An­tu­nes ten­tou mes­mo fa­zer um cru­za­men­to

Record (Portugal) - - MUNDIAL’2018 -

Foi num lan­ce ca­ri­ca­to que Portugal chegou ao em­pa­te, qu­an­do um ti­ro de An­tu­nes aca­bou por não ser con­tro­la­do por Ethan Hor­vath. E o la­te­ral não tem pro­ble­mas em as­su­mir que, de fac­to, foi fe­liz. “A mi­nha intenção era fa­zer um cen­tro pa­ra área, mas saiu um cen­tro-re­ma­te. Fe­liz­men­te a bo­la en­trou na ba­li­za e con­se­gui­mos um em­pa­te. A equi­pa fez um gran­de es­for­ço, mui­to em­bo­ra al­gu­mas coi­sas não te­nham cor­ri­do bem co­mo que­ría­mos, mas im­por­tan­te foi o tra­ba­lho que a equi­pa fez”, con­fes­sou o de­fe­sa, que re­pre­sen­ta o Ge­ta­fe. En­quan­to um dos que já co­nhe­cem bem o que é re­pre­sen­tar a equi­pa das qui­nas, An­tu­nes fa­lou, também, so­bre a im­por­tân­cia de aco­lher no­vos ta­len­tos no es­pa­ço da Seleção Na­ci­o­nal, mes­mo que pos­sa di­fi­cul­tar a ta­re­fa em al­guns momentos. “É sem­pre bom re­ce­ber jo­ga­do­res no­vos. Com tan­ta gen­te no­va, sa­be­mos que por ve- zes po­de tor­nar-se al­go com­pli­ca­do. Mas to­da a gen­te cor­res­pon­deu nes­ta se­ma­na de tra­ba­lho. Es­te foi um jo­go me­nos con­se­gui­do, mas foi um gran­de tra­ba­lho de to­dos e is­so é que é o mais im­por­tan­te”, re­ma­tou o la­te­ral-es­quer­do. *

SINCERO. La­te­ral mar­cou mas não era a prin­ci­pal intenção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.