“Ele so­bre­vi­ve à con­ta do nos­so FRA­CAS­SO”

TV Guia - - REALITY TV TVI - TEX­TO CA­RO­LI­NA PIN­TO FER­REI­RA | FOTOS D.R.

O res­tau­ran­te de Ma­nu­el Ca­ne­la foi um dos mais po­lé­mi­cos da pri­mei­ra edi­ção de Pesadelo na Co­zi­nha. Mais de um ano de­pois, o pro­pri­e­tá­rio dis­pa­ra em to­das as di­rec­ções. Des­ven­da que pas­sou ne­ces­si­da­de e que o ju­gos­la­vo lhe es­tra­gou o ne­gó­cio. Acu­sa ain­da a pro­du­ção de ma­ni­pu­la­ção

Es­te foi um dos res­tau­ran­tes mais mar­can­tes da pri­mei­ra tem­po­ra­da de Pesadelo na Co­zi­nha, trans­mi­ti­do em Abril de 2017. O Ca­ne­la, lo­ca­li­za­do no bair­ro de Cam­po­li­de, Lis­boa, foi apon­ta­do co­mo um dos pi­o­res da edi­ção. A exis­tên­cia de ba­ra­tas e a su­ji­da­de ex­tre­ma le­va­ram Ljubomir Stanisic à lou­cu­ra. O chef e a equi­pa da pro­du­to­ra, na al­tu­ra, clas­si­fi­ca­ram es­te es­ta­be­le­ci­men­to co­mo “o mais no­jen­to e in­ten­so de to­da a tem­po­ra­da”. Mais de um ano de­pois da trans­mis­são do pro­gra­ma, a TV Guia en­trou em con­tac­to com o pro­pri­e­tá­rio do res­tau­ran­te, Ma­nu­el Ca­ne­la, que che­gou a ver o seu es­ta­be­le­ci­men­to fe­cha­do pe­la ASAE du­ran­te 9 me­ses, mui­to por cul­pa da par­ti­ci­pa­ção em Pesadelo na Co­zi­nha. Ago­ra, con­si­de­ra que “foi uma ex­pe­ri­ên­cia mui­to ne­ga­ti­va” e em na­da man­tém os con­se­lhos do con­cei­tu­a­do chef. Nem mes­mo a emen­ta su­ge­ri­da pe­lo ju­gos­la­vo: “Is­to não é sí­tio pa­ra as re­cei­tas de­le. As pes­so­as que aqui vêm que­rem é co­mi­da mi­nho­ta. Aliás, con­vi­do-o a vir aqui fa­zer os pra­tos de­le pa­ra ver se re­sul­ta. São bons é pa­ra even­tos. Se con­ti­nu­as­se com aque­la emen­ta, já ti­nha fe­cha­do de cer­te­za”, afir­ma. Aber­to há 9 me­ses, de­pois de ter fei­to as re­mo­de­la­ções, Ma­nu­el Ca­ne­la con­fes­sa que “tem si­do mui­to

di­fí­cil re­er­guer o ne­gó­cio” de­pois de ter par­ti­ci­pa­do no pro­gra­ma da TVI e que es­pe­ra­va que a pro­du­to­ra ti­ves­se fei­to mais obras no res­tau­ran­te: “Es­ta­va à es­pe­ra que fi­zes­sem mais. Nes­se as­pec­to, o pro­gra­ma foi um bar­re­te!”

“DESLIGARAM OS FRI­GO­RÍ­FI­COS”

Pa­ra qu­em as­sis­tiu, man­tém-se na me­mó­ria a imun­di­ce e o an­tro de su­ji­da­de que era O Ca­ne­la. Mas o pro­pri­e­tá­rio ga­ran­te à TV Guia que o que se pô­de ver na­que­las ima­gens são con­sequên­cia das “ar­ma­ções da pro­du­ção”. “Aqui­lo foi tu­do fei­to! Não me dei­xa­ram lim­par o res­tau­ran­te na vés­pe­ra do pro­gra­ma. Fi­ze­ram o que qui­se­ram. Fo­ram do­nos do meu res­tau­ran­te por dois di­as”. Ma­nu­el Ca­ne­la vai ain­da mais lon­ge e acu­sa a Shi­ne Ibe­ria de lhe ter es­tra­ga­do a co­mi­da pa­ra o efei­to que pre­ten­di­am: “Desligaram-me os fri­go­rí­fi­cos, não me dei­xa­ram ven­der um ca­bri­to por­que di­zi­am que es­ta­va es­tra­ga­do e man­da­ram-me pre­pa­rar um prato de um dia pa­ra o ou­tro. Ele sa­bia que o fran­go ti­nha si­do fei­to de vés­pe­ra e agiu co­mo se não sou­bes­se. Foi uma gran­de ar­ma­di­lha. Cor­re­ram co­mi­go do res­tau­ran­te. Quan­do vol­tei pa­ra fil­mar, es­ta­va tu­do imun­do.”

“PAS­SEI DI­FI­CUL­DA­DES”

Re­vol­ta­do com os es­tra­gos que so­freu na sua vi­da, Ma­nu­el Ca­ne­la acu­sa Ljubomir Stanisic: “Ele so­bre­vi­ve à con­ta do nos­so fra­cas­so e ne­ces­si­da­des. Mas não era um chef da­que­les que vi­nha mu­dar a mi­nha vi­da. Qu­e­ro é que ele te­nha mui­ta sor­te” Nos me­ses se­guin­tes à trans­mis­são do pro­gra­ma, Ma­nu­el Ca­ne­la afir­ma que não pas­sou por mo­men­tos fá­ceis. De­pois de ver o seu res­tau­ran­te ser fe­cha­do, o pro­pri­e­tá­rio foi obri­ga­do a fa­zer obras, al­go que afir­ma que “já ti­nha em pen­sa­men­to há al­gum tem­po”. No en­tan­to, es­tas mo­di­fi­ca­ções fi­ze­ram com que ti­ves­se o es­ta­be­le­ci­men­to fe­cha­do du­ran­te 9 me­ses, o que fez com que a sua si­tu­a­ção fi­nan­cei­ra se tor­nas­se um ver­da­dei­ro ca­os. “Foi avas­sa­la­dor eco­no­mi­ca­men­te mas en­ten­di que qu­e­ria fa­zer as obras à mi­nha ma­nei­ra, e fiz! Pas­sei di­fi­cul­da­des. Ima­gi­ne, ti­ve a ca­sa fe­cha­da e, pa­ra além dis­so, são 4 ou 5 ca­be­ças a co­mer, em­pre­ga­dos a qu­em te­nho que pa­gar…” ●

De­pois do pro­gra­ma, O Ca­ne­la es­te­ve fe­cha­do du­ran­te 9 me­ses pa­ra obras. Es­ta era a fa­cha­daan­ti­ga.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.