“Is­to cor­re tu­do mui­to rá­pi­do”

Não é ser pro­ta­go­nis­ta que o mo­ve, e mui­to me­nos ser fa­mo­so en­tre o pú­bli­co. O ac­tor ado­ra o que faz e quer con­ti­nu­ar a fa­zê-lo, mas o que o man­tém de sor­ri­so no ros­to é mes­mo a fi­lha Be­a­triz, de qua­tro anos de ida­de, para quem queria ter mais tem­po aind

TV Guia - - Estrelas - TEX­TO HU­GO AL­VES | FO­TOS CAR­LOS RA­MOS E COFINA ME­DIA

Não é fá­cil para um ac­tor vi­ver uma vi­da tran­qui­la quan­do an­da pe­la rua. Es­te­ja no pro­fun­do Alen­te­jo, na vi­la mais es­con­di­da do Mi­nho ou nu­ma ilha fo­ra de Por­tu­gal, Jor­ge e a na­mo­ra­da Pau­la Lo­bo An­tu­nes não es­ca­pam ao re­co­nhe­ci­men­to pú­bli­co. Al­go que o ac­tor ado­ra... mas nos mo­men­tos cer­tos. “Na ver­da­de o que quis sem­pre foi o re­co­nhe­ci­men­to dos meus pa­res: jor­na­lis­tas, re­a­li­za­do­res, co­le­gas de trabalho. O do pú­bli­co aca­bou por vir co­mo um acres­cen­to. E re­gra ge­ral as pes­so­as são afá­veis, sim­pá­ti­cas e co­me­di­das”. Mas nem sem­pre é as­sim. E por ve­zes Jor­ge Cor­ru­la já se de­pa­rou com si­tu­a­ções abor­re­ci­das. “Acon­te­ce. Não queria ser re­co­nhe­ci­do quan­do vou ao su­per­mer­ca­do co­mo qual­quer ou­tra pes­soa co­mum, quan­do an­do às com­pras de to­ma­tes ou pe­pi­nos. Nes­sa al­tu­ra ape­te­ce tu­do me­nos ti­rar uma fo­to­gra­fia. Ou en­tão quan­do se es­tá a co­mer num res­tau­ran­te”, diz.

CO­MO TU­DO CO­ME­ÇOU

A fa­ma agar­rou-o ce­do. Es­tre­ou-se em A Mi­nha fa­mí­lia é uma Ani­ma­ção, na SIC, em 2002, mas foi só com Mo­ran­gos com Açú­car e Mis­tu­ra Fi­na, ao la­do de Ra­quel Hen­ri­ques e Inês Si­mões se tor­nou ver­da­dei­ra­men­te ape­te­cí­vel pe­lo pú­bli­co. Con­tu­do, Jor­ge­não­pen­sa­va­ain­da­nis­so. “Ser co­nhe­ci­do não era um ob­jec­ti­vo. Nem se­quer pen­sa­va em ser pro­ta­go­nis­ta nem na­da dis­so. Eu queria era tra­ba­lhar, queria era ser ac­tor”, con­ta. “Co­mo a mi­nha edu­ca­ção aca­dé­mi­ca sem­pre foi o te­a­tro e a te­le­vi­são, o ser po­pu­lar veio por acrés­ci­mo”, re­ve­la, acres­cen­tan­do: “Eu queria era apa­re­cer em pal­cos e de­pois de re­pen­te veio a te­le­vi­são, e pron­to cá es­tou eu.”

O ac­tor de 39 anos ga­ran­te que de­pois dis­to tem sa­bi­do ge­rir a car­rei­ra o me­lhor que po­de. “Te­mos é que ter aten­ção no que qu­e­re­mos fazer e co­mo ge­rir as coi­sas: no trabalho, no em­pe­nho. Por­que is­to é uma ma­ra­to­na, e eu já vou com qua­se 20 anos dis­to. E ho­je sin­to que pos­so acei­tar tra­ba­lhos mai­o­res, ou­tros me­no­res. Te­nho é que di­ver­si­fi­car e até fa­lhar. Por­que fa­lhar faz par­te tam­bém da nos­sa pro­fis­são, co­mo de res­to qual­quer ou­tra. E eu já fiz al­gu­mas coi­sas, vá, que não re­sul­ta­ram tão bem”, diz com uma gar­ga­lha­da. “Te­mos que re­co­nhe­cer que nem sem­pre so­mos bri­lhan­tes.”

OS MEDOS DA IDA­DE

Jor­ge Cor­ru­la po­de ado­rar a sua pro­fis­são e até por ve­zes pa­re­cer que é a ela que de­di­ca mais tem­po, mas na re­a­li­da­de a sua pri­o­ri­da­de é fi­lha. Por ela o ac­tor já de­sis­tiu de tra­ba­lhos e co­or­de­na “to­dos os horários”, mas o seu drama não é es­se. A pre­o­cu­pa­ção do ac­tor é se al­gu­ma vez não po­der ver a sua fi­lha cres­cer. “Ao con­trá­rio de al­guns co­le­gas en­ve­lhe­cer não me pre­o­cu­pa. Nem

“O que me pre­o­cu­pa é o fim. E com uma fi­lha de qua­tro anos é uma coi­sa que pen­so”

os ca­be­los bran­cos. Até acho que dão um cer­to char­me”, começa por di­zer. “O que me pre­o­cu­pa é o fim. E com uma fi­lha de qua­tro anos é uma coi­sa que me faz pensar ainda mais. O que me pre­o­cu­pa mes­mo é não ser imor­tal. Não pe­la coi­sa de vi­ver para sem­pre. Não é is­so. Qu­e­ro é man­ter qua­li­da­de de vi­da, man­ter a mi­nha in­te­li­gên­cia para po­der acom­pa­nhar a mi­nha fi­lha. Não qu­e­ro que lhe fal­te na­da. E is­so é que me pre­o­cu­pa”, re­ve­la.

Con­tu­do, e ape­sar de já con­tar com 39 anos ga­ran­te que a “ida­de ainda não me pe­sa” e mui­to me­nos “as ques­tões es­té­ti­cas”, ex­pli­ca. “O que me ir­ri­ta é que is­to cor­re mui­to rá­pi­do. Sin­to que de­via ter mais tem­po”, con­ta o ac­tor que tem co­mo pri­o­ri­da­de “pas­sar o má­xi­mo de tem­po com a Pau­la e com a mi­nha fi­lha. Is­so sim é vi­ver.”

Jor­ge Cor­ru­la es­tá ago­ra tam­bém em­pe­nha­do nu­ma ou­tra ac­ti­vi­da­de, o atle­tis­mo. Tal co­mo a TV Guia avan­çou, o ac­tor vai dis­pu­tar a Ma­ra­to­na de No­va

Ior­que, no pró­xi­mo dia 5 de No­vem­bro.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.