VI­VA MAIS

Pro­te­ja as­sim o co­ra­çao

Men's Health (Portugal) - - Primeira Página -

O co­ra­ção não

ser­ve ape­nas pa­ra bom­be­ar san­gue. É um ór­gão ex­tre­ma­men­te

sen­sí­vel que po­de­rá es­tar mais en­vol­vi­do com as emo­ções do que

vo­cê pen­sa

Com o co­ra­ção nas mãos. A fra­se soa an­ti­ga, mas nem por is­so dei­xa de ser me­nos ver­da­dei­ra. Por aca­so não ex­pe­ri­men­tá­mos já to­dos es­sa mes­ma sen­sa­ção em al­gum mo­men­to da nos­sa vi­da? Mas nem tu­do são me­tá­fo­ras ou lin­gua­gem poé­ti­ca.

Há mais ver­da­de do que pa­re­ce em ex­pres­sões co­mo “ter o co­ra­ção par­ti­do”. E é a Ci­ên­cia quem o diz. Es­tu­dos re­cen­tes de vá­ri­as dis­ci­pli­nas pa­re­cem in­di­car que es­tes mi­tos an­ti­gos po­dem ter al­gum fun­do de ver­da­de, pois foi com­pro­va­do que as emo­ções po­dem afe­tar di­re­ta­men­te e com frequên­cia a saú­de cardíaca de uma for­ma fí­si­ca e tan­gí­vel. Tal­vez se­ja es­sa a ra­zão, por exem­plo, por se pro­du­zir um mai­or nú­me­ro de en­far­tes às se­gun­das-fei­ras em com­pa­ra­ção com os res­tan­tes di­as da se­ma­na; e a si­tu­a­ção pi­o­ra se es­ti­ver mau tem­po.

As pes­so­as que pas­sa­ram por um trau­ma gra­ve e re­pen­ti­no, co­mo por exem­plo o fa­le­ci­men­to de al­guém pró­xi­mo, po­dem ex­pe­ri­men­tar al­te­ra­ções fí­si­cas no co­ra­ção. Qu­an­do al­guém diz que a mor­te de um ami­go lhe to­cou o co­ra­ção, a afir­ma­ção pro­va­vel­men­te é li­te­ral. O co­ra­ção é um ór­gão sur­pre­en­den­te. Es­tá sem­pre ocu­pa­do com a sua ta­re­fa prin­ci­pal, que con­sis­te em bom­be­ar san­gue, mas tam­bém po­de atu­ar co­mo alar­me pa­ra o seu es­ta­do de saú­de, grau de fa­di­ga, ní­vel de stress (e de ira, fa­tor im­por­tan­te no ca­so dos ho­mens) e até do es­ta­do das su­as re­la­ções. Man­tém-no vi­vo, mas tam­bém po­de ma­tá-lo se não apren­der a es­cu­tá-lo e a en­ten­dê-lo. É mais do que uma sim­ples bom­ba. Exis­te um co­ra­ção fí­si­co e um co­ra­ção emo­ci­o­nal, que res­pon­de ao mun­do que o ro­deia. Nes­se sen­ti­do, a mai­o­ria dos ho­mens es­tá fa­mi­li­a­ri­za­da com fa­to­res de ris­co co­mo a hi­per­ten­são e o co­les­te­rol, mas te­mos ten­dên­cia pa­ra des­cu­rar os pro­ble­mas de ín­do­le men­tal, emo­ci­o­nal, que, sem sa­ber­mos, tam­bém es­tão re­la­ci­o­na­dos com es­te ór­gão. E é uma pena que as­sim se­ja, já que com­pre­en­der o ór­gão mais mi­la­gro­so do cor­po hu­ma­no po­de me­lho­rar, e até sal­var, a sua vi­da.

De se­gui­da, enu­me­ra­mos as fun­ções que de­sem­pe­nha o co­ra­ção e di­ze­mos-lhe o que de­ve fa­zer pa­ra con­ti­nu­ar a fun­ci­o­nar na per­fei­ção.

BOMBEIA

O co­ra­ção é o úni­co ór­gão que es­tá em con­tí­nuo mo­vi­men­to. Cer­ca de 70 ve­zes por mi­nu­to, 100.000 ve­zes ao dia, as qua­tro ca­vi­da­des car­día­cas ex­pan­dem-se e con­tra­em-se em per­fei­ta sin­cro­nia pa­ra fa­zer cir­cu­lar por to­do o cor­po o equi­va­len­te a 9.000 li­tros de san­gue oxi­ge­na­do di­a­ri­a­men­te. O co­ra­ção en­via san­gue aos lu­ga­res mais afas­ta­dos, co­mo o cé­re­bro, qua­dri­cí­pi­tes, te­ci­do eré­til do pé­nis (qu­an­do é ne­ces­sá­rio) e, o mais im­por­tan­te, ao pró­prio mús­cu­lo car­día­co, que uti­li­za par­te do san­gue que bombeia. Ape­sar do des­gas­te que so­fre, tem uma re­sis­tên­cia de lon­ga du­ra­ção: as pa­re­des do co­ra­ção con­tra­em-se e dis­ten­dem-se e as vál­vu­las man­têm o san­gue a fluir na di­re­ção cor­re­ta sem in­ter­rup­ções ou pa­ra­gens, nem se­quer en­quan­to dor­me. Que ou­tra má­qui­na con­se­gue fa­zer is­so du­ran­te 80 anos?

Não per­ca o com­pas­so Se­gun­do um es­tu­do bri­tâ­ni­co, os ho­mens que fa­zem exer­cí­cio ha­bi­tu­al­men­te bom­bei­am mais san­gue a ca­da ba­ti­men­to do que aque­les que le­vam uma vi­da mais se­den­tá­ria. A As­so­ci­a­ção nor­te-ame­ri­ca­na de Car­di­o­lo­gia re­co­men­da cin­co trei­nos de 30 mi­nu­tos de exer­cí­cio mo­de­ra­do ou três trei­nos de 25 mi­nu­tos de exer­cí­cio vi­go­ro­so to­das as se­ma­nas (lá es­tá o mo­vi­men­to #3por­se­ma­na), além de trei­nos de força de in­ten­si­da­de en­tre mo­de­ra­da e al­ta pe­lo me­nos dois di­as por se­ma­na. O trei­no in­ter­va­la­do (au­men­tar a in­ten­si­da­de du­ran­te vá­ri­os mi­nu­tos mui­tas ve­zes du­ran­te a ses­são de exer­cí­cio) é ex­ce­len­te. De fac­to, qu­an­to mais rá­pi­do for, mais efi­ci­en­te se tor­na o co­ra­ção.

AUTORREGULA-SE

A frequên­cia cardíaca va­ria cons­tan­te­men­te, até de um ba­ti­men­to pa­ra o ou­tro. Is­to fun­ci­o­na as­sim, por­que o co­ra­ção é go­ver­na­do pe­las du­as par­tes opos­tas do sis­te­ma neu­ro­ve­ge­ta­ti­vo. Fa­ce

a uma ame­a­ça, o sis­te­ma ner­vo­so sim­pá­ti­co ati­va a res­pos­ta de lu­tar ou fu­gir, que ace­le­ra o rit­mo car­día­co. Por ou­tro la­do, o sis­te­ma ner­vo­so pa­ras­sim­pá­ti­co, mais cal­mo, di­mi­nui as ro­ta­ções pa­ra que vo­cê pos­sa des­can­sar e fa­zer a di­ges­tão. Am­bos es­tão con­cen­tra­dos nu­ma dis­pu­ta cons­tan­te, de­pen­den­do dos es­tí­mu­los ex­ter­nos e, so­bre­tu­do, de co­mo vo­cê in­ter­pre­ta es­ses es­tí­mu­los. Um “tom” sim­pá­ti­co mais al­to tra­duz-se nu­ma frequên­cia cardíaca e uma ten­são ar­te­ri­al mais elevadas e um mai­or ris­co de epi­só­di­os car­día­cos. Mas qu­an­do o sis­te­ma ner­vo­so pa­ras­sim­pá­ti­co é do­mi­nan­te, co­mo ocor­re com os des­por­tis­tas, a frequên­cia cardíaca di­mi­nui e tor­na-se mais va­riá­vel. De fac­to, es­ta va­ri­a­bi­li­da­de é um in­di­ca­dor de boa saú­de. Não per­ca o com­pas­so Apps co­mo Eli­te HRV e Ome­gawa­ve (am­bas gra­tui­tas) po­dem aju­dá-lo a mo­ni­to­ri­zar a va­ri­a­bi­li­da­de da sua frequên­cia cardíaca. Pri­mei­ro tem de es­ta­be­le­cer um va­lor de re­fe­rên­cia. De­pois po­de com­pro­var as flu­tu­a­ções diá­ri­as pa­ra sa­ber qu­an­do lhe con­vém trei­nar com mais ou com me­nos in­ten­si­da­de.

ES­TÁ CONECTADO

Se o ex­trair do cor­po e con­ti­nu­ar a for­ne­cer-lhe ener­gia e oxi­gé­nio, con­ti­nu­a­rá a ba­ter so­zi­nho. Tra­ta-se de uma pro­pri­e­da­de úni­ca e fas­ci­nan­te do co­ra­ção. A ra­zão é que es­te ór­gão tem o seu pró­prio sis­te­ma elé­tri­co, com cé­lu­las es­pe­ci­ais que ge­ram e for­ne­cem im­pul­sos elé­tri­cos de for­ma rít­mi­ca pa­ra pro­vo­car a con­tra­ção e o

Por BILL GIFFORD

P.81

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.