MILE SVILAR VI­VEU 20 DIAS “DI­FÍ­CEIS”

Record (Portugal) - - BENFICA - PEDRO PONTE

A adap­ta­ção de Mile Svilar ao Benfica não foi fá­cil, pelo me­nos “nos pri­mei­ros 15 ou 20 dias”, se­gun­do o pai do jo­vem guar­da-re­des. Em de­cla­ra­ções à BTV, nu­ma re­por­ta­gem so­bre a vi­da e a car­rei­ra do ca­mi­so­la 1, Rat­ko Svilar lem­brou os pri­mei­ros trei­nos no Sei­xal.

“Eu não pos­so as­sis­tir, cla­ro, mas ele che­ga­va a ca­sa e di­zia que não es­ta­va sa­tis­fei­to. Sen­tia que não es­ta­va no seu me­lhor. Uma vez dis­se-me que, qu­an­do saía aos pés dos jo­ga­do­res, a bo­la res­sal­ta­va e eles mar­ca­vam. Não es­ta­va com sorte e, por is­so, não se sen­tia bem”, dis­se o ex-guar­da-re­des, de 67 anos, re­cor­dan­do, de­pois, o mo­men­to em que tu­do mu­dou: “Um dia chegou com mar­cas de pi­tons no bra­ço e per­gun­tei-lhe o que era aqui­lo. ‘Pai, foi um bom trei­no’, dis­se-me. Ti­nha le­va­do pon­ta­pés e já se sen­tia me­lhor.”

Pai do guar­dião re­cor­da pri­mei­ros trei­nos na Luz: “Sen­tia que não es­ta­va no seu me­lhor”

Au­to­go­lo

O er­ro co­me­ti­do na re­ce­ção ao Man­ches­ter Uni­ted – en­trou com a bo­la na ba­li­za –, no jo­go de es- treia na Li­ga dos Cam­peões, também foi abor­da­do por Dun­ja Svilar, ir­mã do guar­da-re­des. “Foi bom ver a com­pre­en­são dos adeptos. Fo­ram mui­to po­si­ti­vos e dei­xa­ram-nos mui­to emo­ci­o­na­dos”, ex­pli­cou a jo­vem, de 19 anos, lem­bran­do que, antes des­se jo­go com os red de­vils, Svilar “es­ta­va mui­to ner­vo­so”. “Só 30 mi­nu­tos antes do jo­go é que já es­ta­va mais cal­mo. E en­tu­si­as­ma­do!”

A mãe, Mar­ja­na, também se emo­ci­o­nou com o pe­di­do de des­cul­pas de Mile aos adeptos: “Aqui­lo veio do co­ra­ção.” *

TI­TU­LAR. Svilar agar­rou o lu­gar na ba­li­za en­car­na­da

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.