Pla­no B abai­xo do es­pe­ra­do

Record (Portugal) - - MUNDIAL’2018 - Bru­no Fer­nan­des Da­ni­lo Ma­nu­el Fer­nan­des

en­tra­da de vá­ri­os no­vos ele­men­tos em si­mul­tâ­neo no on­ze ini­ci­al con­di­ci­o­nou o jo­go da Seleção, que se re­ve­lou in­ca­paz de dar uma res­pos­ta tão po­si­ti­va quan­to a que ha­via da­do na par­ti­da frente à Ará­bia Sau­di­ta, pre­ci­sa­men­te por se ter no­ta­do fal­ta de ro­ti­nas en­tre os diferentes jo­ga­do­res.

Portugal apre­sen­tou-se em 4x3x3 ao lon­go de to­do o pri­mei­ro pe­río­do, com dois mé­di­os mais bai­xos (Ma­nu­el Fer­nan­des e Da-

RÚBEN NEVES SOUBE SEM­PRE ESCOLHER O ME­LHOR CAMINHO PA­RA LIGAR AS DIFERENTES FASES OFENSIVAS

ni­lo), en­car­re­gues de fa­zer a bo­la en­trar nas zo­nas de cri­a­ção, on­de Bru­no Fer­nan­des se po­si­ci­o­nou pa­ra re­ce­ber e dar se­gui­men­to. Na frente de ata­que, Gel­son Mar­tins, Gon­ça­lo Gu­e­des e Bru­ma ti­ve­ram li­ber­da­de pa­ra tro­cas po­si­ci­o­nais, mas uni­ca­men­te en­tre ele­men­tos do sec­tor mais adi­an­ta­do. [ 1]

De­vi­do às pou­cas re­cu­pe­ra­ções de bo­la em zo­nas mais adi­an­ta­das, Portugal be­ne­fi­ci­ou de me­nos si­tu­a­ções do que as que de­se­ja­ria pa­ra sair em tran­si­ção ofen­si­va em con­tra-ata­que, mo­men­to do jo­go on­de os três da frente têm mais im­pac­to, e com is­so foi sem­pre uma equi­pa me­nos pe­ri­go­sa ao lon­go da pri­mei­ra par­te.

As al­te­ra­ções ope­ra­das na se­gun­da par­te, so­bre­tu­do as en­tra­das de Rúben Neves, João Má­rio e Ber­nar­do Silva, trou­xe­ram um jo­go mais li­ga­do e com mais idei­as nos momentos ofen­si­vos, mes­mo ten­do a Seleção Na­ci­o­nal man­ti­do a sua es­tru­tu­ra tá­ti­ca no 4x3x3 com que ini­ci­ou o jo­go, em­bo­ra ago­ra com Gon­ça­lo Gu­e­des so­bre o cor­re­dor es­quer­do [ 2].

Por­que apre­sen­tou uma qua­li­da­de ím­par com bo­la, e soube sem­pre de­ci­dir o me­lhor caminho pa­ra ligar as diferentes fases ofensivas, a pre­sen­ça de Rúben Neves à frente da li­nha de­fen­si­va por­tu­gue­sa per­mi­tiu a Ma­nu­el Fer­nan­des adi­an­tar-se um pou­co e po­der re­ce­ber mais ve­zes em es­pa­ços mais adi­an­ta­dos, já que o jo­vem do Wol­verhamp­ton foi li­gan­do a se­gun­da fa­se de cons­tru­ção com as zo­nas de cri­a­ção. [ 3]

Num jo­go em que o me­nos im­por­tan­te era o re­sul­ta­do, Fer­nan­do San­tos ti­rou por cer­to as de­vi­das ila­ções quer do sis­te­ma, que pre­vi­si­vel­men­te se­rá o al­ter­na­ti­vo, quer das no­vas op­ções tes­ta­das.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.