ENOR­ME TON­DE­LA AGUENTA-SE FIR­ME

Ca­pa­ci­da­de de re­sis­tên­cia, so­fri­men­to e so­li­da­ri­e­da­de dos bei­rões foi a to­dos os tí­tu­los no­tá­vel

Record (Portugal) - - FC PORTO - AN­TÓ­NIO MEN­DES

A JO­GAR COM MAIS DU­AS UNI­DA­DES DES­DE OS 56’, FLAVIENSES NUN­CA TI­VE­RAM CRI­A­TI­VI­DA­DE E LUCIDEZ

Enor­me Ton­de­la a sair vi­vo de Cha­ves e com um pon­to que sa­be li­te­ral­men­te a vi­tó­ria, depois de um jo­go de gran­de sa­cri­fí­cio co­le­ti­vo de uma equi­pa re­du­zi­da a 9 ele­men­tos des­de o mi­nu­to 56! A ca­pa­ci­da­de de re­sis­tên­cia, de so­fri­men­to e de gran­de so­li­da­ri­e­da­de dos vi­si­tan­tes foi, a to­dos os tí­tu­los, no­tá­vel, com a fes­ta no fi­nal ple­na­men­te jus­ti­fi­ca­da. Co­mo já se per­ce­beu, es­te foi um jo­go cla­ra­men­te mar­ca­do a ver- me­lho pe­las ex­pul­sões de Jú­ni­or Pius e de João­zi­nho, am­bas com sen­ti­do de jus­ti­ça, di­ga-se, mas a de­ter­mi­nar mu­dan­ças brus­cas de es­tra­té­gia nos dois la­dos, com cla­ra vi­tó­ria do jo­vem Pepa, na lu­ta pe­las so­lu­ções a par­tir do ban­co, so­bre o ex­pe­ri­en­te Luís Cas­tro. Mas, aten­ção, o Cha­ves não ga­nhou es­te jo­go por­que não… sou­be! Com a van­ta­gem nu­mé­ri­ca, a equi­pa nun­ca se en­ten­deu lá na fren­te e nem os vá­ri­os pa­péis com di­fe­ren­tes es­tru­tu­ras tá­ti­cas que Luís Cas­tro en­vi­ou lá pa­ra den­tro de­ram re­sul­ta­dos prá­ti- cos. Fal­tou cla­ra­men­te cri­a­ti­vi­da­de e lucidez aos ho­mens da ca­sa. So­brou an­si­e­da­de na ho­ra de ten­tar vi­sar a ba­li­za de Cláu­dio Ra­mos, guar­da-re­des que es­te­ve sem­pre no sí­tio cer­to quan­do foi ne­ces­sá­rio.

O in­crí­vel des­te jo­go é que depois de es­ta­rem 11 con­tra 9 até foi do Ton­de­la a jo­ga­da mais cla­ra de go­lo, quan­do Pe­dro Nu­no não con­se­guiu con­cluir um con­tra­a­ta­que con­du­zi­do por Boyd (83’). Aliás, a gran­de hipótese pa­ra os flavienses ven­ce­rem até sur­giu já aos 90’+6, com Da­vid­son a ga­nhar po­si­ção na área, lan­ça­do pe­lo guar­da-re­des Ricardo Nu­nes, mas o bra­si­lei­ro falhou de for­ma cla­mo­ro­sa, quan­do ten­ta­va ar­mar o re­ma­te, acer­tan­do na at­mos­fe­ra... Is­to nu­ma fa­se em que os jo­ga­do­res do Ton­de­la fes­te­ja­vam ca­da cor­te co­mo se fos­se go­lo, va­len­do­lhes es­sa união e cren­ça na pon­ta fi­nal do jo­go. *

MU­RA­LHA. Ricardo Cos­ta opõe-se a mais uma ten­ta­ti­va de Da­vid­son

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.