TREI­NO XPT

Men's Health (Portugal) - - Este Mês - POR DE­AN STATTMANN

Res­pi­re. Me­xa-se. Re­cu­pe­re!

Acre­di­ta que não é pos­sí­vel tes­tar os seus li­mi­tes com al­gu­mas ho­ras den­tro de água? Pen­se de no­vo após es­te workshop XPT de qu­a­tro ho­ras. Es­tou co­la­do ao chão de uma pis­ci­na fun­da por cau­sa dos hal­te­res de 15 qui­los que es­tou a se­gu­rar. A mi­nha mis­são não é brin­ca­dei­ra: per­cor­rer de­bai­xo de água os 22 me­tros da pis­ci­na, ar­ras­tan­do os hal­te­res co­mi­go.

Já vou a meio qu­an­do ve­jo me­ta­de da mi­nha tur­ma de dez pes­so­as a vir à to­na pa­ra res­pi­rar. Lar­go os meus hal­te­res e jun­to-me a elas, de­ses­pe­ra­do por ar, com os ou­vi­dos a zum­bir e os pul­mões a quei­mar.

An­tes do exer­cí­cio, ti­nham-me di­to que es­ta sen­sa­ção de­vas­ta­do­ra nem se­quer é o mais di­fí­cil des­ta pro­va. Eu sa­bia que era ca­paz de ul­tra­pas­sar o des­con­for­to ini­ci­al e fi­car de­bai­xo de água al­guns se­gun­dos. Os trei­na­do­res tam­bém me dis­se­ram que sim, por is­so, ati­rei-me à pis­ci­na do Chel­sea Pi­ers Fit­ness, em Ma­nhat­tan (EUA), pa­ra tes­tar es­sa te­o­ria.

Ób­vio que vim à to­na an­tes de ter­mi­nar a mi­nha mis­são, mas ti­ve a sen­sa­ção de re­a­li­za­ção. As­sim co­mo mui­to ar­dor nos pul­mões.

Após du­as ati­vi­da­des nes­te workshop do Ex­tre­me Per­for­man­ce Cen­ter, mais co­nhe­ci­do co­mo XPT, sin­to-me exa­ta­men­te co­mo era su­pos­to: exaus­to. Cri­a­do pe­la men­te de Laird Ha­mil­ton, uma len­da do surf, e da sua mu­lher Gabby Re­e­ce, uma es­tre­la do vo­lei­bol, o XPT é mui­to mais do que mais um pro­gra­ma pa­ra quei­mar calorias e su­ar até mais não. O ob­je­ti­vo é ma­ni­pu­lar a ca­pa­ci­da­de hu­ma­na pa­ra li­dar com o stress, tes­tan­do ao má­xi­mo os li­mi­tes fí­si­cos e men­tais, en­quan­to me­lho­ra a nos­sa per­for­man­ce ao lon­go das qu­a­tro ho­ras.

Tu­do re­la­ci­o­na­do com o XPT é su­pos­to ser des­con­for­tá­vel, des­de o exer­cí­cio de­bai­xo de água na pis­ci­na (cha­ma­do cra­wl de rép­til: ve­ja a ilus­tra­ção) ao ba­nho frio na ba­nhei­ra com ge­lo (cal­ma, já lá va­mos), sem fa­lar na in­tei­ra es­tru­tu­ra da au­la.

Em vez das nor­mais ses­sões de uma ho­ra que ‘des­tro­em’ o cor­po, mas dei­xam imen­so tem­po pa­ra re­cu­pe­rar fi­si­ca­men­te (e men­tal­men­te), o pro­gra­ma XPT é um úni­co workshop de qu­a­tro ho­ras, pa­ra gru­pos de dez pes­so­as ape­nas, que en­si­na o mé­to­do ‘Res­pi­re, Me­xa-se, Re­cu­pe­re’ de Ha­mil­ton e Re­e­ce. Ape­sar de de­mo­rar qu­a­tro ho­ras, o XPT es­tá a ga­nhar adep­tos. No pró­xi­mo ano, ten­ci­o­nam pas­sar dos 30 trei­na­do­res cer­ti­fi­ca­dos pa­ra 300, ter uma app e até pro­mo­ver uma ex­pe­ri­ên­cia num re­ti­ro. O XPT te­ve um iní­cio in­for­mal, há cer­ca de dez anos, qu­an­do Ha­mil­ton e Re­e­ce co­me­ça­ram a con­vi­dar ami­gos pa­ra uns trei­nos ‘di­fe­ren­tes’ na pis­ci­na da sua ca­sa. Is­to ex­pli­ca por­que gran­de par­te do XPT acon­te­ce de­bai­xo de água. Ha­mil­ton fi­cou fa­mo­so por, nos seus tem­pos de surf, car­re­gar pe­sa­das pe­dras de­bai­xo de água pa­ra se man­ter em for­ma. E é por is­so que, aos 54 anos, é uma re­fe­rên­cia em ter­mos de lon­ge­vi­da­de atlé­ti­ca. “O nas­ci­men­to do XPT é do mais or­gâ­ni­co que exis­te”, diz Josh Fly, um trei­na­dor cer­ti­fi­ca­do do XPT e um dos três di­re­to­res des­te workshop. Mas não pen­se que fi­quei den­tro de água to­do es­te tem­po. An­tes de en­trar na pis­ci­na, pas­sei por uma lon­ga ho­ra de trei­no de res­pi­ra­ção. É aqui que per­ce­be­mos o rit­mo do que vai acon­te­cer a se­guir. Po­de­mos até com­ba­ter a ne­ces­si­da­de de res­pi­rar, diz o ins­tru­tor de XPT, por­que es­sa ne­ces­si­da­de não se de­ve ne­ces­sa­ri­a­men­te à fal­ta de oxi­gé­nio. Qu­an­do os ní­veis de dió­xi­do de car­bo­no au­men­tam no san­gue, a he­mo­glo­bi­na con­ti­nua a li­ber­tar oxi­gé­nio, por is­so, o cor­po tem o su­fi­ci­en­te pa­ra con­ti­nu­ar de­bai­xo de água mui­to pa­ra além do tem­po em que acre­di­ta­mos que já

não dá pa­ra aguen­tar mais. Fa­zer o cra­wl de rép­til e o ou­tro exer­cí­cio de­bai­xo de água –o am­mo car­ry (ilus­tra­ção em bai­xo) – de­sa­fia-nos a per­ma­ne­cer mais tem­po de­bai­xo de água só com uma res­pi­ra­ção. Es­ta par­te do XPT pre­ten­de ex­plo­rar os li­mi­tes do des­con­for­to dos pul­mões. E con­se­gue. De­pois dis­to, va­mos pa­ra um cam­po de bas­que­te­bol e pa­ra uma cai­xa de areia fa­zer trei­nos de al­ta in­ten­si­da­de du­ran­te 30 mi­nu­tos (ca­da um). É o ti­po de au­la de bo­ot­camp que já fi­ze­mos nou­tros gi­ná­si­os (na­da de no­vo aqui), mas à me­di­da que vou fa­zen­do slams com bo­la me­di­ci­nal, jo­e­lhos ao pei­to, be­ar cra­wls e fle­xões, aper­ce­bo-me do la­do men­tal dos exer­cí­ci­os na pis­ci­na: aí o meu cor­po nem fi­cou can­sa­do.

As­sim que aca­bo, es­tou pron­to pa­ra a ho­ra fi­nal des­te workshop: a fa­se da ‘Re­cu­pe­ra­ção’. Até aqui, o XPT con­se­guiu le­var-me ao li­mi­te. Ter­mi­na­mos es­te workshop al­ter­nan­do 15 mi­nu­tos nu­ma sau­na ‘es­cal­dan­te’ se­gui­dos de três mi­nu­tos nu­ma ba­nhei­ra de ge­lo.

A par­te da sau­na, uti­li­za­da em mui­tos trei­nos, nem é as­sim tão má, mas a tem­pe­ra­tu­ra ge­la­da da ba­nhei­ra le­va mui­tas pes­so­as a de­sis­tir após um mi­nu­to.

Eu con­se­gui aguen­tar. Mas sim, é uma dor pu­ra e an­gus­ti­an­te. Mas eu sa­bia que de­pois de aguen­tar o cra­wl de rép­til na pis­ci­na, o meu cor­po se­ria ca­paz de so­bre­vi­ver a qua­se tu­do.

“Is­to não é a pis­ci­na”

“Não há dú­vi­da de que is­to já é a pis­ci­na”

“A par­te da água já de­ve ter aca­ba­do”

“Pa­re­ce que não!”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.