A te­ra­peu­ta con­ju­gal res­pon­de a tu­do...

... às su­as dú­vi­das mais co­muns (ou nem tan­to) so­bre o amor, o se­xo e as re­la­ções atu­ais, que têm tan­to de com­ple­xas co­mo vi­bran­tes.

Men's Health (Portugal) - - Este Mês - POR MI­GUEL SAN­TOS

Se ain­da não co­nhe­ce a Cá­tia, sai­ba que ela, co­mo girl next do­or da Men’s Health, es­tá cá pa­ra o aju­dar a es­cla­re­cer dú­vi­das amo­ro­sas e a dar con­se­lhos sem que mais nin­guém sai­ba. Ela pro­me­te que não con­ta a nin­guém so­bre o que o pre­o­cu­pa. Es­cre­va-lhe!

Vi­ver é a coi­sa mais ra­ra do mun­do. A maioria das pes­so­as ape­nas exis­te.

— Os­car Wil­de

Te­nho tro­ca­do men­sa­gens com mu­lhe­res que co­nhe­ci atra­vés do Fa­ce­bo­ok, mas, sin­ce­ra­men­te, quan­do fa­la­mos de te­mas mais quen­tes per­co to­da a ilu­são. Ou se­ja, até gos­to de al­gu­mas de­las, mas sin­to que fo­ram de fá­cil con­ver­sa e não avan­ço mais. Achas que, em ge­ral, uma mu­lher que te­nha o há­bi­to de fa­lar com outros ho­mens na In­ter­net, po­de ser de con­fi­an­ça? Não terei de ter mui­ta sor­te pa­ra acer­tar?

Jú­lio Fer­nan­des, Lei­ria, via Fa­ce­bo­ok

Quan­do es­ta­mos a vi­ver, em­bo­ra er­ra­da­men­te, do meu pon­to de vista, na era dos re­la­ci­o­na­men­tos vir­tu­ais, a ques­tão não é ter mui­ta sor­te ou mui­to azar pa­ra acer­tar, mas sim ar­ris­car com a má­xi­ma se­gu­ran­ça! Nun­ca sa­be­rás quem es­tá ver­da­dei­ra­men­te do ou­tro la­do até co­nhe­ce­res pes­so­al­men­te al­gu­ma des­sas mu­lhe­res e, mais im­por­tan­te ain­da, o que elas tam­bém pro­cu­ram re­al­men­te atra­vés das redes sociais. Já te per­gun­tas­te, afi­nal, o que pro­cu­ras tu nas mu­lhe­res que co­nhe­ces atra­vés do Fa­ce­bo­ok? In­de­pen­den­te­men­te dos teus mo­ti­vos, tens que es­tar pre­pa­ra­do pa­ra pe­que­nas sur­pre­sas, se­jam elas agra­dá­veis ou não. E, ain­da mais, por­que se pro­cu­ras ape­nas se­xo casual, não po­de ha­ver es­pa­ço pa­ra gran­des ilu­sões! Pa­re­ce-me que al­gu­mas (a maioria, tal­vez) des­sas mu­lhe­res de ‘fá­cil con­ver­sa’

pro­cu­ram al­go que se­rá, de lon­ge, con­ver­sar… E se pa­ra ti é, en­tão, um mo­ti­vo vá­li­do pa­ra não avan­çar mais, co­me­ça por dar pre­fe­rên­cia àque­las que gos­tas e com quem man­téns um con­tac­to mais as­sí­duo, even­tu­al­men­te al­gu­ma com quem te­nhas ami­gos em co­mum. Por ex­clu­são de par­tes, e por­que tam­bém exis­tem mu­lhe­res dis­pos­tas a ini­ci­ar ami­za­des mais só­li­das pe­la In­ter­net, pa­ra apa­ga­res as tu­as dú­vi­das acer­ca de “po­de ser de con­fi­an­ça” ou não, de­ves cer­ta­men­te avan­çar pa­ra um en­con­tro físico com es­sas.

Não sei se é do­en­ça, mas a mi­nha ta­ra é a de me en­vol­ver se­xu­al­men­te com um trans­se­xu­al. Que cui­da­dos de­vo ter pa­ra evi­tar do­en­ças se­xu­al­men­te trans­mis­sí­veis? Car­los An­tó­nio, via Fa­ce­bo­ok

As do­en­ças se­xu­al­men­te trans­mis­sí­veis (DST) são trans­ver­sais a qual­quer en­vol­vi­men­to físico que te­nhas, se­ja com um par­cei­ro ou uma par­cei­ra, na me­di­da em que são do­en­ças trans­mi­ti­das atra­vés do con­tac­to se­xu­al com os mes­mos, quan­do es­tes se en­con­tram in­fe­ta­dos. As DST são pro­vo­ca­das por bac­té­ri­as, por fun­gos ou por ví­rus trans­mis­sí­veis atra­vés das re­la­ções se­xu­ais va­gi­nais e/ou anais (mai­o­ri­ta­ri­a­men­te am­bas), ou até mes­mo orais. A prá­ti­ca de se­xo se­gu­ro é a me­lhor pre­ven­ção nos cui­da­dos a ter pa­ra evi­ta­res al­gu­ma des­sas do­en­ças, sen­do re­co­men­da­da uma bar­rei­ra pro­te­to­ra – no teu ca­so a uti­li­za­ção de pre­ser­va­ti­vos – mes­mo com um trans­se­xu­al! É o mé­to­do mais efi­caz pa­ra evi­tar uma DST, em­bo­ra de­vas tam­bém ter es­pe­ci­al aten­ção ao ris­co de trans­mis­são as­so­ci­a­do a de­ter­mi­na­das prá­ti­cas on­de pre­do­mi­na a uti­li­za­ção de brin­que­dos se­xu­ais... E, não me­nos im­por­tan­te, a par­ti­lha de qual­quer ma­te­ri­al cor­tan­te ou per­fu­ran­te (lâ­mi­nas de bar­be­ar, por exem­plo).

Es­tou vi­ci­a­do em mas­tur­bar-me e não te­nho von­ta­de de es­tar com ou­tras mu­lhe­res. Te­nho 51 anos, se­rá da ida­de? An­tó­nio Fa­ria, via Fa­ce­bo­ok

A mas­tur­ba­ção é mais co­mum e evi­den­te nos ho­mens du­ran­te a fa­se da ado­les­cên­cia (pe­la des­co­ber­ta da se­xu­a­li­da­de) mas, re­gra ge­ral, es­sa prá­ti­ca per­sis­te na fa­se adul­ta e não se tra­duz pro­pri­a­men­te pe­la exis­tên­cia de al­gu­ma do­en­ça as­so­ci­a­da. O pra­zer se­xu­al so­li­tá­rio, no­me­a­da­men­te a mas­tur­ba­ção mas­cu­li­na em ida­des tar­di­as, é ne­ces­sá­rio e po­de ser um ex­ce­len­te ali­a­do à saú­de men­tal e, até, ser de­ter­mi­nan­te na pre­ven­ção e/ou di­mi­nui­ção de al­gu­mas do­en­ças fí­si­cas re­la­ci­o­na­das com a prós­ta­ta (quan­do exis­te eja­cu­la­ção), por exem­plo. É, por­tan­to, uma prá­ti­ca be­né­fi­ca pa­ra a sua saú­de em to­das as su­as ver­ten­tes… E es­sa au­sên­cia de von­ta­de em es­tar com ou­tras mu­lhe­res po­de ser de cau­sa me­ra­men­te psi­co­ló­gi­ca e tem­po­rá­ria, uma vez que con­ti­nua a exis­tir de­se­jo se­xu­al ma­ni­fes­ta­do pe­la mas­tur­ba­ção (os ní­veis de tes­tos­te­ro­na pa­ra a ida­de man­têm-se ele­va­dos), pe­lo que es­te ‘ví­cio’ po­de ser in­ter­pre­ta­do co­mo um re­fú­gio se­xu­al pa­ra com­pen­sar a sua fal­ta de se­xo num re­la­ci­o­na­men­to.

Cá­tia, já a si­go no Ins­ta­gram e gos­ta­va de sa­ber o que é pa­ra si o ho­mem ide­al? Que ca­rac­te­rís­ti­cas de­ve ter e quais as que não po­de ter? An­tó­nia Vi­la­ça, An­sião

Ho­mens ide­ais não exis­tem e is­so re­me­te-me pa­ra um con­cei­to de per­fei­ção que não co­a­bi­ta se­quer em mim! Mas, ob­vi­a­men­te, exis­tem de­ter­mi­na­das ca­rac­te­rís­ti­cas que são de­ter­mi­nan­tes na es­co­lha do ho­mem mais ‘ade­qua­do’, es­pe­ci­al­men­te quan­do fa­la­mos de um re­la­ci­o­na­men­to. Co­mo mu­lher in­de­pen­den­te que sou, va­lo­ri­zo mui­to a mi­nha liberdade no que res­pei­ta às mi­nhas ações, às mi­nhas de­ci­sões e res­pe­ti­vas con­sequên­ci­as, bo­as e más… Co­mo tal, “o ho­mem ide­al” tem que ser tam­bém in­de­pen­den­te, de­ven­do exis­tir um res­pei­to má­xi­mo do es­pa­ço de ca­da um. De­tes­to ho­mens ma­chis­tas e ma­ni­pu­la­do­res a seu pró­prio be­ne­fí­cio! Qua­li­da­des fí­si­cas? São mui­to re­la­ti­vas, em­bo­ra não me­nos im­por­tan­tes… Sou uma pes­soa mui­to ob­ser­va­do­ra e lei­to­ra de ou­tras pes­so­as, por­tan­to um olhar pro­fun­do de um ho­mem é um dos pon­tos for­tes! Qua­li­da­des (não fí­si­cas) es­sen­ci­ais? Con­fi­an­ça! Ho­nes­ti­da­de! Exis­tem outros, mas es­tes dois são os prin­ci­pais ingredientes ca­ti­van­tes, sem os quais na­da funciona de for­ma sau­dá­vel. Quan­to ao res­to, cons­trói-se em con­jun­to, com mui­to di­ver­ti­men­to e bom hu­mor à mis­tu­ra, des­de que as pes­so­as es­te­jam dis­pos­tas a ar­ris­car…

SOU UMA MU­LHER MUI­TO OB­SER­VA­DO­RA E LEI­TO­RA DE OU­TRAS PES­SO­AS, POR­TAN­TO, UM OLHAR PRO­FUN­DO DE UM HO­MEM

É UM DOS PON­TOS QUE MAIS APRECIO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.