Quan­to tem­po Vi­ei­ra vai se­gu­rar Rui Vi­tó­ria?

Record (Portugal) - - OPINIÃO -

O QUE ACON­TE­CEU EM BA­SI­LEIA NÃO PO­DE NEM DE­VE SER IGNORADO. FI­CA­RAM À VIS­TA DE­MA­SI­A­DAS INCONGRUÊNCIAS. A EQUI­PA A AFUNDAR-SE E O TREI­NA­DOR A IR AO FUN­DO, TAM­BÉM

Aper­gun­ta que cons­ti­tui o tí­tu­lo des­te ar­ti­go já an­da na ca­be­ça e na bo­ca de mui­tos adep­tos do Ben­fi­ca.

Um dos as­pec­tos que o re­cen­te tra­ba­lho da re­vis­ta‘ F ran­ce Fo­ot­ball’ apon­ta pa­ra jus­ti­fi­car o di­ag­nós­ti­co de “um futebol (por­tu­guês) em de­clí­nio” tem a ver, tam­bém, com o fac­to de a nos­sa Liga es­tar mui­to con­cen­tra­da no nú­me­ro de vi­tó­ri­as dos cha­ma­dos ‘três gran­des’. Te­mos, cro­ni­ca­men­te, um cam­pe­o­na­to ma­cro­cé­fa­lo e is­so re­sul­ta –ou­tro dos as­pec­tos ci­ta­dos nes­se ar­ti­go –com os ‘de­se­qui­lí­bri­os gri­tan­tes’ na dis­tri­bui­ção dos di­rei­tos te­le­vi­si­vos. Es­ta­mos far­tos de sa­ber.

Ben­fi­ca, FC Por­toe Spor­ting per­dem mui­to pou­cas ve­zes no cam­pe­o­na­to por­tu­guês e quan­do is­so acon­te­ce é rá­pi­da a ins­ta­la­ção do ce­ná­rio de cri­se.

Es­ta épo­ca, co­mo já ha­via acon­te­ci­do em 2015/16, o Ben­fi­ca–cu­ja res­pon­sa­bi­li­da­de au­men­tou a par­tir do mo­men­to em que re­cu­pe­rou a he­ge­mo­nia ao FC Por­to, com a con­quis­ta de qua­tro cam­pe­o­na­tos con­se­cu­ti­vos –co­me­çou mal. Me­lhor di­zen­do, nem co­me­çou mal (qua­tro vi­tó­ri­as con­se­cu­ti­vas, a pri­mei­ra das quais na Su­per­ta­ça), mas se­guiu-se-lhes um ciclo de ape­nas dois triun­fos nos úl­ti­mos se­te jo­gos. Se­ria uma coi­sa ‘nor­mal’, se ti­vés­se­mos uma Liga que ge­ras­se me­ca­nis­mos pa­ra ha­ver mais equi­lí­brio (e aqui as pa­la­vras de Ma­nu­el Ma­cha­do fa­zem to­do o sen­ti­do…), mas não te­mos e, quan­do um dos cró­ni­cos can­di­da­tos ao tí­tu­lo es­cor­re­ga mais do que é su­pos­to, pa­re­ce que uma par­te do país en­tra em ‘es­ta­do de cho­que’.

O exem­plo de 2015/16, co­mo Ben­fi­ca a re­cu­pe­rar deum­co me­ço ti­tu­be­an­te,éain da a es­pe­ran­ça­dos ben­fi­quis­tas, mas os si­nais de me­nor for­ça co­lec­ti­va exi­bi­dos em Vi­la do Con­de (ou mes­mo an­tes, em Cha­ves), ali­a­dos à for­ma co­mo a ‘es­tru­tu­ra’ não res­pon­deu às saí­das de jo­ga­do­res nu­cle­a­res co­mo Eder­son, Nél­son Se­me­do, Lin­delöf e Mi­tro­glou, es­tão a cau­sar in­có­mo­do en­tre os te­tra­cam­peões na­ci­o­nais. Ser ‘pen­ta’ é uma opor­tu­ni­da­de his­tó­ri­ca que, en­tre as hos­tes en­car­na­das, cus­ta mui­to ver des­per­di­ça­da.

Re­cor­da­mos que, há du­as tem­po­ra­das, a ‘na­ve ben­fi­quis­ta’ tam­bém pa­re­cia na imi­nên­cia de se des­man­te­lar, num ce­ná­rio tor­na­do tem­po­ra­ri­a­men­te mais gra­vo­so com o re­gis­to de três der­ro tas em três com­pe­ti­ções di­fe­ren­tes pe­ran­te o Spor­ting, e foi o triun­fo em Bra­ga, à pas­sa­gem do 18.º en­con­tro ofi­ci­al des­sa épo­ca, que co­lo­cou de no­vo a águia na tra­jec­tó­ria dos seus vo­os mais glo­ri­o­sos.

O Ben­fi­ca vai re­a­li­zar, ama­nhã, o seu 12.º en­con­tro ofi­ci­al da tem­po­ra­da e es­te jo­go na Ma­dei­ra, com o Ma­rí­ti­mo, tem ca­rac­te­rís­ti­cas mui­to si­mi­la­res àque­le jo­go em Bra­ga, agra­va­do com o fac­to de os en­car­na­dos te­rem aca­ba­do de en­cai­xar uma das mai­o­res go­le­a­das eu­ro­pei­as da sua his­tó­ria, o que tor­na me­nos op­ti­mis­ta o ce­ná­rio de re­cu­pe­ra­ção. Per­der por 5-0 fren­te ao Ba­si­leia não é al­go que se pos­sa atri­buir a má for­tu­na ou a uma noi­te me­nos ins­pi­ra­da…

É tam­bém por tu­do is­to que mui­tos co­lo­cam a per­gun­ta: quan­to mais tem­po Luís Fi­li­pe Vi­ei­ra vai se­gu­rar Rui Vi­tó­ria? Tem o trei­na­dor do Ben­fi­ca efec­ti­vas res­pon­sa­bi­li­da­des na­qui­lo que acon­te­ceu na Suí­ça e nes­te frou­xo co­me­ço de épo­ca?

É cla­ro­que­tem, masRuiVi­tó­ri­aé ome­nos­cul­pa­do. Ten­tan­do ex­pli­car:

1. Jorge Je­sus foi ‘des­pa­cha­do’ num pro­ces­so que foi o ‘gri­to de Ipi­ran­ga’ da ‘es­tru­tu­ra’.

2. A‘es­tru­tu­ra’ já não con­ce­bia a exis­tên­cia de um trei­na­dor de exi­gên­ci­as vá­ri­as.

3. A‘es­tru­tu­ra’ pre­ten­dia co­brar os cré­di­tos dos tí­tu­los que vi­ram sen­do atri­buí­dos, em pri­mei­ro lu­gar, aos mé­ri­tos de Jorge Je­sus.

4. Luís Fi­li­pe Vi­ei­ra e a ‘es­tru­tu­ra’ de­fi­ni­ram o per­fil do trei­na­dor ‘pós-Je­sus’: to­tal­men­te ali­nha­do com o ideá­rio pro­gra­má­ti­co e, por­tan­to, pas­si­vo pe­ran­te as la­cu­nas, even­tu­al­men­te, de­tec­ta­das.

OBen­fi­ca­tem, pois, otrei­na­dor que­es­co­lheu. O trei­na­dor mais con­ve­ni­en­te à con­so­li­da­ção do po­der da ‘es­tru­tu­ra’ e do seu pre­si­den­te. Um trei­na­dor a quem não se ou­ve um en­saio de crítica em re­la­ção a uma cer­ta pas­si­vi­da­de da SAD na pre­pa­ra­ção des­ta épo­ca. O trei­na­dor-es­pec­ta­dor. O trei­na­dor que evi­ta sem­pre res­pon­der a ques­tões um pou­co mais de­li­ca­das. Tu­do em no­me do gru­po. Tu­do em no­me da dis­cus­são in­ter­na. Tu­do em no­me de uma paz que, nes­tas cir­cuns­tân­ci­as, é sem­pre mui­to re­la­ti­va.

A pró­pria‘ es­tru­tu­ra’ já so­freu al­te­ra­ções( Lou­ren­ço Co­e­lho/ Ti­a­go Pin­to; Nu­no Go­mes/Pe­dro MilHo­mens, con­ti­nu­an­do a ges­tão do pa­pel de Rui Cos­ta a le­van­tar mui­tas dú­vi­das e al­gu­ma po­lé­mi­ca) e, em ter­mos de aná­li­se, é im­por­tan­te não per­der de vis­ta que es­sa mes­ma ‘es­tru­tu­ra’ (da qual fa­zem par­te Luís F. Vi­ei­ra, Domingos So­a­res de Oliveira e Pau­lo Gon­çal­ves, os seus prin­ci­pais pi­la­res) es­tá acos­sa­da pe­las re­ve­la­ções fei­tas pe­lo FC Por­to, no ‘ca­so dos emails’.

Quer di­zer: o Ben­fi­ca nun­ca es­te­ve tão ex­pos­to co­mo ago­ra. Não ter da­do res­pos­ta con­vin­cen­te às saí­das de Eder­son, Se­me­do, Lin­delö­fe Mi­tro­glou tor­nou o Ben­fi­ca mais vul­ne­rá­vel e, por is­so, Rui Vi­tó­ri­aéo­men os cul­pa­do. A‘es­tru­tu­ra’ é cha­ma­da a res­pon­de­ra os cha­ma­men­tos ex­ter­nos e aos ape­los in­ter­nos. É um gran­de de­sa­fio. Quan­to tem­po Rui Vi­tó­ria vai re­sis­tir?

ME­NOS CUL­PA­DO. O jo­go de ama­nhã no Fun­chal equi­pa­ra-se àque­le que ‘sal­vou’ Rui Vi­tó­ria, há du­as épo­cas, em Bra­ga. O trei­na­dor po­de pa­gar a ‘cri­se’, mas é o me­nos cul­pa­do. A ‘es­tru­tu­ra’ lu­tou mui­to pa­ra ter um trei­na­dor-es­pec­ta­dor

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.