Diario de Noticias - DN + Dinheiro Vivo

“Por­tu­gal es­tá na li­nha da fren­te da tran­si­ção ener­gé­ti­ca”

- —SO­FIA FONSECA Business · Clean Tech · Ecology · Transportation · Industries · Portugal · Summit · Cascais · Lisbon · European Union · Europe · European Commission · Santos · Deloitte · Energia · Sines · Energias de Portugal

“Não es­ta­mos na mé­dia, es­ta­mos mui­to aci­ma da mé­dia em ma­té­ria de tran­si­ção ener­gé­ti­ca”, as­se­gu­rou o mi­nis­tro do Am­bi­en­te e da Tran­si­ção Ener­gé­ti­ca na aber­tu­ra do Por­tu­gal Mo­bi Sum­mit, que se re­a­li­zou na se­ma­na pas­sa­da em Cas­cais. João Matos Fernandes ga­ran­tiu que “Por­tu­gal vai es­tar na li­nha da fren­te” des­te de­sa­fio que é atin­gir a neu­tra­li­da­de car­bó­ni­ca em 2050.

A in­je­ção de fun­dos co­mu­ni­tá­ri­os des­ti­na­dos à re­cu­pe­ra­ção da cri­se eco­nó­mi­ca pro­vo­ca­da pe­la pan­de­mia vai ser ab­so­lu­ta­men­te de­ci­si­va. Por­que “en­tre 30% a 35% dos fun­dos de Bru­xe­las te­rão de ser obri­ga­to­ri­a­men­te de­di­ca­dos ao com­ba­te às al­te­ra­ções cli­má­ti­cas”, ex­pli­cou o mi­nis­tro. Ora, is­so cor­res­pon­de a 8 a 9 mil mi­lhões de eu­ros, o tri­plo do que cou­be a Por­tu­gal no an­te­ri­or qu­a­dro co­mu­ni­tá­rio de apoio. Des­te vo­lu­me iné­di­to de di­nhei­ro a ser der­ra­ma­do so­bre a eco­no­mia por­tu­gue­sa, “o in­ves­ti­men­to na mo­bi­li­da­de re­pre­sen­ta uma fa­tia mui­to ex­pres­si­va”, re­co­nhe­ceu o go­ver­nan­te.

Exem­plo dis­so mes­mo, re­fe­riu, é a renovação da fro­ta de na­vi­os da Trans­te­jo, em fa­se fi­nal de ad­ju­di­ca­ção, que vai con­tar com dez na­vi­os ex­clu­si­va­men­te mo­vi­dos a ele­tri­ci­da­de. “É a mai­or ope­ra­ção do gé­ne­ro no mun­do”, se pen­sar­mos que em cau­sa es­tá o trans­por­te de 19 mi­lhões de pas­sa­gei­ros por ano, re­fe­riu. Mas tam­bém a fro­ta de au­to­car­ros se­rá mais ver­de.

Foi ain­da à ex­pan­são da mo­bi­li­da­de elé­tri­ca que o mi­nis­tro foi bus­car ou­tro exem­plo pa­ra ilus­trar a rá­pi­da tran­si­ção que es­tá a acon­te­cer em Por­tu­gal. “Quan­do che­guei a mi­nis­tro, a mo­bi­li­da­de elé­tri­ca não re­pre­sen­ta­va mais do que 2% dos veí­cu­los, em 2019 já se si­tu­a­va per­to dos 6% e es­te ano já re­pre­sen­ta 11,8%”. Pa­ra João Matos Fernandes, es­ta evo­lu­ção tra­duz uma al­te­ra­ção im­por­tan­te dos com­por­ta­men­tos.

Mu­dar os há­bi­tos nes­ta ma­té­ria “é uma res­pon­sa­bi­li­da­de de to­dos”, en­fa­ti­zou, pois “te­mos de fa­zer es­co­lhas”. Uma de­las pas­sa por usar ca­da vez mais o trans­por­te pú­bli­co, que ain­da não re­cu­pe­rou dos efei­tos da pan­de­mia e es­tá com uma uti­li­za­ção que não vai além dos 60% da era pré-co­vid, as­si­na­lou o mi­nis­tro, no Cen­tro Cul­tu­ral de Cas­cais.

Hi­dro­gé­nio ver­de vai va­ler 5% do con­su­mo até 2030

Se há al­go em que Lis­boa es­tá ali­nha­da com Bru­xe­las é no im­pul­so ao hi­dro­gé­nio. “Por­tu­gal tem um enor­me po­ten­ci­al pa­ra pro­du­zir hi­dro­gé­nio ver­de e pa­ra ala­van­car uma in­dús­tria com for­te ca­pa­ci­da­de ex­por­ta­do­ra”, dis­se o se­cre­tá­rio de Es­ta­do ad­jun­to e da Ener­gia João Ga­lam­ba, no pai­nel de­di­ca­do ao Hi­dro­gé­nio Ver­de e o Gre­en De­al da União Eu­ro­peia.

João Ga­lam­ba pre­vê que, até 2030, em ape­nas dez anos, “5% do con­su­mo to­tal da ener­gia na­ci­o­nal se­ja já oriun­da do hi­dro­gé­nio ver­de, o mes­mo se pas­san­do no se­tor dos trans­por­tes pe­sa­dos, de pas­sa­gei­ros e de mer­ca­do­ri­as”.

Is­to por­que, ad­mi­tiu o go­ver­nan­te, “Por­tu­gal quer ir mais lon­ge” do que a pró­pria es­tra­té­gia eu­ro­peia pa­ra o hi­dro­gé­nio e in­cluir uma di­men­são tec­no­ló­gi­ca in­dus­tri­al, com lu­gar pa­ra pro­je­tos de vá­ri­as di­men­sões e de vá­ri­os se­to­res, sen­do que o de mai­or di­men­são é o de Si­nes.

“Faz to­do o sen­ti­do po­si­ci­o­nar Por­tu­gal pa­ra ti­rar par­ti­do das su­as van­ta­gens com­pe­ti­ti­vas nas ener­gi­as re­no­vá­veis” fa­ce aos paí­ses do Nor­te da Eu­ro­pa, con­si­de­rou.

É cla­ro que o fi­nan­ci­a­men­to em lar­ga es­ca­la des­ses pro­je­tos é a úni­ca ma­nei­ra de fa­zer a uto­pia acon­te­cer e, nes­sa ma­té­ria, o Go­ver­no con­ta com um me­ga­pa­co­te co­mu­ni­tá­rio da or­dem dos 7 a 8 mil mi­lhões de eu­ros pa­ra a sua

—CAR­LA AGUI­AR, KÁ­TIA CATULO e ANTONIO PE­DRO PE­REI­RA

bo­ni­zar os trans­por­tes pe­sa­dos, e en­tre eles os aé­re­os e ma­rí­ti­mos”, re­fe­riu a di­re­to­ra-ge­ral ad­jun­ta pa­ra a Ação Cli­má­ti­ca da Co­mis­são Eu­ro­peia, Cla­ra de la Tor­re. Mas, pa­ra is­so há que apos­tar em in­fra­es­tru­tu­ras, e “a nos­sa pro­pos­ta é ter em 2025 à vol­ta de um mi­lhão de no­vos pon­tos de car­re­ga­men­to e re­a­bas­te­ci­men­to em to­da a Eu­ro­pa”. Além dis­to, a Co­mis­são vai con­ti­nu­ar a im­pul­si­o­nar a pro­du­ção e uti­li­za­ção de no­vos com­bus­tí­veis al­ter­na­ti­vos”, pros­se­guiu.

Cla­ra de La Tor­re acre­di­ta que os pro­gra­mas de in­cen­ti­vo em mar­cha vão per­mi­tir à Eu­ro­pa “li­de­rar o mer­ca­do de com­bus­tí­veis ver­des”. E tra­zer be­ne­fí­ci­os pa­ra o se­tor dos trans­por­tes: “no­vos em­pre­gos na pro­du­ção de no­vas ba­te­ri­as, na pro­du­ção de veí­cu­los elé­tri­cos e na ins­ta­la­ção des­tes no­vos sis­te­mas de mo­bi­li­da­de”, enu­me­rou. “Em pa­ra­le­lo, te­mos de vol­tar a trei­nar e au­men­tar as com­pe­tên­ci­as dos tra­ba­lha­do­res da in­dús­tria au­to­mó­vel”, ob­ser­vou a di­re­to­ra-ge­ral ad­jun­ta.

A ace­le­ra­ção di­gi­tal trou­xe opor­tu­ni­da­des pa­ra em­pre­sas, pe­ri­fe­ri­as e mo­bi­li­da­de. Mas, sem pla­ne­a­men­to, tu­do de­sa­pa­re­ce.

UE vai con­ti­nu­ar a in­ves­tir na mo­bi­li­da­de em Por­tu­gal

pa­ra col­ma­tar a li­te­ra­cia e ace­le­rar a trans­for­ma­ção tec­no­ló­gi­ca nos se­to­res pú­bli­co e pri­va­do.

Te­le­tra­ba­lho, en­si­no à dis­tân­cia, bi­ci­cle­tas ou car­ros elé­tri­cos são ten­dên­ci­as a acon­te­cer. Ago­ra, é pre­ci­so per­ce­ber co­mo é que es­sas no­vas re­a­li­da­des vão ser­vir as po­pu­la­ções e co­mo po­dem tra­zer opor­tu­ni­da­des. Es­ses fo­ram os pon­tos cen­trais apon­ta­dos pe­los con­vi­da­dos do de­ba­te fo­ca­do na tran­si­ção di­gi­tal e no­vas ten­dên­ci­as de mo­bi­li­da­de. “Não che­ga in­je­tar o di­gi­tal nos pro­ces­sos”, avi­sou Edu­ar­do Ra­mos, CEO da A-to-Be do gru­po Brisa: “Se­rá pre­ci­so re­fle­tir co­mo e com que ob­je­ti­vos são cons­truí­dos sis­te­mas e mo­de­los de ne­gó­ci­os.”

Pla­ne­ar os pró­xi­mos pas­sos pas­sa por ter em con­ta as di­fe­ren­tes ne­ces­si­da­des. É o ca­so dos ido­sos que, em 25 anos, du­pli­ca­ram a po­pu­la­ção e pre­ci­sam de ser­vi­ços dis­tin­tos: “Ou das fa­mí­li­as”, ex­pli­ca Di­o­go San­tos, part­ner da De­loit­te, re­ve­lan­do que 91% dos agre­ga­dos com fi­lhos têm au­to­mó­vel con­tra os 68% dos ca­sais sem cri­an­ças: “O trans­por­te pú­bli­co ain­da não dá res­pos­ta além do “tro­ço en­tre a par­ti­da e a che­ga­da”.

A tec­no­lo­gia é a cha­ve pa­ra a mo­bi­li­da­de in­te­li­gen­te, mas sem “bo­as idei­as, po­lí­ti­cas efi­ca­zes ou li­te­ra­cia” não avan­ça­rá mui­to, diz, por seu tur­no, Luís Reis, se­ni­or bu­si­ness ma­na­ger de mo­bi­li­da­de do CEi­iA: “É pre­ci­so tra­ba­lhar a par­tir das ne­ces­si­da­des das pes­so­as, das em­pre­sas, sa­ber iden­ti­fi­car ta­len­tos e pro­je­tos vá­li­dos.” Em pou­cas pa­la­vras: “Te­mos de ser ca­pa­zes de an­dar mais de­pres­sa”, de­fen­de Gus­ta­vo Mon­tei­ro, ad­mi­nis­tra­dor exe­cu­ti­vo da EDP Co­mer­ci­al. A ve­lo­ci­da­de é de­ter­mi­nan­te pa­ra dar res­pos­ta ao bo­om que se se es­pe­ra dos veí­cu­los elé­tri­cos: “Vá­ri­os es­tu­dos apon­tam pa­ra um cres­ci­men­to 40 ve­zes mai­or nos pró­xi­mos anos.”

 ??  ??
 ??  ??
 ??  ??
 ??  ?? João Matos Fernandes, mi­nis­tro do Am­bi­en­te e da Tran­si­ção Ener­gé­ti­ca abriu a ci­mei­ra.
João Matos Fernandes, mi­nis­tro do Am­bi­en­te e da Tran­si­ção Ener­gé­ti­ca abriu a ci­mei­ra.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal