“Ben­fi­ca es­tá pres­si­o­na­do e vem lim­par a ima­gem”

Record (Portugal) - - BENFICA -

Que Ben­fi­ca es­pe­ra re­ce­ber ama­nhã, fa­ce ao des­ca­la­bro de Ba­si­leia?

DR – Es­pe­ro um Ben­fi­ca pres­si­o­na­do e a que­rer lim­par a sua ima­gem. Sa­be que vai en­fren­tar um ad­ver­sá­rio que é for­te em ca­sa e vem, cer­ta­men­te, fe­ri­do no or­gu­lho pe­lo re­sul­ta­do pe­sa­do. Pa­ra nós, é um si­nal de mai­or aler­ta e ao mes­mo tem­po de res­pei­to, pois sa­be­mos que ire­mos de­fron­tar um Ben­fi­ca a ten­tar cor­ri­gir es­te re­sul­ta­do, de que nin­guém estava à es­pe­ra.

Aguar­da uma en­tra­da for­te do ad­ver­sá­rio, a pro­cu­rar re­sol­ver ce- do pa­ra evi­tar epi­só­di­os de an­si­e­da­de a se­guir?

DR – Acho que as du­as equi­pas vão en­trar for­tes no jo­go. Tam­bém te­mos en­tra­do as­sim e es­tou se­gu­ro que o ad­ver­sá­rio fa­rá igual.

Con­se­gue per­ce­ber as ra­zões do 5-0? Viu o jo­go e ti­rou as su­as ila­ções, cer­ta­men­te…

DR – Não me com­pe­te a mim fa­lar so­bre as ra­zões. São jo­gos que acon­te­cem, um em cem ou em mil. Calhou ao Ben­fi­ca.

Cos­tu­ma-se di­zer que é pi­or apa­nhar um gran­de nes­tas si­tu­a­ções. Con­cor­da?

DR – É sem­pre di­fí­cil jo­gar con­tra um gran­de e nes­tas cir­cuns­tân­ci­as per­ce­be-se que há o de­se­jo de dar uma res­pos­ta à al­tu­ra no ime­di­a­to. Aqui­lo que eu sin­to é que se­rá um jo­go mui­to com­pli­ca­do pa­ra nós. Já o era e, com es­te re­sul­ta­do, vai acres­cen­tar um grau de di­fi­cul­da­de pa­ra nós.

Re­cu­pe­rar o 3.º lu­gar e o es­tá­dio cheio são fa­to­res de mo­ti­va­ção acres­ci­da pa­ra o Ma­rí­ti­mo?

DR – Mais que a in­ten­ção do 3º lu­gar, é man­ter­mos o nos­so re­gis­to de in­ven­ci­bi­li­da­de em ca­sa e de con­quis­ta de pon­tos. Va­mos à pro­cu­ra do me­lhor re­sul­ta­do pos­sí­vel.

E on­de é que o Ma­rí­ti­mo po­de sur­pre­en­der?

DR – Não vou di­zê-lo, mas te­nho mais ou me­nos uma ideia do que po­de­mos fa­zer. Se a equi­pa es­ti­ver bem e di­re­ci­o­nar pa­ra os 90 mi­nu­tos a nos­sa for­ma de atu­ar, acho que po­de­mos di­vi­dir o jo­go e cau­sar surpresa. Pas­sa­rá evi­den­te­men­te pe­las op­ções que dis­pu­ser, pois ain­da te­nho al­gu­mas dú­vi­das na re­cu­pe­ra­ção de cer­tos jo­ga­do­res.

Se­rá um en­con­tro à ima­gem do da épo­ca pas­sa­da, com o Ma­rí­ti­mo bem po­si­ci­o­na­do a de­fen­der e ve­loz a ex­plo­rar os es­pa­ços?

DR – Pa­ra ser fran­co, já equa­ci­o­nei vá­ri­os ce­ná­ri­os e ain­da não

“A GO­LE­A­DA EM BA­SI­LEIA? SÃO JO­GOS QUE ACON­TE­CEM. UM EM CEM OU EM MIL. CALHOU AO BEN­FI­CA”

che­guei a uma con­clu­são. Aten­den­do àqui­lo que a equi­pa de­mons­trou em vá­ri­os jo­gos em ca­sa, com nu­an­ces di­fe­ren­tes em re­la­ção à épo­ca pas­sa­da, es­tou a pen­sar bem na me­lhor abor­da­gem ao jo­go.

Con­tro­lar a mo­vi­men­ta­ção de Piz­zi e Jo­nas é es­sen­ci­al?

DR – São dois dos mais in­flu­en­tes, ca­da um no seu sec­tor. Jo­ga­do­res de gran­de pe­so na di­nâ­mi­ca ofen­si­va, mas eu enu­me­ra­va mais: por exem­plo, a en­tra­da de Fej­sa é de­ci­si­va na me­lho­ria do jo­go do Ben­fi­ca, pe­la se­re­ni­da­de que dá no pro­ces­so de­fen­si­vo e ofen­si­vo. O Ben­fi­ca é um to­do, mas há jo­ga­do­res que se fa­zem no­tar mais do que ou­tros, quan­do es­tão bem. Mas o Ben­fi­ca é sem­pre o Ben­fi­ca e a gran­de va­lia do plan­tel po­de fa­zer a di­fe­ren­ça em qual­quer jo­go.

Es­tá há um ano sem per­der nos Bar­rei­ros pa­ra a Liga. Es­te se­rá o tes­te mais di­fí­cil?

DR – Se olhar­mos pa­ra es­te ar­ran­que de épo­ca, mes­mo in­cluin­do o jo­go da Liga Europa com o Dí­na­mo Ki­ev, es­te é sem dú­vi­da o jo­go de mai­or exi­gên­cia pa­ra nós. *

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.