O pi­or da vi­da real

Faz pa­pel de ca­na­lha na no­ve­la Pai­xão, na SIC, mas não quer aca­bar mal. Pa­ra is­so, já lhe bas­ta um pas­sa­do de trai­ções e tris­te­zas de ami­gos

TV Guia - - Estrelas - TEXTO JOÃO BÉNARD GAR­CIA I FO­TOS CORRÊA DOS SAN­TOS E RI­CAR­DO RUELLA

Jo­sé Mas­ca­re­nhas, o pér­fi­do vi­lão de Pai­xão, es­tá a ser um de­sa­fio enor­me pa­ra Marco Delgado, de 44 anos. “Não te­nho es­te la­do tão ne­gro e te­nho que o ir bus­car não sei on­de”, diz o ac­tor, à TV Guia, su­bli­nhan­do já ter si­do, na vi­da real, “ví­ti­ma de ‘vi­la­ni­ces’” da par­te de ami­gos “pi­o­res do que o Zé”. “Mais fal­sos, ma­ni­pu­la­do­res e dis­si­mu­la­dos. Só que não tra­zem es­cri­to ‘mau’ na tes­ta.”

Marco quer um fi­nal di­fe­ren­te pa­ra a sua per­so­na­gem, na no­ve­la da SIC, que es­tre­ou re­cen­te­men­te. O ac­tor, que es­ta­rá “dedicado a 100 por cen­to a es­te pro­jec­to até Ju­nho de 2018”, as­se­gu­ra que “vão sur­gir mui­tas idei­as pa­ra ter­mi­nar com ele”, mas quer dar-lhe um fi­nal fe­liz. “Não que­ria que ele aca­bas­se mal. Sin­ce­ra­men­te, gos­ta­va que o Zé aca­bas­se bem, que não fos­se pu­ni­do pe­lo que faz. Vai ser uma ne­go­ci­a­ção com­pli­ca­da. Mui­tas vezes, na vi­da real, os maus sa­fam-se com um fu­tu­ro ri­so­nho.”

À nos­sa re­vis­ta, Marco Delgado pe­de às au­to­ras, Fi­li­pa Pop­pe e Jo­a­na An­dra­de, pa­ra não aca­bar “bon­zi­nho, nem morto ou na pri­são”. “Gos­ta­va de ser sur­pre­en­di­do.” Pa­ra já, o ac­tor ma­ni­fes­ta­se sa­tis­fei­to com as re­ac­ções pú­bli­cas que tem ti­do por fa­zer de vi­lão no pe­que­no ecrã: “As tra­mas vão co­me­çar a aden­sar-se. Têm-me di­to mal do meu vi­lão, o que é bom. Re­a­gi­rem mal, nes­tes ca­sos, é sempre um elo­gio.”

PI­OR DA­QUI PA­RA A FREN­TE

Não le­van­tan­do mui­to o véu so­bre o que vai acon­te­cer a Jo­sé, Marco ape­nas pro­me­te “uma per­so­na­gem com­ple­xa, in­ten­sa, má e, da­qui pa­ra a fren­te, ca­da vez pi­or”. “Es­tou fe­liz e en­tu­si­as­ma­do. De­sa­fia-me mui­to, en­quan­to ac­tor, por ser uma per­so­na­gem dra­má­ti­ca e den­sa emo­ci­o­nal­men­te. Es­tou a ado­rar fa­zer es­te trabalho.”

NA INTIMIDADE

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.