King Kong

PC Guia - - ON - ALE­XAN­DRE SILVEIRA apon­ta­e­a­mo­la@gmail.com

Num mo­men­to em que o ga­ming atin­ge ge um ní­vel de so­fis­ti­ca­ção que nos trans­por­ta pa­ra ara ce­ná­ri­os de re­a­li­da­de vir­tu­al, ex­pe­ri­ên­ci­as imer­si­vas­mer­si­vas e ca­da vez mais nos tor­na es­pec­ta­do­res de jo­gos, em vez de par­ti­ci­pan­tes, é cu­ri­o­so o fe­nó­me­no da Nintendo Switch. A Nintendo Switch é mais um exem­plo de re­nas­ci­men­to da em­pre­sa ja­po­ne­sa. A Nintendo sem­pre foi uma em­pre­sa do mun­do dos jo­gos, po­si­ci­o­nan­do-se na in­dús­tria do en­tre­te­ni­men­to, ao con­trá­rio dos seus con­cor­ren­tes das con­so­las, co­mo a Sony ou a Mi­cro­soft, pa­ra qu­em o ga­ming é mais um ne­gó­cio e nem se­quer o prin­ci­pal. Por vá­ri­as ve­zes, ao lon­go da sua vi­da atri­bu­la­da, a Nintendo es­te­ve em si­tu­a­ções com­pli­ca­das do pon­to de vis­ta da sua so­bre­vi­vên­cia e con­se­guiu dar a vol­ta por ci­ma, ao lan­çar pro­du­tos ino­va­do­res. Is­so acon­te­ceu com a Wii e o seu co­man­do re­vo­lu­ci­o­ná­rio que per­mi­tiu aos jo­ga­do­res um ní­vel de in­te­rac­ção com os jo­gos to­tal­men­te di­fe­ren­te do que ha­via até en­tão. Mas a se­guir a um gran­de su­ces­so, a em­pre­sa lan­çou a Wii U, que te­ve uma acei­ta­ção mor­na por par­te dos jo­ga­do­res, o que le­vou mui­tos ana­lis­tas a va­ti­ci­na­rem mais uma vez um fu­tu­ro di­fí­cil pa­ra a Nintendo. Com o re­cen­te lan­ça­men­to da Switch, que es­tá a des­per­tar uma pro­cu­ra fo­ra do nor­mal e a es­go­tar em mui­tos pon­tos de ven­da, a Nintendo vol­tou a ba­ra­lhar as car­tas na In­dús­tria do ga­ming. A ver­sa­ti­li­da­de da Switch, que po­de ser usa­da em ca­sa, na rua, por um ou por mais jo­ga­do­res, é uma abor­da­gem di­fe­ren­te ao con­cei­to de con­so­la e o jo­go mais fa­la­do do mo­men­to, da sa­ga Zel­da, é acla­ma­do com um dos me­lho­res jo­gos do ano. Al­guns ana­lis­tas fa­zem um pa­ra­le­lis­mo com a Ap­ple ou a Sony, que gos­tam de de­sen­vol­ver uma so­lu­ção in­te­gra­da de hard­ware e soft­ware pa­ra con­tro­lar a ex­pe­ri­ên­cia do uti­li­za­dor, co­mo ex­pli­ca­ção do su­ces­so da Nintendo. Na mi­nha opi­nião, es­te con­tro­lo da ex­pe­ri­ên­cia do jo­go é um meio e não um fim. O que a Nintendo en­ten­de, e faz bem, é o pu­ro en­tre­te­ni­men­to, o pra­zer de jo­gar que não de­pen­de do me­lhor hard­ware ou de um ca­pa­ce­te de re­a­li­da­de vir­tu­al. A má­xi­ma da in­dús­tria de en­tre­te­ni­men­to – o con­teú­do é rei – faz lei cons­ti­tu­ci­o­nal na Nintendo. Aqui, con­tent is king. King Kong.

A Nintendo Switch é mais um exem­plo de re­nas­ci­men­to da em­pre­sa ja­po­ne­sa.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.