Lá­gri­mas e me­do

Rui Ma­ria Pê­go es­con­deu du­ran­te mui­tos anos dos pro­ge­ni­to­res que “gos­ta­va de me­ni­nos” e as­su­me que foi um mo­men­to mui­to com­pli­ca­do aque­le em que re­ve­lou à fa­mí­lia a sua ho­mos­se­xu­a­li­da­de

TV Guia - - A Escaldar - TEXTO JO­SÉ LÚCIO DUARTE | FO­TOS D.R.

Um ano de­pois as­su­mir pu­bli­ca­men­te que “gos­ta­va de me­ni­nos”, atra­vés de uma men­sa­gem nas re­des so­ci­ais, após um mas­sa­cre nu­ma dis­co­te­ca gay nos Es­ta­dos Uni­dos, Rui Ma­ria Pê­go, ra­di­a­lis­ta, ac­tor e fi­lho de Júlia Pi­nhei­ro, re­ve­la ago­ra que vi­veu mo­men­tos dra­má­ti­cos du­ran­te os mui­tos anos em que es­con­deu, ou ten­tou es­con­der, que era ho­mos­se­xu­al.

O ani­ma­dor das ma­nhãs da Me­ga Hits, rá­dio do gru­po Re­nas­cen­ça, apro­vei­tou o Dia Na­ci­o­nal do Co­ming Ou, nos EUA, ce­le­bra­do a 11 de Ou­tu­bro, pa­ra re­vi­ver os anos em que es­con­deu que gos­ta­va de pes­so­as do mes­mo se­xo. As­su­me que, en­tre os 12 e os 19 anos, al­tu­ra em que ga­nhou co­ra­gem e re­ve­lou, sem ro­dei­os aos pro­ge­ni­to­res, que era gay, vi­veu anos di­fí­ceis, a con­tro­lar “os ges­tos, os gos­tos, a voz, na es­pe­ran­ça de ser acei­te”.

“Foi as­sim que cres­ci até aos 19 anos quan­do aca­bei por con­tar aos meus pais, la­va­do em lá­gri­mas, cheio de me­do de re­jei­ção e com uma sen­sa­ção de pe­ri­go imi­nen­te, que gos­ta­va de ra­pa­zes. An­tes dis­so con­tei a al­guns ami­gos. E, mais tar­de, às pes­so­as com quem tra­ba­lha­va. Há mui­ta so­li­dão nes­te pro­ces­so. Não é sim­ples e deixa nó­do­as na al­ma du­ran­te anos. No meu ca­so, te­nho a sor­te de vi­ver ro­de­a­do de pes­so­as que me amam. E de ter nas­ci­do de pais que são in­te­li­gen­tes, sen­sí­veis e com a no­ção do que é gos­tar. Di­to is­to: eu não sou es­pe­ci­al. Sou um ho­mem igual a tan­tos ou­tros que tem um me­ga­fo­ne nas mãos. Não fa­zer al­gu­ma coi­sa qua­se nos 30 era vol­tar a con­tri­buir pa­ra a tris­te­za do Rui Ma­ria dos 12 que con­tro­la­va os ges­tos, os gos­tos, a voz, na es­pe­ran­ça de ser acei­te.”

Rui Ma­ria re­co­nhe­ce que ain­da há “mui­to me­do” e “mui­to ódio”. E que, por is­so, é im­por­tan­te não ca­lar. E ten­tar ser fe­liz.

Rui Ma­ria Pê­go, com a mãe e as ir­mãs gé­me­as, con­fes­sa que es­ta­va em lá­gri­mas quan­do ga­nhou co­ra­gem pa­ra

“sair do ar­má­rio”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.