AS­SAL­TO às tar­des da SIC

A vi­da da apre­sen­ta­do­ra es­tá mar­ca­da por vá­ri­os dra­mas que fo­ram su­pe­ra­dos. E é as­sim que ela quer os con­vi­da­dos pa­ra o no­vo pro­jec­to. Ri­cos em his­tó­ri­as

TV Guia - - RENTRÉE ESCALDANTE - TEX­TO HU­GO AL­VES | FOTOS LILIANA PE­REI­RA E RI­CAR­DO RUELLA

Jú­lia Pinheiro aban­do­nou no dia 11 de Se­tem­bro o pro­gra­ma Qu­e­ri­das Ma­nhãs com o ob­jec­ti­vo de, em Ou­tu­bro, abra­çar um no­vo de­sa­fio nas tar­des da SIC. Um de­sa­fio que Daniel Oli­vei­ra, o no­vo di­rec­tor-ge­ral de En­tre­te­ni­men­to, ga­ran­te que vai ser di­fe­ren­te de tu­do o que já foi fei­to. Pa­ra já, o que foi tor­na­do pú­bli­co é que Jú­lia – as­sim se cha­ma o pro­jec­to – se­rá um pro­gra­ma de his­tó­ri­as. “Vai ser um bom mo­men­to de en­tre­te­ni­men­to e mais não di­go”, pro­te­ge a apre­sen­ta­do­ra.

Ape­sar dis­so, a TV Guia ex­pli­ca-lhe já o que aí vem. “Vai ser um pro­gra­ma de re­por­ta­gens, his­tó­ri­as e en­tre­vis­tas, com ên­fa­se no se­xo fe­mi­ni­no. Com mui­to bom hu­mor e pré­mi­os. Um pou­co co­mo é a re­vis­ta Jú­lia. E com fa­mo­sos a um dia es­pe­cí­fi­co. Com uma en­tre­vis­ta lon­ga, de vi­da”, re­ve­la fon­te da es­ta­ção de Car­na­xi­de.

JÚ­LIA PINHEIRO TAM­BÉM TEM HIS­TÓ­RI­AS

Um pro­gra­ma à ima­gem de Jú­lia Pinheiro que, na apre­sen­ta­ção da no­va gre­lha do ca­nal, deu a co­nhe­cer um pou­co da sua vi­da mar­ca­da por vá­ri­os dra­mas. “A mi­nha vi­da co­me­çou lo­go com um pre­nún­cio de mor­te. As pes­so­as es­ta­vam to­das pre­o­cu­pa­das com a mi­nha avó, que vi­via con­nos­co e ti­nha um pro­ble­ma car­día­co com­pli­ca­do, que a le­vou pou­co de­pois a mor­rer no­vís­si­ma. Por­tan­to, quan­do nas­ci, em­bo­ra fos­se ama­da, ha­via uma ur­gên­cia à mi­nha vol­ta”, con­ta à TV Guia. Ain­da as­sim, a es­tre­la da SIC ga­ran­te que não foi ne­gli­gen­ci­a­da. “Na­da, mas fi­quei em se­gun­do pla­no. Tam­bém da­das as cir­cuns­tân­ci­as era nor­mal. Há 40 ou 50 anos era nor­mal que as cri­an­ças não fos­sem as rai­nhas da ca­sa”, re­cor­da. Jú­lia tam­bém não foi uma jo­vem fá­cil. “Fui uma ado­les­cen­te re­bel­de tal­vez por­que ti­nha um pai mui­to dis­ci­pli­na­dor e, até aos 18 anos, não ia a la­do ne­nhum, es­pe­ci­al­men­te à noi­te. E es­tá­va­mos sem­pre às tur­ras por is­so”, con­ta. “A mi­nha mãe por ou­tro la­do foi sem­pre du­ra em ma­té­ria vo­ca­ci­o­nais. Re­lem­bro que não sou ar­queó­lo­ga por­que ela não me dei­xou. Ou se­ja, os meus pais, até aos meus 20 anos agar­ra­ram-me com unhas e den­tes. E se não ti­ves­se ca­sa­do…” Eo­ma­ri­do, Rui Pê­go, te­ve que ser mui­to per­su­a­sor. “Sem­pre dis­se aos meus pais que ja­mais ca­sa­ria, que ja­mais te­ri­am uma fes­ta, bo­da, e até ne­tos. Até que, o meu ma­ri­do ga­nhou pe­la in­sis­tên­cia. Ele foi um gran­de atle­ta. Ba­ta­lhou bem.” ●

Fran­cis­co Balsemão, o CEO da Em­pre­sa à con­ver­sa com Jú­lia Pinheiro que ti­nha aca­ba­do de fa­lar com Daniel Oli­vei­ra,o di­rec­tor-ge­ral da SIC.

Jú­lia Pinheiro es­tá fe­liz com o de­sa­fio que vai ter àstar­des.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.