Diario de Noticias - DN + Dinheiro Vivo

Ener­gia e se­gu­ran­ça, du­as “ma­té­ri­as-pri­mas” es­sen­ci­ais num país em es­ta­do de emer­gên­cia

- Portugal · New University of Lisbon · Publicis · Siemens · Kearney

Um pe­río­do de con­tor­nos ex­tra­or­di­ná­ri­os, em que a Galp re­gis­tou uma des­ci­da his­tó­ri­ca na pro­cu­ra de com­bus­tí­vel, ten­do si­mul­ta­ne­a­men­te de con­ti­nu­ar a ga­ran­tir o abas­te­ci­men­to em to­do o país e em que a Fi­de­li­da­de te­ve de re­e­qua­ci­o­nar os ris­cos acau­te­la­dos pe­los seus se­gu­ros. Fo­ram as­sim os mo­men­tos ini­ci­ais da pan­de­mia de Co­vid-19 e o sub­se­quen­te con­fi­na­men­to em Por­tu­gal, pa­ra es­tas du­as mar­cas.

“A agi­li­da­de da ra­pi­dez e a for­ma co­mo re­a­gi­mos foi re­sul­ta­do de olhar­mos pa­ra o que es­ta­va a acon­te­cer e re­a­gir”, re­fe­re Jo­a­na Ga­rou­pa. A pri­mei­ra pre­o­cu­pa­ção foi ga­ran­tir que os “co­la­bo­ra­do­res es­ta­vam em se­gu­ran­ça”, no­me­a­da­men­te os da li­nha da fren­te, e as­se­gu­rar aos cli­en­tes que na­da fal­ta­ria. Foi ain­da im­por­tan­te en­con­trar uma for­ma de con­tri­buir pa­ra uma so­lu­ção, atra­vés da dis­po­ni­bi­li­za­ção ime­di­a­ta de re­cur­sos às equi­pas mé­di­cas e uni­da­des hos­pi­ta­la­res, bom­bei­ros e emer­gên­ci­as so­ci­ais, com ofer­ta de ga­so­li­na, ele­tri­ci­da­de e ven­ti­la­do­res, bem co­mo de ações com o ban­co ali­men­tar con­tra a fo­me, por exem­plo.

No ca­so da Fi­de­li­da­de, re­ve­la Sér­gio Car­va­lho, hou­ve de­sa­fi­os acres­ci­dos des­de o iní­cio, fa­se em que a área da as­sis­tên­cia e acom­pa­nha­men­to ga­nhou uma re­le­vân­cia ex­tre­ma. Fo­ram vá­ri­os os pro­du­tos alar­ga­dos a to­dos os cli­en­tes do por­te­fó­lio da Fi­de­li­da­de, mes­mo sem se­gu­ro de saú­de, sem cus­tos adi­ci­o­nais, co­mo a ava­li­a­ção de sin­to­mas, saú­de on­li­ne, as­sim co­mo o re­for­ço de ser­vi­ços es­pe­ci­ais pa­ra cli­en­tes vul­ne­rá­veis, co­mo a en­tre­ga de me­di­ca­men­tos em ca­sa e as­sis­tên­cia ao lar. Foi ain­da an­te­ci­pa­do o te­ma da saú­de men­tal com con­sul­tas de psi­co­lo­gia on­li­ne ou te­le­fó­ni­ca, de­vi­do ao im­pac­to do con­fi­na­men­to e do te­le­tra­ba­lho.

Mais alen­to

Dar um pou­co de alen­to nu­ma al­tu­ra de in­cer­te­zas foi uma das pre­o­cu­pa­ções da Galp, na ori­gem, por exem­plo, da ini­ci­a­ti­va do Ca­mião da Es­pe­ran­ça, que per­cor­reu o país pa­ra re­a­li­zar tes­tes a po­pu­la­ções com di­fí­cil aces­so a cen­tros de tes­tes. “Fi­ze­mos mui­tas ações de res­pon­sa­bi­li­da­de so­ci­al em to­dos os paí­ses on­de es­ta­mos ( ). Em Por­tu­gal, iden­ti­fi­cá­mos o te­ma dos tes­tes, es­tá­va­mos na­que­la fa­se em que to­dos di­zi­am que tes­tar, tes­tar, tes­tar era im­por­tan­tís­si­mo pa­ra se per­ce­ber a evo­lu­ção da pan­de­mia”, diz Jo­a­na Ga­rou­pa.

No “no­vo nor­mal”

No re­gres­so à nor­ma­li­da­de, a Fi­de­li­da­de tem um con­jun­to de pro­je­tos di­re­ci­o­na­dos pa­ra as em­pre­sas e apoio aos pro­gra­mas de qua­li­fi­ca­ção pa­ra per­mi­tir a con­ti­nui­da­de da sua ati­vi­da­de e, na­tu­ral­men­te, pa­ra apoi­ar a saú­de, adi­an­ta Sér­gio Car­va­lho. Na Galp, nes­ta fa­se, “es­ta­mos mui­to fo­ca­dos em fa­ci­li­tar a vi­da das pes­so­as nes­ta fa­se”, “se­ja com a ele­tri­ci­da­de, o gás e o com­bus­tí­vel, mas tam­bém com pro­du­tos e ser­vi­ços”, ex­pli­ca Jo­a­na Ga­rou­pa. “Pro­cu­ra­mos tam­bém dar alen­to às pes­so­as. Há es­pe­ran­ça, is­to vai-se ul­tra­pas­sar e va­mos dar-lhes mo­men­tos em que pos­sam re­la­xar.”

Li­cen­ci­a­da em Co­mu­ni­ca­ção Em­pre­sa­ri­al pe­lo ISCEM, e com uma pós-gra­du­a­ção em Ges­tão, pe­la Fa­cul­da­de de Eco­no­mia da UNL, es­tre­ou-se pro­fis­si­o­nal­men­te co­mo re­la­ções pú­bli­cas na Emi­rec Co­mu­ni­ca­ção, ten­do pos­te­ri­or­men­te pas­sa­do pe­la McCann-Erik­son, Gu­er­rei­ro DDB, Pu­bli­cis Pu­bli­ci­da­de, So­na­e­com e Si­e­mens Por­tu­gal, co­mo di­re­to­ra de co­mu­ni­ca­ção. Em 2018 as­su­miu o car­go de di­re­to­ra glo­bal de co­mu­ni­ca­ção da Galp.

Jo­a­na Ga­rou­pa, di­re­to­ra glo­bal de co­mu­ni­ca­ção da Galp, e Sér­gio Car­va­lho, di­re­tor de mar­ke­ting da Fi­de­li­da­de, es­ti­ve­ram no Brands 4 Li­fe pa­ra fa­lar dos efei­tos da pan­de­mia nas su­as mar­cas e de co­mo a ra­pi­dez de re­a­ção foi cru­ci­al.

Com um per­cur­so pro­fis­si­o­nal li­ga­do mai­o­ri­ta­ri­a­men­te ao sec­tor se­gu­ra­dor e ao gru­po Fi­de­li­da­de, on­de é di­re­tor de mar­ke­ting des­de 2016, Sér­gio Car­va­lho pas­sou tam­bém pe­las áre­as co­mer­ci­al, ino­va­ção, téc­ni­ca e pro­du­to de em­pre­sa, ten­do, en­tre ou­tras em­pre­sas, pas­sa­do ain­da pe­la A.T Ke­ar­ney e Via Di­rec­ta.

 ??  ??
 ??  ??
 ??  ??

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal