Luís Al­ves mos­tra-nos seis téc­ni­cas de pin­tu­ra pa­ra usar em cai­xas de com­pu­ta­do­res.

São inú­me­ras as téc­ni­cas que po­dem uti­li­zar pa­ra dar um no­vo vi­su­al à vos­sa cai­xa de com­pu­ta­dor. Es­te mês va­mos fa­lar so­bre os vá­ri­os mé­to­dos de pin­tu­ra.

PC Guia - - ÍNDICE - POR LUÍS AL­VES

1 DICAS BÁ­SI­CAS

In­de­pen­de­men­te do mé­to­do, de­vem pri­mei­ro ve­ri­fi­car se o pro­ces­so é vá­li­do pa­ra o vosso pro­du­to por­que, por exem­plo, nem to­dos os ma­te­ri­ais são com­pa­tí­veis com de­ter­mi­na­dos quí­mi­cos. A ba­se de uma boa pin­tu­ra co­me­ça na lim­pe­za das su­per­fí­ci­es, na hu­mi­da­de e po­ei­ra, que re­sul­tam nas du­as pri­mei­ras dicas: tra­tar a su­per­fí­cie (li­xar se ne­ces­sá­rio) e pin­tar num sí­tio co­ber­to mas o mais qu­en­te pos­sí­vel.

2 SPRAY

Es­te é o mé­to­do mais ba­ra­to e o que exi­ge me­nos in­fra­es­tru­tu­ra pa­ra fun­ci­o­nar. Pes­so­al­men­te, gos­to mui­to das la­tas da Mon­ta­na, por te­rem uma cor mat­te mui­to agra­dá­vel, boa co­ber­tu­ra e, so­bre­tu­do, por se­rem ba­ra­tas. Es­tas tin­tas ade­rem a to­do o ti­po de su­per­fí­ci­es e co­brem bem to­do o ti­po de ma­te­ri­ais, mes­mo nas co­res mais cla­ras. O spray é ver­sá­til por­que per­mi­te cri­ar com fa­ci­li­da­de efei­tos sim­ples, co­mo o que fi­ze­mos no FULL­tu­ra­ma, com as ris­cas bran­cas.

3 COM­PRES­SOR

Além do equi­pa­men­to, es­te mé­to­do exi­ge uma at­mos­fe­ra mais con­tro­la­da. A tin­ta é ge­ral­men­te bem mais ca­ra que qual­quer spray, mas em con­tra­pon­to é mais re­sis­ten­te, após o ver­niz (mui­to im­por­tan­te nes­te ti­po de tin­tas). É ne­ces­sá­rio con­tro­lar a quan­ti­da­de de tin­ta e uti­li­zar o di­lu­en­te ade­qua­do. O re­sul­ta­do fi­nal é mui­to su­pe­ri­or em qua­li­da­de, es­pe­ci­al­men­te pa­ra um vi­su­al es­pe­lha­do; con­tu­do, pa­ra pe­que­nos tra­ba­lhos o es­for­ço-ex­tra não com­pen­sa. Usei es­te mé­to­do na pin­tu­ra do meu pro­jec­to Ra­po­sa, em 2009.

4 LACAGEM

Es­ta téc­ni­ca con­sis­te em co­brir o pro­du­to com uma tin­ta em pó, que de­pois de cu­ra em for­no fi­ca com uma ade­são mui­to for­te à su­per­fí­cie. Ao con­trá­rio de ou­tros mé­to­dos, a tin­ta não sal­ta se so­frer da­nos le­ves, ape­nas ris­ca. Ou­tra van­ta­gem é a co­ber­tu­ra dos in­ters­tí­ci­os en­tre pe­ças, que pes­so­al­men­te me agra­da mais qu­an­do a es­tru­tu­ra tem re­bi­tes. Uti­li­zei es­te mé­to­do em al­gu­mas cai­xas, ca­so da HTPC Co­de Lyo­ko, que man­dei la­car fo­ra em bran­co. Por mo­ti­vos da cu­ra, coi­sas com plás­ti­co fi­cam fo­ra des­te mé­to­do.

5 AEROGRAFIA

A aerografia é uma ar­te que exi­ge prá­ti­ca e equi­pa­men­to dis­pen­di­o­so. Aqui, é uti­li­za­do um com­pres­sor pe­que­no e quan­ti­da­des de tin­ta que são con­tro­la­das e mis­tu­ra­das no mo­men­to. De­pois, a pin­tu­ra é fei­ta com re­cur­so a sten­cil ou es­ti­lo li­vre. É a ver­ten­te mais ar­tís­ti­ca de to­dos os mé­to­dos.

6 PIN­TU­RA HIDROGRÁFICA

Fre­quen­te no mun­do au­to­mó­vel, es­ta téc­ni­ca uti­li­za a água co­mo for­ma de sus­pen­der uma pe­lí­cu­la com a ima­gem que pre­ten­de­mos dar às pe­ças. An­tes de as mer­gu­lhar len­ta­men­te, é apli­ca­do um ac­ti­va­dor pa­ra au­men­tar a ade­são; de­pois da lim­pe­za dos ex­ces­sos, de­ve ser apli­ca­do um ver­niz. É um mé­to­do bom pa­ra tex­tu­ras abs­tra­tas, mas mui­to di­fí­cil cri­ar pe­ças idên­ti­cas com es­te mé­to­do.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.