No­tí­ci­as de tec­no­lo­gi­as, co­lu­na Ma­de in Por­tu­gal, Hashtags, Gre­en e a nos­sa en­tre­vis­ta: Queremos Respostas!

PC Guia - - ÍNDICE - POR RI­CAR­DO DU­RAND

A me­di­ci­na é da­que­las áre­as on­de a con­tri­bui­ção das ino­va­ções tec­no­ló­gi­cas tem mai­or im­por­tân­cia, por um sim­ples fac­to: po­de aju­dar a sal­var vi­das, a dar uma me­lhor qua­li­da­de de vi­da a pa­ci­en­tes ou mes­mo aju­dar a pre­ve­nir do­en­ças. Por­tu­gal é, re­co­nhe­ci­da­men­te, um dos paí­ses eu­ro­peus mais avan­ça­dos nes­ta área - não é por aca­so que te­mos em Lis­boa o Cham­pa­li­maud Cen­tre for the Unk­nown ou a app por­tu­gue­sa Knock, uma es­pé­cie de Uber do ra­mo mé­di­co, com a qual po­de­mos es­co­lher o pro­fis­si­o­nal de saú­de pa­ra ter uma con­sul­ta. Ago­ra, che­ga-nos a no­tí­cia de que es­tá a ser pre­pa­ra­da a pri­mei­ra in­cu­ba­do­ra ex­clu­si­va­men­te de­di­ca­da à área da saú­de, a He­alth­ca­re City. Re­sul­tan­te de uma par­ce­ria en­tre a No­va Me­di­cal Scho­ol, a com­pa­nhia far­ma­cêu­ti­ca Jans­sen, o Gru­po Lu­sía­das Saú­de (AMIL e Uni­tedHe­alth) e a Mé­dis (Gru­po Oci­den­tal), es­ta in­cu­ba­do­ra já es­tá em fun­ci­o­na­men­to ple­no no Ta­gus Park (Oei­ras, Lis­boa). No to­tal, a He­alth­ca­re City re­ce­beu 170 can­di­da­tu­ras de start-ups e em­pre­sas que que­ri­am fa­zer par­te des­te clu­be res­tri­to de ino­va­ção mé­di­ca, mas ape­nas oi­to fo­ram es­co­lhi­das pa­ra in­te­grar es­ta ‘task-for­ce’: In­foHe­alth, Nu­tri­cri­ti­cal e He­all (Bra­sil), Di­a­tos (Por­tu­gal), Ca­mil­la In­te­li­gen­te (Ar­gen­ti­na), Why­mob (Por­tu­gal), Ni­esm (Aus­trá­lia) e Win­dow­mir­ror (EUA). A Di­a­tos e a Why­mob fo­ram, as­sim, as du­as start-ups por­tu­gue­sas se­lec­ci­o­na­das pa­ra in­te­grar a He­alth­ca­re City. A pri­mei­ra ac­tua na área da «in­ves­ti­ga­ção bi­o­mé­di­ca» e de­di­ca-se à «pes­qui­sa, se­lec­ção e op­ti­mi­za­ção de es­tru­tu­ras na­no-po­ro­sas e com­pos­tos, pro­du­zi­dos por or­ga­nis­mos ma­ri­nhos, pa­ra apli­ca­ções bi­o­mé­di­cas e far­ma­cêu­ti­cas», ex­pli­cam os seus res­pon­sá­veis. Já a Why­mob tem co­mo ob­jec­ti­vo «in­ter­na­ci­o­na­li­zar um sis­te­ma de in­for­ma­ção de apoio a to­do o pro­ces­so de trans­plan­te de ór­gãos». De acor­do com a mes­ma, es­ta se­rá uma so­lu­ção que vai per­mi­tir «ma­xi­mi­zar o nú­me­ro de trans­plan­tes, con­tro­lar to­do o pro­ces­so e op­ti­mi­zar fu­tu­ros pro­ces­sos de dá­di­va e trans­plan­te». É ca­so pa­ra di­zer que a ino­va­ção na área da me­di­ci­na em Por­tu­gal es­tá ‘gra­ve­men­te’ sau­dá­vel.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.