“Apren­di com as mi­nhas que­das”

Nu­ma vi­a­gem à Ma­dei­ra, São Jo­sé Cor­reia, de 42 anos, abriu o co­ra­ção à TV Guia nu­ma con­ver­sa in­ti­mis­ta e re­ve­la­do­ra. Sem pu­do­res, a ac­triz fa­lou das su­as in­se­gu­ran­ças, de­ci­sões e dos ru­mo­res da do­en­ça. Ape­sar da pres­são da so­ci­e­da­de, ga­ran­te que não que

TV Guia - - Protagonista - TEX­TO CA­RO­LI­NA CU­NHA | FO­TOS LI­LI­A­NA PE­REI­RA

Es­ta­mos na Ma­dei­ra para as vin­di­mas. É aman­te de vi­a­gens?

Sim mui­to. Quan­do vi­a­jo so­zi­nha é sem­pre um mês.

Gos­ta de vi­a­jar so­zi­nha? Gos­to,gos­to,mas­vi­a­jar so­zi­nha nun­ca é a mi­nha pri­mei­ra op­ção. Gos­ta de ir para fo­ra e sen­tir que não a co­nhe­cem?

Mui­to! Aliás, às ve­zes per­gun­tam-me o que é que eu fa­ço da vi­da e eu nun­ca di­go que sou ac­triz. Tem ne­ces­si­da­de dis­so?

Te­nho, so­bre­tu­do quan­do ter­mi­no as novelas,que­de­mo­ram­mui­tos­me­ses.E se eu aca­bar uma no­ve­la e não sair é por­que es­tou mui­to mal. É fun­da­men­tal sair, para ter sau­da­des de vol­tar.

Já sen­tiu so­li­dão?

Sim, já. Te­nho os meus mo­men­tos de so­li­dão. Não é uma ques­tão de es­co­lha, é uma con­di­ção hu­ma­na. Mes­mo se ti­ver­mos mui­tos ami­gos, uma boa fa­mí­lia ou um na­mo­ra­do, há coi­sas que só nós é que po­de­mos saber so­bre nós pró­pri­os. Nós te­mos de saber es­tar so­zi­nhos, con­nos­co pró­pri­os. E apre­ci­ar, por­que es­sa so­li­dão tam­bém sig­ni­fi­ca in­de­pen­dên­cia.

Já se sen­tiu pres­si­o­na­da a cri­ar uma fa­mí­lia, ca­sar e ter fi­lhos?

Não, sin­ce­ra­men­te pres­si­o­na­da não, por­que­eu­não­me­dei­xo­pres­si­o­nar nes­se sen­ti­do. É uma ques­tão de op­ção e nun­ca dei­xei que es­sa pres­são da so­ci­e­da­de me afec­tas­se ou me fi­zes­se sen­tir in­fe­ri­or, ou su­pe­ri­or, às ou­tras mu­lhe­res. Porquê? Lem­bro-me de ter ti­do es­ta con­ver­sa com a mi­nha mãe. Des­de miú­da que sem­pre­ti­ve­ai­dei­a­de­não­ca­sar.

E a mi­nha mãe per­gun­tou-me ‘por­que é que não que­res ca­sar’ e eu ‘não qu­e­ro, não faz sen­ti­do para mim’. Acho que nun­ca­vou­a­mar­nin­gué­me­ter­na­men­te, não acre­di­to nes­sas coi­sas, sou uma pes­soa in­de­pen­den­te e qu­e­ro fazer o qu­e­ro. E a mi­nha mãe fa­la­va-me de quan­do­eu­fos­se­mais­ve­lha,que­mé­que ia­to­mar­con­ta­de­mim.Eué­que­vou­to­mar con­ta de mim, mes­mo que me ca­sas­se ou ti­ves­se fi­lhos, es­sa ideia de que os fi­lhos de­pois vão to­mar con­ta de ti po­de­ser­fal­sa.Por­que­tu­não­sa­bes­se­os teus fi­lhos vão to­mar con­ta de ti. Mui­tos­dos­fi­lhos,sãouns­gran­des‘fi­lhos­da pi­ii’, que não li­gam ne­nhu­ma aos pais. Tem me­do de se ar­re­pen­der? Te­nho!Cla­ro­que­te­nho!Mas­te­nho­mais me­do de me ar­re­pen­der por não ter fei­to! Na vi­da há uma coi­sa que po­des te­ra­cer­te­za­que­vai­a­con­te­cer,háu­mas coi­sas que vão cor­rer bem, e ou­tras que vão cor­rer mal. O que tu tens de per­ce­ber é que sem­pre que tu cais tu tens que te le­van­tar.

Apren­deu com as su­as pró­pri­as que­das? Acho­que­sim.Qu­er­di­zer,nas­que­das­do amor nós es­ta­mos sem­pre a re­pe­tir as mes­mas coi­sas (ri­sos). Mas sim, te­nho apren­di­do a pro­te­ger-me.

É uma pes­soa op­ti­mis­ta?

Sou uma pes­soa mui­to dra­má­ti­ca, mas sou op­ti­mis­ta!

“TENHOOCORAÇÃOAOPÉDABOCA”

Co­mo é que se de­fi­ne co­mo mu­lher aos 42 anos? Não­sei­bem­de­fi­nir-me,mas­gos­to­des­ta ima­gem que te­nho de ser uma mu­lher for­te. Ou se­ja, não te­nho me­do de fazer as­nei­ras. E is­so sig­ni­fi­ca que sou co­ra­jo­sa. Quan­do me apa­re­ce al­guém mau, quan­do eu, pró­pria fa­ço as­nei­ra e si­go em­fren­te,pen­so­que­mais­tar­de­ou­mais ce­do­vou­te­ra­re­com­pen­sa,sou­po­si­ti­va. Sou­dra­má­ti­ca­sim,por­queàs­ve­zes­le­vo as coi­sas mui­to ao ex­tre­mo.

Tem o co­ra­ção ao pé da bo­ca? Te­nho,mui­tas­ve­zes­te­nho.Eis­soéu­ma das­coi­sas­que­te­nho­a­pren­di­do­a­re­fre­ar um bo­ca­di­nho. Mas sou mui­to emo­ci­o­nal. Sente que al­gu­ma vez foi mal in­ter­pre­ta­da?

Sim, sim… Mas is­so às tan­tas é um pro­ble­ma das ou­tras pes­so­as. Já sen­tiu que o seu trabalho não foi re­co­nhe­ci­do?

To­dos nós às ve­zes me­re­ce­mos mais do que aqui­lo­que­te­mos.Mas­não so­fro­mui­to­co­mis­so,por­que o meu ca­mi­nho é in­te­ri­or. Sin­to­me sa­tis­fei­ta pe­lo meu esforço

Foi afas­ta­da da sé­rie O Sá­bio da RTP de uma for­ma ines­pe­ra­da. Mui­tos fa­lam do seu mau fei­tio... Co­mo é que li­dou com is­so?

Não li­dei de ma­nei­ra ne­nhu­ma. Qui­se­ram­que­saís­se­e­saí.As­pes­so­as­con­fun­dem as coi­sas, por­que que­rem con­fun­dir. Uma coi­sa é exi­gir con­di­ções e qua­li­da­de, ou­tra coi­sa é ser me­dío­cre. Sou uma pes­soa apai­xo­na­da, de­di­ca­da e exi­jo qua­li­da­de.

Tem a cons­ci­ên­cia tran­qui­la?

Te­nho, com­ple­ta­men­te tran­qui­la… e a tran­qui­li­da­de de­pois dá-me o pú­bli­co.

“Gos­to da ima­gem de ser uma mu­lher for­te. Não te­nho me­do de fazer

as­nei­ras”

As pes­so­as lem­bram-se do meu trabalho. Por­tan­to, os cães la­dram e a ca­ra­va­na pas­sa.

ASSUME PAI­XÃO

O que é que lhe fas­ci­na nu­ma pes­soa? Aho­nes­ti­da­de,ain­te­li­gên­cia.Ograu­de cul­tu­ra, de edu­ca­ção. O bom hu­mor. A in­te­li­gên­cia acho que en­glo­ba is­to tu­do. E a sin­ce­ri­da­de. Quan­do en­con­tro uma pes­soa que tem a ca­pa­ci­da­de, a cons­ci­ên­cia, de ad­mi­tir que é as­sim, que to­mou de­ter­mi­na­das op­ções. Ado­ro es­ta ho­nes­ti­da­de.

...nas su­as re­la­ções? Sim,nas­mi­nhas­re­la­ções.Eo­la­do­e­mo­ci­o­nal.As­pes­so­as­que­es­tão­co­mi­go­têm de ser emo­ci­o­nais, têm de ser ca­ri­nho­sas.

A São Jo­sé é uma pes­soa afec­ti­va e ca­ri­nho­sa? Mui­to­ca­ri­nho­sa.Po­de­não­pa­re­cer­mas no meu cír­cu­lo ín­ti­mo sou mui­to ca­ri­nho­sa e apre­cio pes­so­as que se ex­pres­sam com carinho. Acho que fal­ta mui­to carinho ao mun­do e is­so é mui­to tris­te. Es­tá apai­xo­na­da?

Es­tou, es­tou apai­xo­na­da pe­lo meu na­mo­ra­do.

Na­mo­ram há quan­to tem­po? Há­cin­co­a­nos,mas­não­vou­fa­lar­mui­to so­bre is­so.

En­con­trou a pes­soa que a com­ple­ta a to­dos os ní­veis?

Sim, com­ple­ta-me. É uma pes­soa tão in­de­pen­den­te­co­mo­eu,éli­vre.Nãoé­tão mei­go­co­mo­eu,ma­sas­mu­lhe­res­con­se­guem ou­tro grau, são mais emo­ci­o­nais. Ad­mi­ra-me, res­pei­ta-me. Ad­mi­ra o meu­tra­ba­lho,ees­tá­sem­pre­a­fa­zer­pa­ra que­eu­es­te­ja­be­me­con­for­tá­vel.Eéu­ma pes­soa que me aju­da imen­so. Gos­to mui­to de­le, te­nho mui­to de­se­jo por ele, eéu­ma­pes­so­a­que­eu­ad­mi­ro­en­quan­to pes­soa in­di­vi­du­al. Gos­to mui­to da for­ma­co­mo­e­le­le­va­a­pró­pri­a­vi­da.Por­tan­to, para já es­tou mui­to bem e con­ti­nuo mui­to apai­xo­na­da, sim.

As pes­so­as têm uma ima­gem sua de uma pes­soa mui­to se­gu­ra e de­ter­mi­na­da. É a re­a­li­da­de?

Sou. Ana­li­so-me e não te­nho me­do das mi­nha fra­que­zas. Sei que te­nho mui­tas li­mi­ta­ções.Te­nho­as­mi­nha­sin­se­gu­ran­ças,os­meus­com­ple­xos­dein­fe­ri­o­ri­da­de. As­ve­zes­quan­do­a­cor­do­e­o­lho-me­a­o­es­pe­lho não ve­jo a mu­lher mais bo­ni­ta da rua, pe­lo con­trá­rio. Pas­sas o dia to­do ma­qui­lha­da, lin­da de mor­rer. Che­go a ca­sa,ti­ro­a­ma­qui­lha­gem,achas­que­me sin­to mui­to bem? Não sin­to.

Porquê?

Por­que olho para mim e ve­jo olhei­ras, man­chas do sol, olho para mim e já não te­nho­a­pe­le­es­ti­ca­da.Te­nhoin­se­gu­ran-

“Gos­to mui­to de­le e te­nho mui­to de­se­jo por ele [o na­mo­ra­do]. Con­ti­nuo mui­to

apai­xo­na­da”

ças, te­nho. Mas acei­to-me. E is­so é que me dá for­ça, acei­tar-me co­mo sou, ma­grís­si­ma.As­pes­so­as­di­zem‘ahe­laé­bo­a­zo­na’.Não­sou­na­da.Eu­sei­que­não­sou, mas acei­to-me. Eu te­nho a mi­nha be­le­za, não é a ou­tra mas é a mi­nha.

Tem me­do da ida­de e de ver os anos a pas­sar?

Não, não. Por­que eu ti­ve uma ado­les­cên­cia mui­to di­fí­cil e quis mui­to en­trar nai­da­de­a­dul­ta­e­es­tou­mui­to­bem­co­mo es­tou.Pre­zo­mui­to­a­vi­da,por­tan­to­não me vai fazer con­fu­são ne­nhu­ma fazer 50 ou 60 anos.

Não tem me­do de en­ve­lhe­cer?

Não. cla­ro que a mi­nha pro­fis­são é um bo­ca­do cru­el nes­se sen­ti­do. Mas com a ida­de­a­be­le­za­ex­te­ri­or­vai­per­den­do for­ça, vais dan­do ca­da vez mais va­lor ao teu in­te­ri­or, à tua sa­be­do­ria, às coi­sas que apren­des­te. E ao lon­go do tem­po vai ga­nhan­do po­der à be­le­za ex­te­ri­or.Qu­an­do­so­mos mui­to no­vas, qu­e­re­mos se­ras­mais­bo­ni­tas.Mas quan­do che­ga­mos aos 40, co­mo eu es­tou, co­me­ças a va­lo­ri­zar ou­tras coi­sas… Mais a qua­li­da­de do que a quan­ti­da­de, e is­so tem a ver com a ida­de.Eis­to­não­quer­di­zer­que­não­se­ja vai­do­sa, cla­ro que sou.

A MÃE É O GRAN­DE PI­LAR

A sua mãe é o mai­or apoio?

É um pi­lar de for­ça na mi­nha vi­da, é a mu­lher da mi­nha vi­da, sem dú­vi­da. A mi­nha mãe é mui­to in­te­li­gen­te e mui­to ta­len­to­sa. Ela é a ver­da­dei­ra ac­triz, é su­per en­gra­ça­da, mui­to ex­pres­si­va, tem um la­do te­a­tral mui­to pre­sen­te ne­la. Aliás, acho que a mi­nha veia ar­tís­ti­ca vem de­la (ri­sos)! Já ser bru­ta e emo­ci­o­nal vem da par­te do meu pai

E o seu pai es­tá pre­sen­te na sua vi­da? Sim, sim, o meu pai es­tá pre­sen­te, es­tá vi­vo. Não é tão pre­sen­te co­mo a mi­nha mãe. São re­la­ções com­ple­ta­men­te di­fe­ren­tes.

Con­si­de­ra-se uma pes­soa agra­de­ci­da ao pú­bli­co que a acom­pa­nha?

Sou, mui­to! Ado­ro o pu­bli­co quan­do no fim do es­pec­tá­cu­lo te­nho as pes­so­as à mi­nha es­pe­ra, a que­re­rem fa­lar co­mi­go. Ado­ro fa­lar com as pes­so­as. Quan­do as pes­so­as me en­con­tram na rua e pe­dem des­cul­pa por me in­co­mo­dar, a mim não me in­co­mo­dam na­da. Acho fun­da­men­tal que os ac­to­res fa­lem com o pú­bli­co e vi­ce-ver­sa.

A ac­triz du­ran­te uma

vi­si­ta à Ma­dei­ra on­de

est­ve a acom­pa­nhar a fei­ra do vi­nho.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.