O fu­tu­ro da Mer­ce­des cha­ma-se CASE

O que é que uma mar­ca de au­to­mó­veis faz nu­ma fei­ra de­di­ca­da a smartphones, ta­blets e ou­tros pe­que­nos gad­gets? É pre­ci­so não es­que­cer que o que sig­ni­fi­ca ‘Mo­bi­le’ em ‘Mo­bi­le World Congress’, não é ver­da­de?

PC Guia - - ON - POR RI­CAR­DO DU­RAND, EM BARCELONA

Apre­sen­ça da mar­ca ale­mã de au­to­mó­veis no Mo­bi­le World Congress ser­viu pa­ra apre­sen­tar o con­cei­to ‘CASE’. Es­ta si­gla, que sig­ni­fi­ca ‘Con­nec­ted’ (li­ga­do), ‘Au­to­no­mous’ (au­tó­no­mo’), ‘Sha­red & Ser­vi­ce’ (par­ti­lha­do e ser­vi­ço) e ‘Elec­tric Dri­ve’ (con­du­ção eléc­tri­ca) de­fi­ne to­da uma re­a­li­da­de que já co­me­ça a ser des­ven­da­da pe­la mar­ca em al­guns mo­de­los. Ve­ja-se, por exem­plo, o ca­so do Mer­ce­des-Benz Clas­se E Cou­pé, que es­te­ve em ex­po­si­ção no stand da mar­ca ale­mã em Barcelona. Com um in­te­ri­or que pa­re­ce ter si­do re­ti­ra­do de uma na­ve es­pa­ci­al de um fil­me de sci-fi, es­te au­to­mó­vel tem uma pla­ta­for­ma tec­no­ló­gi­ca COMMAND On­li­ne, que se re­flec­te num ecrã de gran­des di­men­sões a bor­do. Aqui, é pos­sí­vel ter in­for­ma­ções em tem­po re­al do trân­si­to e re­ce­ber co­mu­ni­ca­ções de ou­tros veí­cu­los, aqui­lo a que a Mer­ce­des cha­ma ‘Car-to-X Com­mu­ni­ca­ti­on’. Ou se­ja, se um au­to­mó­vel Mer­ce­des ami­go de­tec­tar um aci­den­te que fi­ca na sua ro­ta, é-lhe en­vi­a­do um avi­so pa­ra que pos­sa al­te­rar o ca­mi­nho a tem­po. E aqui, ar­ru­ma-se a pri­mei­ra le­tra do CASE: vão ser os car­ros li­ga­dos (con­nec­ted). Os veí­cu­los au­tó­no­mos (‘A’), por ou­tro la­do, já fa­zem par­te do pre­sen­te: a Mer­ce­des tem já au­to­mó­veis que se con­du­zem so­zi­nhos, mas que, de­vi­do às res­tri­ções da le­gis­la­ção por­tu­gue­sa, não po­dem ser ven­di­dos com es­se re­cur­so nos con­ces­si­o­ná­ri­os na­ci­o­nais. Mas se­rá uma ques­tão de tem­po até que tu­do es­te­ja le­ga­li­za­do e que pos­sa ir pa­ra o tra­ba­lho a ler o jor­nal en­quan­to o Mer­ce­des vai ‘sur­fan­do’ pe­lo trân­si­to. A le­tra‘E’ tam­bém é fá­cil de per­ce­ber: os veí­cu­los eléc­tri­cos se­rão o fu­tu­ro e a Mer­ce­des cri­ou o pro­tó­ti­po EQ que tam­bém pa­re­ce ter si­do ti­ra­do de um fil­me - com uma for­ma oval e cheio de LED azuis, não tem mo­tor de com­bus­tão e es­te­ve pre­sen­te no MWC sob for­ma de uma ex­pe­ri­ên­cia de re­a­li­da­de vir­tu­al. Pa­ra já, só as­sim é que se po­de con­du­zir es­te pro­tó­ti­po. Fi­nal­men­te, a le­tra ‘S’ que em por­tu­guês se transforma, par­ci­al­men­te, em ‘P’ de par­ti­lha; aqui, o que a Mer­ce­des quer é que ‘em­pres­te’ o car­ro a ami­gos ou fa­mí­lia qu­an­do não o es­tá a usar, tu­do ge­ri­do com uma app pa­ra smartpho­ne: é uma es­pé­cie de car-sha­ring res­tri­to, por­tan­to. Já o ‘S’ de ser­vi­ços, que se man­tém em por­tu­guês, fi­ca re­ser­va­do pa­ra o sec­tor pro­fis­si­o­nal, e vai ser­vir pa­ra ge­rir fro­tas de ca­miões e car­ri­nhas. Vai ser um CASE sé­rio.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.