Diario de Noticias - DN + Dinheiro Vivo

Web Sum­mit Co­mo se faz um even­to on­li­ne pa­ra 100 mil?

- —JOÃO TO­MÉ —TO­MÉ DU­AR­TE Como · Dublin · Ireland · Porto · Futebol Clube do Porto · University of Porto · Chris Evans · Yuan Empire · Facebook · Portugal · Lisbon · Mark Cuban

Web Sum­mit 2020 é em de­zem­bro e 100% gra­ças a uma pla­ta­for­ma in­te­ra­ti­va “úni­ca” que o por­tu­guês To­mé Du­ar­te aju­dou a cons­truir de raiz. A ex­pe­ri­ên­cia “po­de ser mais re­le­van­te”.

Co­mo é que se pas­sa a in­ten­sa ex­pe­ri­ên­cia de um even­to pre­sen­ci­al, com de­ze­nas de mi­lha­res de pes­so­as, ha­bi­tu­a­do a es­pa­lhar “ma­gia” em mais de 20 áre­as di­fe­ren­tes e em vá­ri­os pal­cos da FIL ao Pa­vi­lhão Atlân­ti­co, pa­ra o on­li­ne? Foi es­sa a ques­tão que as vá­ri­as equi­pas, tec­no­ló­gi­cas e de pro­du­to da Web Sum­mit ten­ta­ram res­pon­der lo­go no iní­cio de mar­ço. Na al­tu­ra só sa­bi­am que o Col­li­si­on, o even­to pre­vis­to pa­ra To­ron­to, em ju­lho, se­ria 100% on­li­ne, mas já se pers­pe­ti­va­va o mes­mo pa­ra a Web Sum­mit. “Foi um es­for­ço enor­me de to­dos, re­ple­to de cri­a­ti­vi­da­de, exi­gên­cia e de in­cer­te­zas que ti­ve­mos que cum­prir e de­sen­vol­ver em tem­po re­cor­de”, diz-nos To­mé Du­ar­te, um dos lí­de­res da área de en­ge­nha­ria da Web Sum­mit. E se o Col­li­si­on per­mi­tiu es­tre­ar e tes­tar a no­va pla­ta­for­ma “e per­ce­ber que é um pro­du­to ven­ce­dor”, com a Web Sum­mit, de 2 a 4 de de­zem­bro, “o de­sa­fio é me­lho­rar, tra­zer no­vas fun­ci­o­na­li­da­des e ga­ran­tir es­ta­bi­li­da­de pa­ra 100 mil pes­so­as [no Col­li­si­on fo­ram 32 mil], o que não é fá­cil”.

Em ju­lho, Paddy Cos­gra­ve ad­mi­tia-nos que fa­zer o even­to on­li­ne de raiz ti­nha tra­zi­do uma “gran­de do­se de ris­co e am­bi­ção” ao ní­vel do que sen­tiu quan­do cri­ou a Web Sum­mit, em Du­blin, em 2009. E, com “a pla­ta­for­ma on­li­ne úni­ca e in­te­ra­ti­va” cum­pre um so­nho an­ti­go de po­der li­cen­ci­ar a ou­tras em­pre­sas um ecos­sis­te­ma de even­tos.

To­mé Du­ar­te es­tá des­de 2016 na Web Sum­mit, de­pois de 10 anos com uma star­tup por con­ta pró­pria. Ago­ra é lí­der da equi­pa de en­ge­nha­ria de even­tos. “Com a pan­de­mia, não só saí da Ir­lan­da pa­ra vol­tar ao Por­to e vol­tar a tra­ba­lhar de ca­sa, co­mo criá­mos es­te pro­ces­so ou­sa­do e exi­gen­te que não sa­bía­mos co­mo ia aca­bar”. O en­ge­nhei­ro, for­ma­do na Uni­ver­si­da­de do Por­to, ad­mi­te que co­me­ça­ram

“A pla­ta­for­ma on­li­ne dá-nos mais da­dos e fe­ed­back dos uti­li­za­do­res e per­mi­te usar ma­chi­ne le­ar­ning pa­ra su­ges­tões mais per­ti­nen­tes”

Lí­der de en­ge­nha­ria de even­tos da Web Sum­mit

em mar­ço “com uma me­ra web app de con­sul­ta de in­for­ma­ção pa­ra uma pla­ta­for­ma am­pla e in­te­ra­ti­va” fei­ta de raiz pe­la sua equi­pa, al­go que per­mi­tiu que pu­des­sem ser “mais ou­sa­dos em con­cre­ti­zar idei­as no­vas”. O pro­ces­so de pas­sar con­cei­tos, nun­ca tes­ta­dos, pa­ra a re­a­li­da­de, “trou­xe stress acres­ci­do” no que cha­ma de “um be­lo ca­os or­ga­ni­za­do” com “vá­ri­os con­tri­bu­tos”, e “uma sa­tis­fa­ção enor­me de ver em tem­po real as in­te­ra­ções en­tre pes­so­as e bom fe­ed­back dos par­ti­ci­pan­tes, al­go só pos­sí­vel de ver e ana­li­sar on­li­ne”. O res­pon­sá­vel ad­mi­te que “a no­va pla­ta­for­ma per­mi­tiu apren­der e ele­var to­da a em­pre­sa pa­ra ou­tro pa­ta­mar”.

A área de en­ge­nha­ria e ino­va­ção já tem 40 pes­so­as, com seis de­les – in­cluin­do os dois lí­de­res – a se­rem por­tu­gue­ses. “Foi ne­ces­sá­rio con­tra­tar ta­len­tos no­vos e re­a­lo­car os ou­tros a no­vas áre­as pa­ra o even­to on­li­ne”. O que pre­o­cu­pa nes­te mo­men­to a sua equi­pa, a pou­cas se­ma­nas da Web Sum­mit, é “ga­ran­tir a re­si­li­ên­cia e es­ta­bi­li­da­de da ex­pe­ri­ên­cia”, já que vão tri­pli­car a es­ca­la do an­te­ri­or even­to pa­ra as tais 100 mil pes­so­as, o que au­men­ta a di­fi­cul­da­de. Aí en­tra em ação o

que cha­ma de “gran­de ta­len­to das vá­ri­as equi­pas”, já que o fo­co “é con­se­guir en­tre­gar o que se pro­me­te co­mo ex­pe­ri­ên­cia úni­ca tí­pi­ca da Web Sum­mit e ele­var sem­pre a bar­ra de for­ma sus­ten­ta­da”.

Do à in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al

O mais di­fí­cil? “Foi cri­ar on­li­ne o que cha­ma­mos se­ren­di­pity, os en­con­tros do aca­so ou networ­king que acon­te­ce nas fi­las ou nas en­tra­das pa­ra um no­vo pal­co”. Mas aí idei­as an­ti­gas que não ti­nham si­do ain­da con­cre­ti­za­das e ou­tras no­vas ti­ve­ram um pa­pel im­por­tan­te em cri­ar “mais do que me­ras li­ga­ções en­tre pes­so­as, mas sim li­ga­ções re­le­van­tes pa­ra ca­sa pes­soa, al­go ain­da mais pos­sí­vel de fa­zer com ma­chi­ne le­ar­ning no for­ma­to on­li­ne.” Aí en­tram em ação fun­ci­o­na­li­da­des no­vas, a “boa sur­pre­sa” Min­gle, uma área ao es­ti­lo spe­ed da­ting que per­mi­te con­ver­sar por vi­de­o­con­fe­rên­cia com pes­so­as ao aca­so du­ran­te 3 mi­nu­tos, além de sa­las co­mo o Q&A, on­de to­dos os par­ti­ci­pan­tes po­dem fa­zer per­gun­tas aos ora­do­res que, es­te ano, na Web Sum­mit, in­clu­em o “tu­ba­rão” do em­pre­en­do­ris­mo Mark Cu­ban, o ator Ch­ris Evans, o fun­da­dor da Zo­om Eric Yu­an, ou o CTO do Fa­ce­bo­ok, Mi­ke Sh­ro­ep­fer.

Is­to além dos ca­nais/pal­cos ha­bi­tu­ais com as con­fe­rên­ci­as – es­te ano ha­ve­rá pal­co/ca­nal só de­di­ca­do a Por­tu­gal, além de nú­me­ro re­cor­de de ora­do­res por­tu­gue­ses e ví­de­os ao es­ti­lo Eu­ro­vi­são a mos­trar vá­ri­as ci­da­des por­tu­gue­sas. Nos pal­cos ha­bi­tu­ais o mais sur­pre­en­den­te “foi o su­ces­so dos emo­jis de in­te­ra­ção, in­cluin­do os to­ma­tes”. Com a pla­ta­for­ma on­li­ne au­men­tou a com­po­nen­te de ma­chi­ne le­ar­ning e in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al a fun­ci­o­nar. “Ao ter­mos o per­fil e gos­tos que uma pes­soa quis re­ve­lar, po­de­mos dar as li­ga­ções re­le­van­tes que fa­zem a di­fe­ren­ça a in­ves­ti­do­res, star­tups e par­ti­ci­pan­tes em ge­ral – al­go que ain­da não es­ta­mos a usar na ple­ni­tu­de”. To­mé dá o exem­plo de um in­ves­ti­dor que as­sim po­de ter aces­so ao ti­po de star­tups que pro­cu­ra e se­pa­rar de for­ma mais fá­cil o tri­go do joio.

Is­so aju­da a que, por exem­plo, um par­ti­ci­pan­te pos­sa ago­ra in­di­car se uma con­ver­sa com al­guém foi re­le­van­te pa­ra si ou não, aju­dan­do o sis­te­ma a afi­nar as pre­fe­rên­ci­as. “Se vais a uma Night Sum­mit, em Lis­boa, e fa­las com al­guém mui­to in­te­res­san­te, não te­mos for­ma de sa­ber e de te dar mais su­ges­tões de pes­so­as des­se es­ti­lo, mas on­li­ne con­se­gui­mos ter es­sa in­for­ma­ção se al­guém a qui­ser par­ti­lhar e usá-la pa­ra me­lho­res re­co­men­da­ções”.

 ??  ??
 ??  ??
 ?? FO­TO: DR ?? Exem­plo de co­mo fun­ci­o­nou a no­va pla­ta­for­ma on­li­ne no even­to Col­li­si­on, com o pri­mei­ro-mi­nis­tro do Ca­na­dá Jus­tin Tru­de­au.
FO­TO: DR Exem­plo de co­mo fun­ci­o­nou a no­va pla­ta­for­ma on­li­ne no even­to Col­li­si­on, com o pri­mei­ro-mi­nis­tro do Ca­na­dá Jus­tin Tru­de­au.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal