Step by Step

Teix­eira Dos San­tos

GOLFE - - TEE ONE - TEXT: Már­cio Berenguer

Univer­sity teacher, the for­mer econ­omy and fi­nance min­is­ter and fi­nance sec­re­tary of state Fer­nando Teix­eira dos San­tos is now a pas­sion­ate golfer. The CEO of BIC bank ad­mits he doesn’t have as much time to play as he would like, that he re­sisted start­ing, but that now, as soon as there is a course in the vicin­ity, he is happy.

Golf is a re­cent pas­sion. How did it start?

I started play­ing golf three and a half years ago. It’s very re­cent. It hap­pened due to a friend that has played for many years, and that had been chal­leng­ing to play. At the time I told him I didn’t have the time for it. That I didn’t have the life for it. I was part of the govern­ment. Al­ways travelling from Porto to Lis­bon, and I felt I didn’t have what it took to take up golf. Af­ter that, when I left govern­ment in 2011, I still re­sisted, and I think that it was the end of 2013 that I de­cided to take some classes. I started in Porto, at the Ci­tyGolf, and I play at the Estela. This is my “home course”, but I play in other cour­ses of the Porto area: Mi­ra­mar, Ponte de Lima, Quinta da Barca, Vale Pisão, Oporto … Pro­fes­sor uni­ver­sitário, ex-se­cretário de Es­tado das Fi­nanças e antigo min­istro da Econo­mia e das Fi­nanças, Fer­nando Teix­eira dos San­tos é, agora, um apaixon­ado golfista. O CEO do banco Bic ad­mite que não tem o tempo que que­ria para jogar, que re­sis­tiu a começar, mas agora, en­quanto hou­ver um campo por perto… está feliz.

O golfe é uma paixão re­cente. Como começou?

Come­cei a jogar golfe há três anos e meio. É uma coisa muito re­cente. Foi através de um amigo, que joga há muitos anos e du­rante muito tempo in­cen­tivou-me a jogar. Na al­tura re­spon­dia que não tinha tempo. Vida para isso. Es­tava no governo. En­tre o Porto e Lis­boa per­ma­nen­te­mente e sen­tia que não tinha condições para me dedicar ao golfe. De­pois quando sai do governo em 2011, ainda an­dei a re­si­s­tir, e penso que foi em fi­nais de 2013 que eu de­cidi ter umas aulas. Come­cei no Porto, no Ci­tyGolf, e jogo na Estela. É o meu ‘home course’, mas jogo noutros cam­pos na zona do Porto: Mi­ra­mar, Ponte de Lima, Quinta da Barca, Vale Pisão, Oporto…

Was it dif­fi­cult?

The be­gin­ning is al­ways dif­fi­cult, but I think I adapted eas­ily to the golf logic be­cause I had pre­vi­ously played ten­nis. So, the idea of swing, of hit­ting the ball, is some­thing that comes sort of nat­u­rally to me, which may have my ini­tial learn­ing eas­ier. It’s a pe­riod, while we are play­ing, in which we get away from our wor­ries. It’s men­tal health. It’s four hours in which the only thing wor­ry­ing us is the swing and get­ting the ball into the hole. That stroke that we – in­cred­i­bly – missed and the other that we scored like a pro.

Do you still have time to play?

I have been hav­ing greater dif­fi­culty in play­ing. I try to play at least twice a week, but I haven’t been man­ag­ing this. I have now been in Lis­bon for a year, and I have gone back to travelling be­tween Porto and Lis­bon. The bank is based in Lis­bon, and I live in Porto, but I try al­ways to play in the week­end. Now in the summer, with longer days, I may man­age to play in a late af­ter­noon, even dur­ing the week.

Does any­one else in the fam­ily play?

No, no one does. I have un­til now been un­able to en­tice any­one. I have two grand­chil­dren – ok, three, but one is a baby – that are at an age in which I don’t know whether they are in­ter­ested in it or not, but one day soon I’ll take them into a golf academy and see what hap­pens. My wife was never very in­ter­ested in play­ing. I try not to make her a golf widow, but I am the only one play­ing in the fam­ily.

Do you see golf as an in­dus­try?

I see golf as some­thing the coun­try can bet on, be­cause we have all that it takes to de­velop a touris­tic of­fer based on golf. We have a fan­tas­tic cli­mate. We usu­ally say that Scots­men play even when the sun is shin­ing, which means we have this great ad­van­tage which is the cli­mate. Al­most through­out the year we can play in pleas­ant con­di­tions, es­pe­cially in the south, in the Al­garve. I think we need to in­crease our ef­forts in an of­fer based on golf. I have the feel­ing, and I will say this very care­fully be­cause I lack all the num­bers, but I think that what we call the “op­er­a­tional “eco­nom­ics” of a golf course are still to be fine tuned. I have the feel­ing that some cour­ses sur­vive with great dif­fi­cul­ties, which means there has to be a pol­icy of golf pro­mo­tion. Mind you, this doesn’t have

Foi difí­cil?

O in­í­cio é sem­pre com­pli­cado, mas penso que me ajustei com al­guma fa­cil­i­dade à lóg­ica do golfe porque antes joguei té­nis. Por­tanto a ideia do swing, do bater na bola, é algo que não era es­tranho para mim, o que talvez tenha fa­cil­i­tado a minha apren­diza­gem ini­cial. É um período, quando es­ta­mos a jogar, que nos ab­strair­mos das nos­sas pre­ocu­pações. É uma higiene men­tal. São qua­tro ho­ras em que a única coisa que nos ocupa a cabeça é o swing e me­ter a bola no bu­raco. Aquela pan­cada que parece in­crível como é que fal­hamos, e aquela outra que parecíamos um profis­sional.

Con­tinua a ter tempo para jogar?

Neste mo­mento tenho tido mais di­fi­cul­dades em jogar. Pro­curei jogar pelo menos duas vezes por se­m­ana, mas não tenho con­seguido. Es­tou há um ano em Lis­boa, e re­tomei a minha vida en­tre o Porto e Lis­boa. A sede do banco [EuroBic] é em Lis­boa e eu resido no Porto, mas procuro sem­pre jogar ao fim-de-se­m­ana. Agora no verão, com os dias mais lon­gos, pode ser num fim de tarde con­siga jogar mesmo du­rante a se­m­ana.

Na família mais al­guém joga?

Não, ninguém joga. Ainda não con­segui ali­ciar ninguém Tenho dois ne­tos – tenho três, mas um é bebé – que es­tão numa idade em que não sei se es­tão in­ter­es­sa­dos por isto, mas acho que qual­quer dia vou ten­tar levá-los a uma es­cola de golfe para ver o que acon­tece. A minha es­posa nunca se mostrou muito in­ter­es­sada em jogar. Procuro fazer com que ela não seja uma viúva do golfe, mas na família sou o único que joga.

O golfe como in­dús­tria?

Eu vejo como algo em que o país pode apos­tar, porque tem ex­ce­lentes condições para de­sen­volver uma oferta turís­tica as­so­ci­ada ao golfe. Te­mos um clima fan­tás­tico. Cos­tuma-se dizer que os es­co­ce­ses jogam até quando faz sol, por­tanto nós te­mos essa grande van­tagem que é o clima. Du­rante quase todo o ano pode­mos praticar a modal­i­dade em condições aprazíveis, em es­pe­cial no sul, no Al­garve. Creio que há que apos­tar mais numa oferta turís­tica cen­trada no golfe. Tenho um pouco a im­pressão, e vou dizer isto com al­guma cautela e reserva porque não tenho números, mas julgo que aquilo que nós chamamos de ‘eco­nom­ics’ da ex­plo­ração de um campo de golfe ainda não está com­ple­ta­mente afi­nado. Dá-me a ideia que há por aí cam­pos que vivem com muitas di­fi­cul­dades, e por­tanto tem de haver uma política de pro­moção do golfe. Atenção que não tem

to be a pub­lic pol­icy. The clubs, through its mem­bers, can be more proac­tive in the lo­cal com­mu­ni­ties and the schools.

Is there still some prej­u­dice in re­la­tion to golf that may dis­suade the youth?

Of course there are other sports that may at­tract the youth more eas­ily. That re­quire more ath­letic abil­i­ties. With more adren­a­line, per­haps. While golf is fre­quently as­so­ci­ated to mid­dle age. But I think it doesn’t have to be this way. In fact, we have a lot of young people in golf, great play­ers and great pros. And on the other hand, un­like many other sports, like foot­ball, golf can be played within the fam­ily, and has a great life span, which al­lows it to have a greater crit­i­cal mass.

Can cor­po­ra­tions get re­turns by bet­ting in golf?

I am con­vinced of this. The spon­sor­ing of golf, either through tour­na­ments or play­ers, by cor­po­ra­tions, re­gard­less of what they are, is im­por­tant. Es­pe­cially for the more solid one, that gain through be­ing con­nected to golf. EuroBIC has done this, just like other banks, and I think that in gen­eral terms this is good for the bank’s im­age and is part of the cor­po­rate pro­mo­tional strat­egy.

A bet that is to keep?

Yes, at least while I am CEO i will try to main­tain it, and I hope the bank has, just like it had had un­til now, the ca­pac­ity to main­tain a vis­i­ble pres­ence in sup­port­ing the sport.

Go­ing back, to a more per­sonal level. Which was the best course in which you played?

I have in cour­ses that I like a lot, but de­spite all I hes­i­tate be­tween two I al­ways liked. Estela, which isn’t an easy course, and can be quite de­mand­ing. But which is very beau­ti­ful right next to the ocean. And I like the Vidago palace, an in­land course that I like a lot. But it is also not an easy course.

And what’s your dream course?

St An­drews will al­ways be, for all play­ers, a ref­er­ence. A sort of Vat­i­can of golf, but if I never have the chance of play­ing there I won’t be sorry. I would be sorry not to be able to play any­more. And while there is a course in the vicin­ity... to be able to have the men­tal hy­giene I re­ferred to ear­lier. That con­vivi­al­ity with the golf com­mu­nity. The nine­teenth hole, which is usu­ally bad for our aes­thet­ics, is a con­vivial place. And the people we meet are a great re­source. In our day to day, at work, we usu­ally meet people with the same for­mat we have. A sort of sim­i­lar mind­set, but in golf con­ver­sa­tions are much more di­verse.

Your best shot...?

It was in Santo da Serra, in a train­ing round. I don’t even re­mem­ber which hole it was, but I com­pleted a 12 me­tre putt. Some­times we man­age it... de ser uma política pública. Os clubes, através tam­bém dos seus as­so­ci­a­dos, po­dem ser mais proac­tivos junto das co­mu­nidades lo­cais e das es­co­las.

Ainda per­siste al­guns pre­con­ceitos em re­lação ao golfe, o que pode in­ibir os mais novos.

É ev­i­dente que ex­is­tem out­ras modal­i­dades que po­dem atrair com maior fa­cil­i­dade as ca­madas mais jovens. Ex­igem uma maior ca­paci­dade atlética. Se cal­har dão outra adrenalina… quando o golfe é muitas vezes as­so­ci­ado à meia-idade. Mas penso que não tem de ser as­sim. Al­iás te­mos gente muito nova na modal­i­dade, que são belís­si­mos jo­gadores e belís­si­mos profis­sion­ais. Pelo con­trário, ao con­trário de out­ras modal­i­dades, como o fute­bol, o golfe pode ser jo­gado em família e tem uma grande longev­i­dade o que per­mite ter uma massa crítica maior.

O tecido em­pre­sar­ial ganha apo­s­tando no golfe.

Es­tou con­ven­cido que sim. O apoio ao golfe, seja através de torneios ou a jo­gadores, de em­pre­sas, se­jam elas quais forem, é im­por­tante. Prin­ci­pal­mente para as mais sól­i­das, que gan­ham através de uma lig­ação a esta modal­i­dade. O EuroBic tem o feito isso, al­iás como out­ros ban­cos, e eu acho que em ter­mos de im­agem pro­move a im­agem do banco e en­quadra-se den­tro de uma es­traté­gia pro­mo­cional da in­sti­tu­ição.

Uma aposta para man­ter?

Sim, eu pelo menos en­quanto es­tiver como CEO procu­rarei man­ter e es­pero que o banco tenha, como tem vindo a ter, ca­paci­dade para con­tin­uar a ter uma pre­sença visível no apoio a esta modal­i­dade.

Re­gres­sando atrás. A um reg­isto mais pes­soal. Mel­hor campo que já jo­gou?

Eu já joguei em cam­pos que gostei bas­tante, mas ape­sar de tudo es­tou aqui hes­i­tante em dois que apre­ciei muito jogar. O da Estela, que não é um campo fá­cil, é até muito ex­i­gente. Mas é um campo bonito. Junto ao mar. Gosto do Vidago Palace, um campo de in­te­rior que eu gosto muito. Tam­bém não é fá­cil.

O campo de sonho.

St. An­drews será sem­pre, para qual­quer golfista, uma refer­ên­cia. É uma es­pé­cie de Vat­i­cano do golfe, mas se nunca tiver opor­tu­nidade de lá ir não fi­carei com pena. Fi­caria sim se não jo­gasse mais. En­quanto hou­ver um campo por perto… poder ter aquela higiene men­tal que referi. Aquele con­vívio com a co­mu­nidade golfista. O décimo nono bu­raco, que nor­mal­mente é um aten­tado à nossa es­tética, é um lo­cal de con­vívio. As pes­soas com quem nos cruzamos no campo en­rique­cem-nos tam­bém. No nosso dia-a-dia, no tra­balho, ha­bit­ual­mente li­damos com pes­soas que têm a mesma for­matação do que nós. Um ‘mind­set’ semel­hante ao nosso, mas no golfe as con­ver­sas são muito di­ver­si­fi­cadas.

O mel­hor shot?

Foi no Santo da Serra, numa volta de treino. Já nem me recordo que bu­raco foi, mas fiz um putt com uns 12 met­ros. Às vezes acon­tece…

19

Newspapers in English

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.