To­da a ver­da­de so­bre os ali­men­tos pro­ces­sa­dos

Os ali­men­tos pro­ces­sa­dos são todos iguais? Não. São todos os ali­men­tos pro­ces­sa­dos pre­ju­di­ci­ais à saú­de? Tam­bém não.

Men's Health (Portugal) - - Nutrição - POR DA­NI­E­LA COS­TA TEI­XEI­RA

A nu­tri­ci­o­nis­ta Ana Es­te­ves re­ve­la to­da a ver­da­de so­bre os con­si­de­ra­dos ‘vi­lões’ do mo­men­to. Ter uma ali­men­ta­ção sau­dá­vel é a mais cer­tei­ra das es­tra­té­gi­as pa­ra se ter saú­de – e da boa! E é uma ta­re­fa bem mais sim­ples do que pen­sa: Va­ri­e­da­de, equi­lí­brio, cons­ci­ên­cia e per­so­na­li­za­ção (ten­do em con­ta as ne­ces­si­da­des de ca­da pes­soa) são as cha­ves do su­ces­so.

“Todos te­mos três vi­das: a pú­bli­ca, a pri­va­da e a se­cre­ta”.

—Ga­bri­el Gar­cía Már­quez

“I“Ide­al­men­te, de­ve­mos op­tar por ali­men­tos pro­ve­ni­en­tes di­re­ta­men­te da Na­tu­re­za, na sua épo­ca, apro­vei­tan­do a sua ri­que­za nu­tri­ci­o­nal e o fac­to de não te­rem adi­ti­vos ou so­fre­rem pro­ces­sa­men­to”, re­fe­re a nu­tri­ci­o­nis­ta Ana Es­te­ves. Con­tu­do, “a gran­de maioria dos ali­men­tos que se con­so­mem nos di­as de ho­je pas­sam por al­gum ti­po de pro­ces­sa­men­to”. Mas is­so não tem de ser ne­ces­sa­ri­a­men­te mau – tu­do de­pen­de das es­co­lhas que são fei­tas.

E é aqui que sur­ge a per­gun­ta: O que são, afi­nal, os ali­men­tos pro­ces­sa­dos? “Os ali­men­tos pro­ces­sa­dos são ali­men­tos que so­fre­ram al­gum ti­po de trans­for­ma­ção pro­po­si­ta­da, que não pro­vêm di­re­ta­men­te da Na­tu­re­za”, co­me­ça por ex­pli­car a es­pe­ci­a­lis­ta.

“Mui­tos dos ali­men­tos pro­ces­sa­dos são po­bres nu­tri­ci­o­nal­men­te, com excesso de açú­car, gor­du­ra, sal e com adi­ção de co­ran­tes, ado­çan­tes, es­ta­bi­li­za­do­res e emul-

si­o­nan­tes”. Fa­la­mos, por exem­plo, das bo­la­chas, das ba­ta­tas fri­tas de pa­co­te, das bar­ras de ce­re­ais, dos pães in­dus­tri­a­li­za­dos, etc. Mas não só.

Se­gun­do a FDA - Fo­od and Drug Ad­mi­nis­tra­ti­on (agência nor­te-ame­ri­ca­na que re­gu­la os se­to­res ali­men­tar e farmacêutico), os ali­men­tos pro­ces­sa­dos não são ape­nas aque­les que se co­mer­ci­a­li­zam em em­ba­la­gens - e, sim, po­de fi­car es­pan­ta­do, o mun­do dos ali­men­tos pro­ces­sa­dos vai mui­to além dos pa­co­tes de ba­ta­tas fri­tas, das bo­la­chas ou das re­fei­ções pré-con­fe­ci­o­na­das.

“Tam­bém são con­si­de­ra­dos ali­men­tos pro­ces­sa­dos, aque­les que te­nham si­do: en­la­ta­dos, des­cas­ca­dos (à ex­ce­ção das no­zes), fa­ti­a­dos, tri­tu­ra­dos, picados, con­ge­la­dos, co­zi­nha­dos, pas­teu­ri­za­dos, ho­mo­ge­nei­za­dos ou que te­nham si­do sub­me­ti­dos a ir­ra­di­a­ção, mo­a­gem ou cor­te. Por es­ta ra­zão, tan­to são con­si­de­ra­dos ali­men­tos pro­ces­sa­dos o pes­ca­do con­ge­la­do co­mo as ba­ta­tas fri­tas de pa­co­te, ten­do es­tes efei­tos na saú­de cla­ra­men­te di­fe­ren­tes”, des­ta­ca.

Na prá­ti­ca, es­cla­re­ce a nu­tri­ci­o­nis­ta com ba­se no Guia Ali­men­tar pa­ra a Po­pu­la­ção Bra­si­lei­ra, “os ali­men­tos são ca­te­go­ri­za­dos em qu­a­tro ti­pos, de acor­do com o seu grau de pro­ces­sa­men­to: ali­men­tos in na­tu­ra, ali­men­tos mi­ni­ma­men­te pro­ces­sa­dos, ali­men­tos pro­ces­sa­dos e ali­men­tos ul­tra­pro­ces­sa­dos” – sen­do que, fri­sa, “es­tes úl­ti­mos são os mais pre­ju­di­ci­ais e de­vem ser eli­mi­na­dos da ali­men­ta­ção diá­ria”.

“Os ali­men­tos in na­tu­ra são ob­ti­dos di­re­ta­men­te de plan­tas ou de ani­mais, sem que te­nham so­fri­do qual­quer al­te­ra­ção após dei­xa­rem a Na­tu­re­za (é o ca­so das fo­lhas, dos fru­tos e dos ovos)”. Já os ali­men­tos mi­ni­ma­men­te pro­ces­sa­dos são ali­men­tos in na­tu­ra que “pas­sam por pe­que­nas al­te­ra­ções an­tes de se­rem ven­di­dos (são exem­plos o pes­ca­do con­ge­la­do e o lei­te pas­teu­ri­za­do). São ain­da con­si­de­ra­dos aque­les que são ex­traí­dos dos in na­tu­ra ou di­re­ta­men­te da Na­tu­re­za (co­mo os óle­os, as gor­du­ras, o açú­car e o sal)”.

“Os ali­men­tos pro­ces­sa­dos são pro­du­tos ob­ti­dos atra­vés da adi­ção de sal ou açú­car a um ali­men­to in na­tu­ra ou mi­ni­ma­men­te pro­ces­sa­do (co­mo acon­te­ce com os le­gu­mes em con­ser­va, fru­tas em cal­da, quei­jos e pães)”, con­ti­nua.

Por fim, “os ali­men­tos ul­tra­pro­ces­sa­dos cor­res­pon­dem a pro­du­tos cu­ja fa­bri­ca­ção en­vol­ve di­ver­sas eta­pas e técnicas de pro­ces­sa­men­to e vá­ri­os ingredientes, mui­tos de­les de uso ex­clu­si­va­men­te in­dus­tri­al”, sen­do os re­fri­ge­ran­tes, as ba­ta­tas fri­tas e as bo­la­chas al­guns exem­plos bem co­nhe­ci­dos dos di­as de ho­je.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.