da­men­tal no âm­bi­to do pro­gra­ma é a uti­li­za­ção na par­te que são trans­fe­rên­ci­as, os tais grants. A par­te que tem que ver com em­prés­ti­mos, se con­se­guir­mos que não se­ja con­si­de­ra­do dí­vi­da pú­bli­ca e se for ca­na­li­za­do di­re­ta­men­te pa­ra os fins a que se des­ti­na, te­re­mos to­do o in­te­res­se em uti­li­zar. Nes­te mo­men­to es­ta­mos em diá­lo­go com a Co­mis­são Eu­ro­peia pa­ra ex­plo­rar es­sas pos­si­bi­li­da­des. Por­que a par­te dos em­prés­ti­mos cons­ti­tui dí­vi­da pú­bli­ca, nes­se sen­ti­do não é di­fe­ren­te do fi­nan­ci­a­men­to do IGCP. A van­ta­gem é que são em­prés­ti­mos com um cus­to li­gei­ra­men­te mais bai­xo, mas não se dis­tin­gue de dí­vi­da pú­bli­ca. E o Pro­gra­ma de Re­cu­pe­ra­ção não ser­ve pa­ra que os paí­ses te­nham mais

No con­tex­to de in­cer­te­za atu­al não de­ve­mos ex­cluir na­da, e eu as­su­mi is­so des­de ju­nho, quan­do mo per­gun­ta­ram na As­sem­bleia no âm­bi­to da apro­va­ção do Su­ple­men­tar. E nun­ca ex­cluí is­so por­que te­mos um grau de in­cer­te­za em Por­tu­gal e em to­da a Eu­ro­pa mui­to ele­va­do. É di­fí­cil an­te­ci­par o que é que vai ser ne­ces­sá­rio da­qui a três ou seis me­ses. Não iden­ti­fi­ca­mos nes­te mo­men­to a ne­ces­si­da­de de ter qual­quer re­ti­fi­ca­ti­vo, mas não po­de­ria ser sé­rio se ex­cluís­se à par­ti­da a ne­ces­si­da­de de um re­ti­fi­ca­ti­vo em 2021, pe­ran­te a di­men­são da in­cer­te­za.

As em­pre­sas quei­xam-se de fal­ta de me­di­das. Não se es­tá a per­der uma opor­tu­ni­da­de pa­ra dar um es­tí­mu­lo à eco­no­mia atra­vés, por exem­plo, de uma re­du­ção do IRC, mes­mo tem­po­rá­ria?

Em 2021, as em­pre­sas que fo­ram mais afe­ta­das pe­la cri­se, es­tão mais fra­gi­li­za­das, não têm IRC a su­por­tar. Não se­ria a me­di­da in­di­ca­da pa­ra fo­car as ques­tões cen­trais que se co­lo­cam. Vou iden­ti­fi

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal