Pa­re de ten­tar ser sem­pre fe­liz

NÃO SE DEI­XE EN­GA­NAR PE­LOS PSEUDO-SOR­RI­SOS DO INS­TA­GRAM. ACA­BE COM OS SOR­RI­SOS FORÇADOS E TEN­TE EN­CON­TRAR O EQUI­LÍ­BRIO.

Men's Health (Portugal) - - Mh 100% Útil -

Ocul­to da fe­li­ci­da­de pa­re­ce não es­tar a fun­ci­o­nar. De acor­do com uma pes­qui­sa da Or­ga­ni­za­ção pa­ra a Co­o­pe­ra­ção e o De­sen­vol­vi­men­to Eco­nó­mi­co (OCDE), em Por­tu­gal, a satisfação ge­ral ron­da os 5 pon­tos, nu­ma es­ca­la de 0 a 10, es­tan­do abai­xo da mé­dia da OCDE, que se en­con­tra nos 6,5 pon­tos. (1) Se­gun­do um es­tu­do da So­ci­al Psy­cho­lo­gi­cal and Per­so­na­lity Sci­en­ce, exis­te uma ten­dên­cia na so­ci­e­da­de pa­ra evi­tar ad­mi­tir a tris­te­za. E is­to es­tá a fa­zer com que as pes­so­as se sin­tam so­zi­nhas quan­do as di­ver­sas si­tu­a­ções na vi­da não re­sul­tam. Ape­sar de to­das as pu­bli­ca­ções nas redes sociais que o in­cen­ti­vam a fo­car-se na sua fe­li­ci­da­de, es­te é, sem dú­vi­da, um pro­ble­ma. Sur­pre­en­den­te­men­te, a cha­ve pa­ra en­con­trar a fe­li­ci­da­de po­de es­tar em ig­no­rar as pes­qui­sas. Psi­có­lo­gos nor­te-ame­ri­ca­nos des­co­bri­ram que aque­les que pro­cu­ram ati­va­men­te a fe­li­ci­da­de ten­dem a sen­tir-se pres­si­o­na­dos pa­ra es­ta­rem bem-dis­pos­tos e aca­bam por cul­pa­bi­li­zar-se quan­do es­tão mais em bai­xo. E se acre­di­ta que o di­nhei­ro lhe po­de com­prar fe­li­ci­da­de, tam­bém es­tá en­ga­na­do. In­ves­ti­ga­do­res des­co­bri­ram que ga­nhar mais do que 80.000€ ao ano só lhe cau­sa mais stress. (2) As pes­so­as de­vem ten­tar al­can­çar uma boa saú­de men­tal, da­do que um es­ta­do men­tal sau­dá­vel po­de aju­dar a li­dar com o bom e com o mau que acon­te­ce na vi­da, por­que a fe­li­ci­da­de não exis­te sem a tris­te­za. É nor­mal sen­tir-se mais em bai­xo, mas sen­tir-se sem­pre eu­fó­ri­co e com uma fe­li­ci­da­de sem fim, na re­a­li­da­de, é des­con­cer­tan­te – e ne­gar-lhe-ia a va­ri­e­da­de de res­pos­tas emo­ci­o­nais que nos tor­na hu­ma­nos. Os nos­sos mo­men­tos me­nos bons, ape­sar de se­rem do­lo­ro­sos, têm um ob­je­ti­vo cru­ci­al. Cho­rar é o iní­cio do pro­ces­so re­pa­ra­dor (3) e ní­veis de stress mo­de­ra­dos pro­va­ram mes­mo ter be­ne­fí­ci­os. Fe­li­ci­da­de a lon­go pra­zo é uma ques­tão de equi­lí­brio, por is­so, não se dei­xe en­ga­nar por todos os sor­ri­sos que vê no Ins­ta­gram. Mui­tos in­ves­ti­ga­do­res subs­cre­vem o prin­cí­pio 90/10, que atri­bui 10% da fe­li­ci­da­de a coi­sas que lhe acon­te­cem e 90% a co­mo reage a es­ses acon­te­ci­men­tos. As­sim, op­te por um es­ti­lo de vi­da de acei­ta­ção, man­te­nha-se li­ga­do aos outros e com­pre ex­pe­ri­ên­ci­as, em vez de coi­sas – po­de aca­bar por des­co­brir que, as­sim, o seu sor­ri­so é me­nos for­ça­do. O re­co­nhe­ci­men­to do mau hu­mor po­de re­du­zir o im­pac­to na sua saú­de men­tal e fí­si­ca. Uma pes­qui­sa pu­bli­ca­da na re­vis­ta Emo­ti­on des­co­briu que quem é ca­paz de acei­tar os sen­ti­men­tos ne­ga­ti­vos, em vez de os ig­no­rar, emer­ge psi­co­lo­gi­ca­men­te ile­so. De acor­do com ou­tro es­tu­do, des­ta vez pu­bli­ca­do na Ex­pe­ri­men­tal So­ci­al Psy­cho­logy, sen­tir-se em bai­xo me­lho­ra a me­mó­ria e a aten­ção que da­mos aos de­ta­lhes, ao pro­mo­ver a ca­pa­ci­da­de de blo­que­ar dis­tra­ções. De­co­re es­ta pa­la­vra: ‘si­su’: Es­te é o ter­mo pa­ra a for­ça psi­co­ló­gi­ca que o aju­da a ul­tra­pas­sar de­sa­fi­os ex­tra­or­di­ná­ri­os. ‘Si­su’ en­co­ra­ja-o a re­cor­rer às su­as re­ser­vas de de­ter­mi­na­ção – uma es­co­lha mui­to mais sau­dá­vel, po­den­do le­var à satisfação pro­lon­ga­da pe­la vi­da.

RE­SIS­TA À TEN­TA­ÇÃO de apli­car um ‘fil­tro’às su­as an­si­e­da­des.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.