Os ho­mens têm os mes­mos pro­ble­mas das mu­lhe­res?

Es­tá na ho­ra de dar voz (e cor­po) aos pro­ble­mas dos ho­mens. Se pen­sa que os stres­ses de­las não o atin­gem, leia is­to...

Men's Health (Portugal) - - Este Mês - POR DA­NI­E­LA COS­TA TEI­XEI­RA

Mui­to se tem fa­la­do em cor­pos re­ais nu­ma lu­ta qua­se in­ces­san­te contra cor­pos per­fei­tos. Mas is­to não é ape­nas uma ques­tão fe­mi­ni­na. Na ver­da­de, eles tam­bém so­frem com os ‘pro­ble­mas’ de­las – e com os pro­ble­mas de­les que tei­ma­mos em não va­lo­ri­zar.

“Se­ja­mos mo­rais. Va­mos con­tem­plar a exis­tên­cia”.

—Char­les Dic­kens

OO cor­po mas­cu­li­no é tão com­ple­xo quan­to o fe­mi­ni­no. Usa a pu­ber­da­de co­mo tram­po­lim pa­ra se de­sen­vol­ver, ali­men­ta-se de hor­mo­nas pa­ra se trans­for­mar e re­cor­re à co­mi­da co­mo com­bus­tí­vel pa­ra so­bre­vi­ver. Mes­mo as­sim, elas di­zem di­zer ter mais ‘dra­mas’ cor­po­rais do que eles. Mas is­so não é ver­da­de.

Ape­sar de mui­to se fa­lar da au­to­es­ti­ma das mu­lhe­res e do quão im­pac­tan­tes os ide­ais de be­le­za po­dem ser pa­ra elas, a ima­gem cor­po­ral tem tam­bém “um enor­me im­pac­to no bem-es­tar e saú­de men­tal dos ho­mens”, co­me­ça por ex­pli­car à Men’s Health a psi­có­lo­ga Ri­ta Torres.

“Es­tu­dos re­cen­tes apon­tam que os ho­mens têm tan­tas di­fi­cul­da­des com a ima­gem cor­po­ral e au­to­es­ti­ma co­mo as mu­lhe­res. Por exem­plo, um es­tu­do le­va­do a cabo por in­ves­ti­ga­do­res da Uni­ver­si­da­de de Washington [nos Es­ta­dos Uni­dos], re­ve­lou que uma amos­tra de alu­nos universitários va­lo­ri­za­va ne­ga­ti­va­men­te a fal­ta de ca­be­lo ou de um cor­po pou­co mus­cu­la­do na sua apa­rên­cia. Es­te es­tu­do re­ve­lou tam­bém que es­tes alu­nos ex­pe­ri­en­ci­a­vam an­si­e­da­de re­la­ti­va­men­te à sua ima­gem cor­po­ral, o que, mui­tas ve­zes, os le­va­va a in­cor­rer em di­ver­sos com­por­ta­men­tos de ris­co, co­mo exer­cí­cio ex­ces­si­vo, di­e­tas res­tri­ti­vas ou uso de la­xan­tes”, re­ve­la a psi­có­lo­ga, sa­li­en­tan­do que, “nou­tro es­tu­do, os re­sul­ta­dos apon­ta­vam que a in­te­ri­o­ri­za­ção dos pa­drões de be­le­za mas­cu­li­nos le­va­vam

OS PA­DRÕES DE BE­LE­ZA MAS­CU­LI­NOS TAM­BÉM EXIS­TEM E HÁ MUI­TO QUE ES­TÃO EN­RAI­ZA­DOS

a que uma amos­tra de ado­les­cen­tes nor­te-ame­ri­ca­nos apre­sen­tas­se mai­o­res ín­di­ces de sin­to­ma­to­lo­gia de­pres­si­va”.

A saú­de men­tal mas­cu­li­na é tão vul­ne­rá­vel ao que acre­di­ta­mos ser belo co­mo a saú­de men­tal fe­mi­ni­na, pois “exis­te uma pres­são so­ci­al pa­ra um ide­al de be­le­za que tam­bém afe­ta os ho­mens, em­bo­ra ain­da se­ja me­nos fa­la­do. Quer-se que os ho­mens não se­jam de­ma­si­a­do ma­gros, mas tam­bém não de­ma­si­a­do gor­dos, que se­jam al­tos, de ca­be­lo far­to e om­bros lar­gos”.

Mas o im­pac­to do cor­po per­fei­to mas­cu­li­no vai mui­to além da tris­te­za em não con­se­gui-lo. Pa­ra a tam­bém se­xó­lo­ga Ri­ta Torres, “quan­do os fa­to­res so­ci­o­cul­tu­rais se jun­tam a fa­to­res psi­co­ló­gi­cos, co­mo a exis­tên­cia de uma bai­xa au­to­es­ti­ma ou a exis­tên­cia pré­via de di­fi­cul­da­des emo­ci­o­nais, é fá­cil que os ho­mens de­sen­vol­vam psi­co­pa­to­lo­gia, co­mo é o ca­so da sin­to­ma­to­lo­gia de­pres­si­va e an­si­o­sa, per­tur­ba­ções ali­men­ta­res, dis­mor­fis­mo cor­po­ral, abu­so de subs­tân­ci­as ou dis­fun­ções se­xu­ais. No ca­so dos ado­les­cen­tes, es­ta pres­são pa­ra ter o cor­po per­fei­to é par­ti­cu­lar­men­te pe­ri­go­sa, já que es­ta é uma fa­se do ci­clo vi­tal em que a ne­ces­si­da­de de per­ten­ça é mui­to gran­de, e exis­te mai­or ris­co de que­rer al­can­çar a to­do o cus­to o cor­po ‘per­fei­to’”.

A PRES­SÃO TAM­BÉM ES­TÁ DO LA­DO DE­LES

Tal co­mo acon­te­ce com o se­xo fe­mi­ni­no, os ho­mens são igual­men­te “bom­bar­de­a­dos com a ima­gem de um cor­po ide­al, de acor­do com os câ­no­nes da so­ci­e­da­de”. A diferença é que há vo­zes na lu­ta por um #re­al­body fe­mi­ni­no, mas a lu­ta por um cor­po re­al mas­cu­li­no man­tém-se si­len­ci­o­sa… e mui­to por cul­pa não só da so­ci­e­da­de, mas tam­bém do pró­prio ho­mem - que tei­ma em fa­zer jus à te­o­ria de que o ho­mem de­ve ser va­len­te.

Ao con­trá­rio da re­a­li­da­de das mu­lhe­res, con­ti­nua a es­pe­ci­a­lis­ta, os ho­mens “têm pou­cos re­cur­sos pa­ra os aju­dar a li­dar com uma ima­gem cor­po­ral ne­ga­ti­va”. E os pa­drões de be­le­za há mui­to en­rai­za­dos são imen­sos: Cor­pos es­bel­tos, mús­cu­los to­ni­fi­ca­dos, om­bros lar­gos, pei­to de­pi­la­do, bar­ba farta, ca­be­lo vas­to, sor­ri­so per­fei­to.

Sim, os ho­mens tam­bém so­frem com pa­drões so­ci­al­men­te pre­de­fi­ni­dos e “exis­te ain­da uma pres­são so­ci­al pa­ra que se­jam ‘for­tes’ e, por­tan­to, ain­da não lhe és per­mi­ti­do ex­pres­sar emo­ções as­so­ci­a­das a qual­quer ti­po de vul­ne­ra­bi­li­da­de, co­mo é o ca­so da tris­te­za”. Afi­nal, o que ain­da se en­si­na aos mais no­vos é que ‘os ho­mens não cho­ram’ – não é ver­da­de? – e “é por is­to que fa­cil­men­te se per­ce­be o des­con­for­to dos ho­mens em fa­lar de as­sun­tos co­mo a sua ima­gem cor­po­ral ou au­to­es­ti­ma”, con­ti­nua a es­pe­ci­a­lis­ta.

Se­gun­do a psi­có­lo­ga Ri­ta Torres, além dos pro­ble­mas de­las po­de­rem afe­tar os ho­mens, nos di­as de ho­je “pa­re­ce que é obri­ga­tó­rio pa­ra se ser de­se­já­vel que o ho­mem não exi­ba ca­ra­te­rís­ti­cas as­so­ci­a­das às mu­lhe­res, co­mo es­tri­as, ce­lu­li­te, ma­mi­nhas, fal­ta de pe­los”.

Nes­te pon­to, sal­va­guar­da a es­pe­ci­a­lis­ta, “é im­por­tan­te re­fe­rir que o con­cei­to de gé­ne­ro es­ta­be­le­ci­do pe­la so­ci­e­da­de atu­al é bas­tan­te ti­ra­no ao co­lo­car o ho­mem e a mu­lher em ‘cai­xi­nhas’. Ser mu­lher ou ho­mem é mui­to mais do que as su­as ca­ra­te­rís­ti­cas fí­si­cas. Exis­tem mu­lhe­res com as mais va­ri­a­das ca­ra­te­rís­ti­cas fí­si­cas, as­sim co­mo ho­mens, e is­so não tem ne­ces­sa­ri­a­men­te na­da a ver com o gé­ne­ro. Por exem­plo, no ca­so das mu­lhe­res que têm sei­os pe­que­nos não as va­mos achar me­nos mu­lhe­res por is­so, pois não? Por­que é que no ca­so dos ho­mens, eles se­rão me­nos ho­mens se ti­ve­rem ma­mi­nhas?”.

DRA­MAS COR­PO­RAIS ALÉM GÉ­NE­RO

Ce­lu­li­te, es­tri­as, ma­mi­nhas gran­des. Três ca­rac­te­rís­ti­cas do cor­po hu­ma­no. Três ca­rac­te­rís­ti­cas que in­vo­lun­ta­ri­a­men­te as­so­ci­a­mos às mu­lhe­res. Mas es­tas são três ca­rac­te­rís­ti­cas que tam­bém afe­tam os ho­mens e que pro­vam que o cor­po é mui­to mais do que o gé­ne­ro.

Tal co­mo acon­te­ce no cor­po da mu­lher, “a ce­lu­li­te ou ‘pe­le em cas­ca de la­ran­ja’ não é uma do­en­ça e re­sul­ta da de­po­si­ção de gor­du­ra nas cé­lu­las adi­po­sas nos fas­cí­cu­los de te­ci­do con­jun­ti­vo per­pen­di­cu­lar­men­te à pe­le. É bas­tan­te mais ra­ra nos ho­mens do que nas mu­lhe­res, pois o am­bi­en­te hor­mo­nal mas­cu­li­no é ri­co em tes­tos­te­ro­na e po­bre em es­tro­gé­nio, o que faz com que nos ho­mens ha­ja mais su­por­te do te­ci­do con­jun­ti­vo e me­nos ten­dên­cia à de­po­si­ção de gor­du­ra nas co­xas e ná­de­gas, os pon­tos crí­ti­cos pa­ra a ce­lu­li­te na mu­lher”, ex­pli­ca à a der­ma­to­lo­gis­ta Ana No­guei­ra.

No que diz res­pei­to às es­tri­as, con­ti­nua a es­pe­ci­a­lis­ta, es­tas “acon­te­cem tam­bém nos ho­mens, so­bre­tu­do nos pi­cos de cres­ci­men­to e com va­ri­a­ções de pe­so”. Ape­sar de o cor­po mas­cu­li­no não es­tar imu­ne a es­tas mar­cas cor­po­rais, os ho­mens es­tão em van­ta­gem, pois não en­gra­vi­dam, “o que na­tu­ral­men­te os pro­te­ge de mui­tas es­tri­as”.

Além des­tas du­as ca­rac­te­rís­ti­cas cor­po­rais, os ho­mens po­dem ain­da apre­sen­tar ma­mi­nhas mai­o­res do que o de­se­ja­do. Se­gun­do Ana No­guei­ra, “a gi­ne­co­mas­tia cor­res­pon­de a um au­men­to do vo­lu­me ma­má­rio, nor­mal­men­te bi­la­te­ral, pe­lo au­men­to do com­po­nen­te glan­du­lar da ma­ma”, con­di­ção que “ocor­re com al­gu­ma frequên­cia na pu­ber­da­de por uma des­re­gu­la­ção hor­mo­nal tran­si­tó­ria mas que re­sol­ve es­pon­ta­ne­a­men­te na maioria dos ca­sos”.

No ca­so dos ho­mens adul­tos, sa­li­en­ta, “é im­por­tan­te re­cor­rer ao mé­di­co pa­ra ex­cluir al­gu­mas do­en­ças que ori­gi­nem au­men­to de es­tro­gé­ni­os cir­cu­lan­tes, co­mo in­su­fi­ci­ên­cia he­pá­ti­ca, do­en­ças hor­mo­nais ou tu­mo­res tes­ti­cu­la­res, bem co­mo afe­rir a me­di­ca­ção que to­mam. Iden­ti­fi­can­do a cau­sa, con­se­guem-se re­sol­ver mui­tos ca­sos, mas exis­te a pos­si­bi­li­da­de de to­mar me­di­ca­men­tos ou even­tu­al­men­te fa­zer uma ci­rur­gia pa­ra re­du­zir o vo­lu­me ma­má­rio”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.