Es­te mês, ex­pli­ca­mos os sis­te­mas de car­re­ga­men­to rá­pi­do de ba­te­ria.

À medida que a ca­pa­ci­da­de das ba­te­ri­as dos smartpho­nes cres­ce, tam­bém têm si­do im­ple­men­ta­das no­vas tec­no­lo­gi­as de car­re­ga­men­to rá­pi­do.

PC Guia - - ÍNDICE - POR GUS­TA­VO DI­AS

Com o de­sen­vol­vi­men­to de no­vos pro­ces­sa­do­res mais rá­pi­dos e com um mai­or nú­me­ro de nú­cle­os, ecrãs com mai­or re­so­lu­ção e câ­ma­ras ca­pa­zes de cap­tar em re­so­lu­ção 4K, au­men­ta a ne­ces­si­da­de ener­gé­ti­ca dos smartpho­nes. Além do au­men­to na ca­pa­ci­da­de das ba­te­ri­as, tor­na-se im­pe­ra­ti­vo que o car­re­ga­men­to des­sas mes­mas ba­te­ri­as me­lho­re, ra­zão pe­la qu­al vá­ri­os fa­bri­can­tes têm es­ta­do a de­sen­vol­ver os seus pró­pri­os sis­te­mas de car­re­ga­men­to rá­pi­do, que em­bo­ra dis­tin­tos, uti­li­zam o mes­mo prin­cí­pio de fun­ci­o­na­men­to.

AU­MEN­TO DE CORRENTE

A for­ma mais fá­cil de ga­ran­tir um au­men­to da velocidade de car­re­ga­men­to de ba­te­ria de um smartphone é atra­vés da apli­ca­ção de um au­men­to de corrente. Ou se­ja, num smartphone tra­di­ci­o­nal, o uso de um car­re­ga­dor que con­si­ga pro­du­zir 2 A (am­pe­res) con­se­gue, em te­o­ria, du­pli­car a ca­pa­ci­da­de de car­ga, re­du­zin­do o tem­po de car­re­ga­men­to para me­ta­de. É atra­vés des­te prin­cí­pio que os sis­te­mas de car­re­ga­men­to rá­pi­do são ba­se­a­dos: per­mi­tir um car­re­ga­men­to mais rá­pi­do atra­vés da apli­ca­ção de uma corrente su­pe­ri­or.

PERDAS DE ENER­GIA

O pro­ble­ma da apli­ca­ção de mai­or corrente nu­ma ba­te­ria pren­de-se com a ener­gia dis­si­pa­da, em for­ma de calor, o que tem le­va­do ao de­sen­vol­vi­men­to de no­vos sis­te­mas de car­re­ga­men­to mais efi­ca­zes, que per­mi­tem ge­rir a in­ten­si­da­de da corrente apli­ca­da de acor­do com o calor da ba­te­ria. O sis­te­ma Quick Char­ge 4 da Qu­al­comm, por exem­plo, con­se­gue ajus­tar a vol­ta­gem apli­ca­da, en­tre os 3,2 a 20 V, sen­do es­ta vol­ta­gem ajus­ta­da em in­ter­va­los de 20 mV, com a corrente apli­ca­da a ser ajus­ta­da tam­bém en­tre os 2,6 a 4,6 A. Es­te sis­te­ma per­mi­te as­sim ge­rar uma po­tên­cia má­xi­ma de 28 W, um va­lor sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te su­pe­ri­or aos 10 ob­ti­dos com o sis­te­ma Quick Char­ge de pri­mei­ra ge­ra­ção (que usa­va os 5 Ve 2 A de corrente). Ape­nas um de­ta­lhe: à medida que a ba­te­ria vai car­re­gan­do, a velocidade de car­re­ga­men­to re­duz, de­vi­do não só à ges­tão tér­mi­ca do dis­po­si­ti­vo, co­mo à me­nor li­ber­da­de de mo­vi­men­ta­ção dos iões en­tre o cá­to­do e o âno­do.

HARDWARE ESPECÍFICO

Um dos problemas des­tas no­vas nor­mas es­tá na com­pa­ti­bi­li­da­de dos sis­te­mas com os car­re­ga­do­res e ca­bos, pois em­bo­ra es­tes se­jam fi­si­ca­men­te com­pa­tí­veis, com a gran­de mai­o­ria dos sis­te­mas de car­re­ga­men­to rá­pi­do uti­li­zar a in­ter­fa­ce USB Ty­pe-C, es­tes exi­gem uma com­pa­ti­bi­li­da­de com os chips de mo­ni­to­ri­za­ção, tan­to no car­re­ga­dor co­mo no smartphone. É por es­ta ra­zão que um car­re­ga­dor do Hu­awei P10, com a sua tecnologia Su­perChar­ge (até 5A) não con­se­gue car­re­gar, de for­ma rá­pi­da, um ter­mi­nal equi­pa­do com a tecnologia Quick Char­ge 3.0 da Qu­al­comm, (co­mo o LG G6 ou o Sony Xpe­ria XZ), ou um sis­te­ma Dash Char­ge da OneP­lus.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.