No­vo lay-off vai con­ti­nu­ar em 2021. Fal­ta sa­ber co­mo

A dis­po­ni­bi­li­da­de foi ma­ni­fes­ta­da pe­lo mi­nis­tro da Eco­no­mia, Si­za Vi­ei­ra, que diz que o or­ça­men­to tem al­gu­mas cen­te­nas de mi­lhões de eu­ros re­ser­va­das pa­ra es­te fim. Go­ver­no ad­mi­te ain­da com­pen­sar em­pre­sas pe­lo au­men­to do sa­lá­rio mí­ni­mo.

Jornal de Negócios - - PRIMEIRA PÁGINA - CA­TA­RI­NA AL­MEI­DA PE­REI­RA ca­ta­ri­na­pe­rei­ra@ne­go­ci­os.pt

OGo­ver­no es­tá dis­po­ní­vel pa­ra alar­gar o cha­ma­do “apoio à re­to­ma pro­gres­si­va”, que veio subs­ti­tuir o lay-off sim­pli­fi­ca­do, ao lon­go do ano de 2021, ad­mi­tin­do até aprofundar os apoi­os. Nos ter­mos da le­gis­la­ção em vi­gor, es­te pro­gra­ma ter­mi­na­va em De­zem­bro.

A dis­po­ni­bi­li­da­de foi ma­ni­fes­ta­da es­ta quinta-feira pe­lo mi­nis­tro da Eco­no­mia, Si­za Vi­ei­ra, que in­di­cou que o or­ça­men­to do Es­ta­do re­ser­va al­gu­mas cen­te­nas de mi­lhões de eu­ros pa­ra es­te fim.

“Va­mos con­ti­nu­ar a man­ter es­ses apoi­os ao em­pre­go e te­mos ain­da a dis­po­ni­bi­li­da­de pa­ra ir mais lon­ge”, afir­mou Si­za Vi­ei­ra, no fi­nal de uma reu­nião de con­cer­ta­ção so­ci­al.

Quan­to ao apoio à re­to­ma pro­gres­si­va, “en­ten­de­mos que po­de ser ne­ces­sá­rio con­ti­nu­ar a man­ter es­se re­gi­me com as afi­na­ções que pos­sam ser ne­ces­sá­ri­as du­ran­te o pri­mei­ro se­mes­tre do pró­xi­mo ano e te­mos ca­pa­ci­da­de, se for ca­so dis­so, pa­ra alar­gar es­sas me­di­das ten­do em con­ta os ins­tru­men­tos eu­ro­peus”, dis­se.

Con­fron­ta­do com as crí­ti­cas das as­so­ci­a­ções pa­tro­nais, que têm di­to que es­te or­ça­men­to não é um apoio às em­pre­sas, o mi­nis­tro pro­cu­rou su­bli­nhar que há vá­ri­as pos­si­bi­li­da­des de fi­nan­ci­a­men­to em ci­ma da me­sa.

“O or­ça­men­to é ape­nas uma pe­ça das mui­tas res­pos­tas que te­mos” pa­ra res­pon­der às “ne­ces­si­da­des da eco­no­mia e da sociedade. Te­mos o REACT EU, o SURE e o pla­no de re­cu­pe­ra­ção e re­si­li­ên­cia com ver­bas mui­to sig­ni­fi­ca­ti­vas e di­ri­gi­das pa­ra o apoio às em­pre­sas. Por­tan­to olhar ape­nas pa­ra o OE e di­zer que não acau­te­la a si­tu­a­ção das em­pre­sas é re­du­tor”, dis­se.

“Va­mos tam­bém lan­çar me­di­das pa­ra ca­pi­ta­li­za­ção das em­pre­sas no pri­mei­ro se­mes­tre”, com o ob­je­ti­vo de “evi­tar um pro­ble­ma sis­té­mi­co de in­sol­vên­cia”.

Aber­tu­ra pa­ra ne­go­ci­ar à es­quer­da

Ao mes­mo tem­po que pro­cu­ra­va res­pon­der às crí­ti­cas das as­so­ci­a­ções pa­tro­nais – su­bli­nhan­do que o Go­ver­no es­tá “ab­so­lu­ta­men­te pre­pa­ra­do pa­ra con­ti­nu­ar a dis­po­ni­bi­li­zar apoi­os às em­pre­sas” – Si­za Vi­ei­ra tam­bém mos­trou dis­po­ni­bi­li­da­de pa­ra con­ti­nu­ar a ne­go­ci­ar com a es­quer­da ma­té­ri­as co­mo o no­vo apoio so­ci­al ou o va­lor mí­ni­mo do sub­sí­dio de de­sem­pre­go.

É que, se­gun­do ar­gu­men­tou, se não hou­ver um or­ça­men­to apro­va­do não ha­ve­rá apoi­os nem pa­ra as em­pre­sas nem pa­ra as fa­mí­li­as.

“O que sa­be­mos é que se não for apro­va­do não há nenhuma hi­pó­te­se de tra­ba­lhar se­ja nes­se sen­ti­do se­ja de con­cre­ti­zar as me­di­das que já cons­tam da pro­pos­ta de lei e que já pre­ve­em uma ele­va­ção do sub­sí­dio de de­sem­pre­go dos tra­ba­lha­do­res que ti­ve­ram a tem­po in­tei­ro pa­ra o li­mi­ar de po­bre­za”, dis­se o mi­nis­tro da Eco­no­mia.

Foi em res­pos­ta às rei­vin­di­ca­ções do PCP e do Blo­co que o Go­ver­no re­sol­veu apro­var a sus­pen­são dos pra­zos que le­vam à ca­du­ci­da­de das con­ven­ções co­le­ti­vas, por dois anos, um as­sun­to que tam­bém foi dis­cu­ti­do em con­cer­ta­ção so­ci­al.

Si­za Vi­ei­ra mos­tra no en­tan­to pou­ca von­ta­de de aprofundar as

“Es­ta­mos ab­so­lu­ta­men­te pre­pa­ra­dos pa­ra con­ti­nu­ar a dar apoi­os às em­pre­sas. SI­ZA VI­EI­RA Mi­nis­tro da Eco­no­mia

res­tri­ções aos des­pe­di­men­tos. “Não po­de­mos proi­bir des­pe­di­men­tos por de­cre­to. Se o fi­zer­mos as em­pre­sas en­cer­ram”.

Con­fron­ta­do com a de­nún­cia de Isa­bel Ca­ma­ri­nha, da CGTP, que dis­se que há uma sé­rie de em­pre­sas que re­cor­re­ram a vá­ri­os apoi­os do Es­ta­do e que es­tão ago­ra a des­pe­dir, Si­za Vi­ei­ra deu a en­ten­der que o nú­me­ro glo­bal de des­pe­di­men­tos co­le­ti­vos ain­da não es­ta­rá a au­men­tar. “Já há aí um con­jun­to de des­pe­di­men­tos co­le­ti­vos em cur­so”, dis­se a lí­der da CGTP, dan­do um exem­plo que en­vol­ve 116 tra­ba­lha­do­res.

An­tó­nio Cotrim/Lu­sa

O mi­nis­tro da Eco­no­mia, Pe­dro Si­za Vi­ei­ra, e o se­cre­tá­rio de Es­ta­do do Em­pre­go, Mi­guel Ca­bri­ta, es­ti­ve­ram on­tem reu­ni­dos com os par­cei­ros sociais.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.