QUEM É O NE­RO DE POR­TU­GAL?

PC Guia - - BOOT -

Ac­tu­al­men­te, há smartpho­nes com chips bió­ni­cos e neu­rais que fa­zem es­sas coi­sas es­pan­to­sas (e cla­ra­men­te inú­teis) que são des­blo­que­ar o sis­te­ma com a lei­tu­ra da ca­ra ou re­co­nhe­cer se es­ta­mos a fo­to­gra­far co­mi­da ou ga­ti­nhos. Ho­je, já con­se­gui­mos evi­tar fi­las de trân­si­to e ir por ca­mi­nhos al­ter­na­ti­vos, pa­ra não per­der tem­po nos en­gar­ra­fa­men­tos; até po­de­mos ver quais são as ho­ras de mai­or afluên­cia num cen­tro co­mer­ci­al. Os re­ló­gi­os sa­bem qu­an­do es­ta­mos sen­ta­dos, a dor­mir, a na­dar, a aca­sa­lar e até nos avi­sam se o nos­so rit­mo car­día­co fu­gir à nor­ma­li­da­de. Mas, qu­an­do o as­sun­to é usar tec­no­lo­gia pa­ra aju­dar a ge­rir ca­tás­tro­fes na­tu­rais, fi­ca tu­do igual à Ro­ma que Ne­ro man­dou (su­pos­ta­men­te) quei­mar. Os pi­nhais e eu­ca­lip­tais pa­re­cem as in­su­las, ca­sas de ma­dei­ra, on­de vi­via o po­vo. Só res­ta sa­ber quem é que to­ca a li­ra en­quan­to o fo­go nos con­so­me. Os dro­nes de 600 eu­ros que ser­vem pa­ra os you­tu­bers fa­ze­rem umas pa­lha­ça­das não po­di­am tam­bém fa­zer uma pa­tru­lha nas áre­as mais crí­ti­cas pa­ra de­tec­tar fo­cos de in­cên­dio? A tec­no­lo­gia que ser­ve pa­ra de­tec­tar o raio da nos­sa íris e fa­zer uma ví­de­o­cha­ma­da com fil­tros e ore­lhas de cão não po­de ser usa­da pa­ra as au­to­ri­da­des co­mu­ni­ca­rem com mais efi­cá­cia? Já exis­tem pe­que­nos ro­bots da Dis­ney que obe­de­cem aos co­man­dos que da­mos pe­lo smartpho­ne, mas os car­ros de bom­bei­ros são co­mo em 1920: tem um tan­que de água e umas man­guei­ras. Os nos­sos sol­da­dos da paz pa­re­cem que an­dam mas­ca­ra­dos e não com equi­pa­men­to de pon­ta pa­ra aguen­tar o com­ba­te ao fo­go. On­de an­dam os sen­so­res, os smart suits e os ca­pa­ce­tes com re­a­li­da­de au­men­ta­da? Não, o me­lhor é de­di­car a ino­va­ção tec­no­ló­gi­ca pa­ra con­se­guir­mos ti­rar uma fo­to­gra­fia com a câ­ma­ra da fren­te e a de trás ao mesmo tem­po ou pa­ra pôr uma por­ca­ria de uma mo­bí­lia digital na sa­la. Pão e cir­co. Dois di­as, cem mor­tos, sem mei­os e com uma pro­mes­sa: «Is­to vai vol­tar a acon­te­cer», pro­me­te An­tó­nio Cos­ta. Com a sua li­ra a to­car em pa­no de fun­do, cla­ro.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.