Ema Cruz, di­rec­to­ra-ge­ral da Edig­ma, é a en­tre­vis­ta­da des­te mês.

A Corn­glass, re­co­nhe­ci­da fa­bri­can­te de vi­dros pa­ra ecrãs tác­teis, con­fi­ou na por­tu­gue­sa Edig­ma pa­ra pro­por­ci­o­nar a tec­no­lo­gia ne­ces­sá­ria pa­ra su­por­tar os seus pro­du­tos na CES. Ema Cruz li­de­ra es­ta em­pre­sa na­ci­o­nal es­pe­ci­a­li­za­da em pai­néis in­te­rac­ti­vos em

PC Guia - - ÍNDICE - Ema Cruz Di­rec­to­ra-ge­ral da Edig­ma

CO­MO SE DEU O SAL­TO DOS RE­CUR­SOS HUMANOS PA­RA A DI­RE­ÇÃO DA EDIG­MA?

En­trei pa­ra a Edig­ma em 2008 pa­ra tra­ba­lhar na di­rec­ção de re­cur­sos humanos. Nes­ta fun­ção, re­for­cei a ex­pe­ri­ên­cia na ges­tão de pes­so­as e apro­fun­dei os co­nhe­ci­men­tos nos pro­ces­sos da em­pre­sa que fi­ze­ram com que pas­sas­se, des­de há cer­ca de qua­tro anos, pa­ra a di­rec­ção. Aca­bou por ser uma tran­si­ção mui­to na­tu­ral, vis­to que es­ta­va bas­tan­te fa­mi­li­a­ri­za­da com as po­lí­ti­cas da or­ga­ni­za­ção, bem co­mo com to­do o quo­ti­di­a­no da em­pre­sa. É, de fac­to, uma res­pon­sa­bi­li­da­de acres­ci­da, mas en­ca­ro to­dos os di­as co­mo um de­sa­fio cons­tan­te.

CO­MO FOI A ADAPTAÇÃO A ES­TE UNI­VER­SO DE TEC­NO­LO­GIA TÃO SOFISTICADA?

Tra­ba­lhar na área da tec­no­lo­gia é, sem dú­vi­da, mui­to es­ti­mu­lan­te. Des­de que en­trei na Edig­ma to­dos os di­as sou pre­sen­te­a­da com no­vas apren­di­za­gens, no­vas des­co­ber­tas e sa­be­res. O mun­do da tec­no­lo­gia tem es­ta van­ta­gem: qu­an­do nos en­tre­ga­mos, ad­qui­re-se um ca­pi­tal mui­to gran­de de co­nhe­ci­men­to que não se quer per­der.

QUE MAIS-VALIAS TROU­XE A SUA EX­PE­RI­ÊN­CIA À EM­PRE­SA?

O fac­to de ter tra­ba­lha­do nos re­cur­sos humanos per­mi­tiu-me co­nhe­cer bem as pes­so­as e o seu per­fil, o que re­pre­sen­ta uma van­ta­gem sig­ni­fi­ca­ti­va no pro­ces­so de ges­tão de equi­pas. Com es­ta ba­ga­gem con­si­go ca­pi­ta­li­zar o me­lhor de ca­da um, o que se re­flec­te na efi­ci­ên­cia e na efi­cá­cia da or­ga­ni­za­ção. Por ou­tro la­do, é tam­bém im­por­tan­te re­fe­rir que as ex­pe­ri­ên­ci­as an­te­ri­o­res são uma mais-va­lia qu­an­do es­ta­mos nu­ma em­pre­sa em cres­ci­men­to.

O QUE MAIS A ATRAI NO TRA­BA­LHO QUE DE­SEN­VOL­VE?

Sa­li­en­to, so­bre­tu­do, dois fac­to­res: a área na qual tra­ba­lho e a fun­ção que exer­ço. Tra­ba­lhar em tec­no­lo­gia, tal co­mo re­fe­ri­do, é uma apren­di­za­gem cons­tan­te. Es­ta­mos num sec­tor on­de as mu­dan­ças ocor­rem de for­ma mui­to ace­le­ra­da e, to­dos os di­as, so­mos desafiados a inovar e a en­con­trar no­vas so­lu­ções. Além dis­so, o fac­to de tra­ba­lhar na ges­tão de equi­pas en­vol­ve um la­do mui­to hu­ma­no, on­de a adaptação, a fle­xi­bi­li­da­de e o ri­gor têm de ser, cons­tan­te­men­te, pos­tos à pro­va. É mui­to gra­ti­fi­can­te ter pes­so­as sa­tis­fei­tas e re­a­li­za­das no tra­ba­lho! Pas­sa­mos mai­or par­te dos nos­sos di­as no lo­cal de tra­ba­lho, pe­lo que se po­der­mos fa­zê-lo fe­li­zes me­lhor!

A EDIG­MA ES­TE­VE PRE­SEN­TE NA CES COM A RE­NO­MA­DA CORNING. CO­MO SURGIU A PAR­CE­RIA E CO­MO FOI ES­TA EX­PE­RI­ÊN­CIA?

Há dois anos con­se­cu­ti­vos que a Corning ele­ge a tec­no­lo­gia da Edig­ma pa­ra de­mons­trar os no­vos pro­du­tos e con­cei­tos na CES. Foi um pro­ces­so nor­mal de con­sul­ta ao mer­ca­do. Pro­cu­ra­vam a tec­no­lo­gia que ga­ran­tis­se o me­lhor de­sem­pe­nho pa­ra os seus pro­du­tos e, atra­vés do nos­so re­pre­sen­tan­te nos Es­ta­dos Uni­dos, che­ga­ram até nós.

QUE OU­TRAS PAR­CE­RI­AS DES­TE POR­TE TÊM NO VOSSO PORT­FÓ­LIO?

Te­mos vá­ri­os par­cei­ros na­ci­o­nais e in­ter­na­ci­o­nais que nos acom­pa­nham e nos aju­dam a evo­luir. Em­pre­sas co­mo a Toshi­ba, a Sam­sung ou a LG são al­guns dos no­mes que po­de­mos des­ta­car.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.