“Quan­do te­mos su­ces­so ata­ca-se pa­ra DES­TRUIR”

TV Guia - - PROTAGONISTA - TEX­TO JOÃO BENÁRD GAR­CIA I FOTOS PEDRO CA­TA­RI­NO

“É pá, cri­ti­quem-me por ser feio, por ser gor­do, por não gos­ta­rem de me ou­vir can­tar… mas não por men­ti­ras”, re­a­ge o po­pu­lar ar­tis­ta, em ex­clu­si­vo à TV Guia, de­pois de uma ci­ber­nau­ta o ter acu­sa­do de ter can­ta­do em­bri­a­ga­do e de ter fei­to play­back. Pa­ra que não res­tem dú­vi­das, o can­tor des­ven­da qu­an­to co­me e qu­al a do­se de vi­nho que in­ge­re an­tes de ca­da es­pec­tá­cu­lo. E fa­la de “in­ve­ja” e “ig­no­rân­cia”

Es­ta­va al­co­o­li­za­do quan­do deu o con­cer­to em Sa­ri­lhos Pe­que­nos, na Moita? Não, não es­ta­va al­co­o­li­za­do. Is­so foi uma pes­soa, en­tre mi­lha­res das que as­sis­ti­ram ao con­cer­to, que fez um co­men­tá­rio mais in­fe­liz no Fa­ce­bo­ok. Foi ape­nas uma, mas sen­tiu-se ma­go­a­do e res­pon­deu-lhe. Sim, dis­se-lhe que po­de­mos gos­tar ou não gos­tar das mú­si­cas ou do con­cer­to, mas de­ve­mos fa­zer crí­ti­cas cons­tru­ti­vas. Te­nho mais de três mil te­mas ori­gi­nais, en­tre es­cri­tos e gra­va­dos, fiz A Tua Ca­ra Não Me É Es­tra­nha, na TVI, e can­to ver­sões de mú­si­cas es­tran­gei­ras. É pá... co­lo­car 30 anos de car­rei­ra num úni­co con­cer­to não é fá­cil e nem tu­do agra­da a to­dos.

Mas não foi por is­so que o cri­ti­ca­ram. Pois não. Ago­ra acu­sa­rem-me, de for­ma men­ti­ro­sa, de es­tar al­co­o­li­za­do em pal­co, is­so não acei­to.

Foi tam­bém acu­sa­do de ter fei­to play­back de al­gu­mas mú­si­cas. Can­tou em play­back?

Pre­fi­ro mor­rer a can­tar em play­back. Às ve­zes es­tou pi­or da voz, mas fa­ço tu­do pa­ra can­tar ao vi­vo. Nun­ca fiz is­so. Nun­ca en­ga­nei nin­guém. Mes­mo quan­do es­tou qua­se afó­ni­co, e já me acon­te­ceu – tam­bém me cons­ti­po, não sou Deus –, can­to sem­pre ao vi­vo. O que se pas­sou en­tão no con­cer­to de Sa­ri­lhos Pe­que­nos? Es­ta­va mais ex­ci­ta­do, mais agi­ta­do do que o nor­mal e foi is­so que le­vou ao co­men­tá­rio?

Na­da! Es­ta­va per­fei­ta­men­te nor­mal. Gos­ta­va que per­gun­tas­sem aos mem­bros da co­mis­são de fes­tas o que jan­tei e be­bi ao jan­tar. Es­sas pes­so­as são as tes­te­mu­nhas da ver­da­de. Qu­em ti­ver pro­vas do que diz que as apre­sen­te. Ago­ra, in­si­nu­a­ções pa­ra ven­der ma­te­ri­al jor­na­lís­ti­co é que não. Es­tá a re­fe­rir-se aos ecos que o co­men­tá­rio e a sua res­pos­ta ti­ve­ram na im­pren­sa es­cri­ta?

Cla­ro. Is­so é mui­to tris­te e qu­em o fez foi mui­to in­fe­liz. Des­de quan­do é que um pro­fis­si­o­nal de co­mu­ni­ca­ção trans­for­ma uma in­si­nu­a­ção num fac­to e o dá co­mo ver­da­dei­ro? Res­pon­di a es­ta in­si­nu­a­ção nas re­des so­ci­ais por­que qu­em não se sen­te não é fi­lho de boa gen­te. Cri­ti­quem-me por ser feio, por ser gor­do, por não gos­ta­rem de me ou­vir can­tar… mas não por men­ti­ras.

En­tão por que acha que in­ven­ta­ram es­sa men­ti­ra?

Não sei, te­rão que per­gun­tar a qu­em a in­ven­tou. Pa­ra mim, qu­em é mentiroso só o é por du­as or­dens de ra­zão: ou é ig­no­ran­te ou in­ve­jo­so. No pro­gra­ma A Tua Ca­ra Não Me É Es­tra­nha nun­ca es­con­deu o fac­to de ter le­va­do pa­ra o es­tú­dio vá­ri­as gar­ra­fas de vi­nho da Ca­sa Er­me­lin­da Frei­tas, de que é em­bai­xa­dor, e de o ter par­ti­lha­do com os co­le­gas an­tes e após as gra­va­ções. Acha que is­so aju­dou a cri­ar na opi­nião pú­bli­ca a ideia de que o can­tor Toy be­be an­tes dos es­pec­tá­cu­los e te­rá ser­vi­do de com­bus­tí­vel pa­ra es­te ti­po de in­si­nu­a­ções? Eu pre­fi­ro ser au­tên­ti­co e ser cri­ti­ca­do pe­la mi­nha au­ten­ti­ci­da­de do que ser cí­ni­co e mentiroso e ser le­va­do em om­bros. Não es­con­do de nin­guém que gos­to de bom vi­nho, de boa co­mi­da, de mu­lhe­res bo­ni­tas, de tou­ra­das, de gen­te boa. Es­tá tu­do no mes­mo con­tex­to. E den­tro des­se con­tex­to não quer di­zer que, pe­lo fac­to de gos­tar de mu­lhe­res bo­ni­tas, te­nha de trair a mi­nha com qual­quer mu­lher bo­ni­ta que ve­ja. O fac­to de gos­tar de bom vi­nho não sig­ni­fi­ca que te­nha de me em­be­be­dar. Ou que por gos­tar de co­mi­da te­nha de co­mer que nem uma bes­ta an­tes de en­trar em pal­co.

Mas nun­ca be­be vi­nho an­tes de en­trar em pal­co?

Não vou men­tir: co­mo mui­to pou­co e be­bo meio co­po de vi­nho ou um co­po se o vi­nho for mui­to bom, na­da mais. Is­so, não es­con­do. Ago­ra trans­for­má-lo nu­ma ques­tão mun­di­al e dar-lhe hon­ras de ca­pa de re­vis­ta é ri­dí­cu­lo. Quan­do uma pes­soa tem su­ces­so na vi­da ata­ca-se por in­ve­ja e pa­ra des­truir.

En­tão acha que o enor­me su­ces­so que es­tá a vi­ver nes­te mo­men­to é a raiz de tu­do is­to?

Quan­do ti­nha cin­co anos apren­di uma can­ção que re­za­va as­sim: ‘Se um ele­fan­te in­co­mo­da mui­ta gen­te, dois ele­fan­tes in­co­mo­dam mui­to mais’ e três en­tão… A for­ma gran­de das coi­sas in­co­mo­da. Is­to é me­ta­fo­ri­ca­men­te o que

“Pre­fi­ro ser au­tên­ti­co e ser cri­ti­ca­do pe­la mi­nha au­ten­ti­ci­da­de do que ser cí­ni­co e mentiroso e ser le­va­do em om­bros”

se es­tá a pas­sar.

No seu ca­so, fa­la­ria com a pes­soa an­tes de ti­rar uma con­clu­são...

Co­mo acon­te­ceu co­mi­go e es­te co­men­tá­rio ne­ga­ti­vo foi de uma pes­soa en­tre as dez mil que es­ta­vam em Sa­ri­lhos Pe­que­nos. Gos­to das pes­so­as, não te­nho na­da con­tra qu­em tem opi­niões di­fe­ren­tes das mi­nhas.

Acha que es­sa pes­soa es­tá a que­rer des­truir a sua re­pu­ta­ção?

Não fa­ço acu­sa­ções.

Mas tem no­ção dos da­nos que is­to lhe po­de pro­vo­car?

Se ca­lhar pro­vo­ca al­guns da­nos, mas só acre­di­ta em men­ti­ras qu­em é par­vo. Ain­da acre­di­to no dis­cer­ni­men­to do po­vo por­tu­guês.

Vai agir ju­di­ci­al­men­te con­tra qu­em o di­fa­mou nas re­des so­ci­ais?

Quan­do al­guém in­si­nua e diz: “Eu acho que…” ju­di­ci­al­men­te não se po­de agir. Pos­so, qu­an­to mui­to, ma­ni­fes­tar-me em re­la­ção àqui­lo que leio. Não sou um ga­ro­to com 15 anos de ida­de, te­nho 55 anos, te­nho uma car­rei­ra e uma vi­da cheia que fa­la por mim.

O FI­LHO BASTARDO E HA­XI­XE NO NA­TAL

E com al­gu­mas po­lé­mi­cas, co­mo a his­tó­ria do fi­lho bastardo, por exem­plo. Sim, é ver­da­de. Ti­ve du­ran­te oi­to anos um fi­lho que nem era meu. Es­cre­ve­ram tu­do o que lhes ape­te­ceu, nun­ca me­ti nin­guém em tri­bu­nal, ape­sar de te­rem si­do de­sa­gra­dá­veis. Ti­ve sem­pre o cui­da­do de nun­ca pro­ces­sar um jornalista que es­cre­veu so­bre um fi­lho que ti­ve du­ran­te oi­to anos e que não era meu. Ti­ve que me aguen­tar. Ti­ve nes­se pe­río­do um AVC por­que ti­ve o sis­te­ma ner­vo­so al­te­ra­do por cau­sa de uma men­ti­ra in­dig­na, mas aguen­tei-me. Por amor de Deus, se­jam ho­nes­tos: Se qui­se­rem sa­ber se en­tro em pal­co al­co­o­li­za­do per­gun­tem às câ­ma­ras mu­ni­ci­pais, às jun­tas de fre­gue­si­as, às co­mis­sões de fes­tas, aos em­pre­sá­ri­os. Eles que di­gam se me vi­ram can­tar bê­be­do.

Acha que es­tá a ser ví­ti­ma da sua fran­que­za? Fa­la sem­pre dos te­mas com aber­tu­ra, co­mo acon­te­ceu com o fac­to de fu­mar ha­xi­xe no Na­tal em fa­mí­lia…

Eu não fu­mo, nem fu­mo ha­xi­xe. Se ti­ver ha­xi­xe me­di­ci­nal gos­to de dar du­as ou três pas­sas e par­ti­lhar com qu­em es­ti­ver co­mi­go no Na­tal. Além dis­so, não fu­mo ci­gar­ros, não to­mo dro­gas, não to­mo an­ti­de­pres­si­vos, não to­mo com­pri­mi­dos pa­ra dor­mir, nem pa­ra as do­res. Não sou dro­ga­do. Be­bo um bom vi­nho. Se for mau pre­fi­ro be­ber

água. De­pois dos es­pec­tá­cu­los gos­to de be­ber uma boa aguar­den­te ve­lha ou um bom vi­nho do Por­to, co­mer um bom lei­tão ou umas sar­di­nhas as­sa­das. Com a mi­nha pos­tu­ra apoio a gas­tro­no­mia por­tu­gue­sa e um dos me­lho­res pro­du­tos de ex­por­ta­ção que te­mos em Por­tu­gal – o vi­nho, que é cul­tu­ra. Es­tas pes­so­as de­vi­am ter ver­go­nha de man­dar abai­xo qu­em de­fen­de, co­mo eu, a cul­tu­ra e os pro­du­tos ge­nui­na­men­te por­tu­gue­ses.

O fac­to de ser tão aber­to a fa­lar de si, da sua vi­da, dos seus gos­tos, es­tá nes­te mo­men­to a vi­rar-se con­tra si e a pre­ju­di­cá-lo, com in­si­nu­a­ções co­mo es­ta?

Há dois ti­pos de cor­no: o que é e pre­fe­re ig­no­rar e o que quer sa­ber e pôr as car­tas na me­sa. Pa­ra mim a ver­da­de es­tá co­mo o azei­te – sem­pre aci­ma de tu­do. Doa a qu­em do­er, pre­fi­ro uma ver­da­de fi­lha da pu­ta a uma men­ti­ra do­ce.

Não vai pas­sar a ser mais cau­te­lo­so com o que diz ou faz?

Não, an­tes pe­lo con­trá­rio. Pos­so ser acu­sa­do de ser mui­to fron­tal, mas é uma acu­sa­ção que me dei­xa or­gu­lho­so. Vou con­ti­nu­ar igual a mim pró­prio até ao fim. Quan­do mor­rer qu­e­ro que di­gam: ‘Es­te não men­tiu,

não omi­tiu. Es­te que es­tá no cai­xão foi sem­pre ver­da­dei­ro. Vi­veu a sua vi­da, não pre­ju­di­cou nin­guém e foi so­li­dá­rio’.

Co­mo é que o Toy tem si­do so­li­dá­rio? As pes­so­as são ca­pa­zes de fa­zer co­men­tá­ri­os so­bre mim, so­bre coi­si­nhas de mer­da, mas são in­ca­pa­zes de di­zer que aju­do bom­bei­ros e IPSS, mi­se­ri­cór­di­as, as­so­ci­a­ções de pais e ami­gos de cri­an­ças com can­cro… Es­ses é que são im­por­tan­tes. Des­ses as­sun­tos nin­guém fa­la, nem eu. Pou­cos sa­bem dis­to e só o es­tou a re­ve­lar ago­ra por­que faz par­te do con­tex­to des­ta con­ver­sa. ●

“Não es­con­doque gos­to de bom vi­nho, de boa co­mi­da, de mu­lhe­resbo­ni­tas, de tou­ra­das, de gen­te boa”

Toy com os seus cães de es­ti­ma­ção Da­no­ni­nhoe Oreo.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.