Diario de Noticias - DN + Dinheiro Vivo

OE2021: em­pre­sas ig­no­ra­das

- LUÍS MI­GUEL RI­BEI­RO Pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção Em­pre­sa­ri­al de Por­tu­gal Business · Portugal

Apro­pos­ta do Or­ça­men­to do Es­ta­do pa­ra 2021 vem acen­tu­ar a cer­te­za da in­cer­te­za. O ce­ná­rio não se as­se­me­lha na­da fá­cil pa­ra Por­tu­gal e, de fac­to, es­te não é o Or­ça­men­to que o país pre­ci­sa! Pa­ra es­te ano, pro­je­ta-se uma que­bra de 8,5% do PIB e, no mes­mo dia da apre­sen­ta­ção do Or­ça­men­to, o FMI an­te­ci­pou uma re­ces­são mais acen­tu­a­da pa­ra a eco­no­mia por­tu­gue­sa, na or­dem dos dois dí­gi­tos (-10%).

Em am­bos os ca­sos, as­si­na­la-se a re­du­ção mui­to sig­ni­fi­ca­ti­va das ex­por­ta­ções (-22%, se­gun­do o Go­ver­no e -28,6%, se­gun­do o FMI), mui­to su­pe­ri­or à que­bra do Pro­du­to e à re­du­ção pro­je­ta­da pa­ra as im­por­ta­ções. Con­se­quen­te­men­te, pe­la pri­mei­ra vez des­de 2012, a nos­sa balança de bens e ser­vi­ços vol­ta­rá a re­gis­tar um dé­fi­ce.

O ce­ná­rio ma­cro­e­co­nó­mi­co da pro­pos­ta do Or­ça­men­to apon­ta, tam­bém, pa­ra a for­te que­da do in­ves­ti­men­to (-7,4%, após o cres­ci­men­to de 5,4% em 2019). O con­su­mo (pú­bli­co e pri­va­do) é a ru­bri­ca em que se an­te­vê um me­nor agra­va­men­to.

A dí­vi­da pú­bli­ca ul­tra­pas­sa­rá em mais de um ter­ço a to­ta­li­da­de da ri­que­za cri­a­da.

É nes­te con­tex­to que a AEP es­pe­ra­va mui­to mais des­te Or­ça­men­to. As so­lu­ções apre­sen­ta­das não per­mi­tem res­pon­der às ne­ces­si­da­des do país, no com­ba­te ime­di­a­to à di­men­são con­jun­tu­ral, mas tam­bém na cri­a­ção de con­di­ções de es­tí­mu­lo a uma re­cu­pe­ra­ção for­te e sus­ten­tá­vel da eco­no­mia.

É um Or­ça­men­to de­se­qui­li­bra­do. Não me re­fi­ro ob­je­ti­va­men­te ao sal­do or­ça­men­tal (que, co­mo era ex­pec­tá­vel, vai agra­var-se pa­ra um dé­fi­ce su­pe­ri­or a 7%). Re­fi­ro-me ao pen­dor vin­ca­da­men­te so­ci­al, as­sen­te de so­bre­ma­nei­ra nu­ma po­lí­ti­ca re­dis­tri­bu­ti­va, que de­se­qui­li­bra com a ine­xis­tên­cia de po­lí­ti­cas pú­bli­cas for­tes di­ri­gi­das à prin­ci­pal fon­te de ge­ra­ção de ri­que­za e de em­pre­go: as em­pre­sas pri­va­das.

Pra­ti­ca­men­te, não há no­vas me­di­das di­ri­gi­das às em­pre­sas e al­gu­mas pro­pos­tas são até pe­na­li­za­do­ras, ao in­tro­du­zir ins­ta­bi­li­da­de e mai­or ri­gi­dez na ati­vi­da­de em­pre­sa­ri­al. São, por is­so, pro­vo­ca­do­ras de um ele­va­do de­sin­cen­ti­vo ao in­ves­ti­men­to que, se fo­rem apro­va­das, te­rão sé­ri­as re­per­cus­sões so­ci­ais.

O país não se po­de es­que­cer que só po­de­mos dis­tri­buir ri­que­za se a cri­ar­mos, pe­lo que nes­te exer­cí­cio or­ça­men­tal, que se­rá o mais exi­gen­te dos úl­ti­mos anos, co­mo re­fe­re, e bem, o Go­ver­no, de­ve ser re­le­va­do o fo­co no im­por­tan­te pa­pel das em­pre­sas e nas me­di­das a elas di­ri­gi­das.

Apoi­ar as em­pre­sas é a me­lhor for­ma de con­tri­buir pa­ra a me­lho­ria das con­di­ções so­ci­ais de Por­tu­gal.

“O país não se po­de es­que­cer que só po­de­mos dis­tri­buir ri­que­za se a cri­ar­mos, pe­lo que nes­te exer­cí­cio or­ça­men­tal de­ve ser re­le­va­do o fo­co no im­por­tan­te pa­pel das em­pre­sas e nas me­di­das a elas di­ri­gi­das.”

 ??  ??

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal