“O ca­mi­nho cer­to não é FA­MA e DINHEIRO”

A seis me­ses de inau­gu­rar a sua sa­la de es­pec­tá­cu­los em Lu­an­da, o men­tor do The Voi­ce diz por­que es­tá mais cal­mo no pro­gra­ma da RTP, fa­la de so­nhos es­tra­tos­fé­ri­cos, de co­mo Ma­dli­ce o sal­va de “na­ve­gar na mai­o­ne­se” e anun­cia que vol­tar a ser pai é um de­se

TV Guia - - PROTAGONISTA - TEXTO JOÃO BÉNARD GARCIA I FOTOS LILIANA PEREIRA

Sa­be­mos que es­tá cheio de pro­jec­tos, em es­pe­ci­al em An­go­la. Qu­er re­ve­lar-nos o que se vai pas­sar em bre­ve? Te­nho as gra­va­ções do The Voi­ce, em No­vem­bro te­rei dois con­cer­tos em In­gla­ter­ra, em Lon­dres e em Man­ches­ter, e em No­vem­bro vou co­me­çar a gra­var al­guns vi­de­o­cli­pes pa­ra o no­vo ál­bum. De­pois, re­gres­so pa­ra as ga­las do The Voi­ce. On­de vai gra­var os vi­de­o­cli­pes? Em Por­tu­gal, e ain­da me fal­tam gra­var cin­co.

Mas vai es­tar mais au­sen­te de Por­tu­gal nos pró­xi­mos me­ses pa­ra pre­pa­rar um pro­jec­to mui­to es­pe­ci­al. Qu­er con­tar-nos?

É uma coi­sa em gran­de, já an­do a tra­ba­lhar nis­so há dois anos. É uma sa­la de es­pec­tá­cu­los pa­ra du­as mil e qui­nhen­tas pes­so­as, cri­a­da de raiz. Com­prá­mos o ter­re­no e tem pro­jec­to pró­prio.

Em que zo­na de Lu­an­da?

Na no­va ci­da­de de Ki­lam­ba [a 40 km do cen­tro da ca­pi­tal]. Va­mos ten­tar inau­gu­rá-la em Mar­ço ou Maio do pró­xi­mo ano, por­que em Abril cho­ve mui­to em Lu­an­da.

O ob­jec­ti­vo des­sa sa­la é o de dar pal­co aos ar­tis­tas an­go­la­nos? Exac­ta­men­te. Acho que nes­te mo­men­to só te­mos uma sa­la acus­ti­ca­men­te pre­pa­ra­da pa­ra sa­la de es­pec­tá­cu­los. Tal­vez o Ci­ne Atlân­ti­co te­nha con­di­ções acei­tá­veis em ter­mos de som, mas es­tá lon­ge de ser uma boa sa­la em ter­mos acús­ti­cos.

Co­mo sur­giu es­sa ideia?

Co­me­çou de­pois de um de­sas­tre. Ti­ve o so­nho de ter lá uma fá­bri­ca de CD e de, ao la­do, ins­ta­lar uma em­pre­sa de dis­tri­bui­ção. Che­guei a ter a fá­bri­ca em An­go­la, só que, in­fe­liz­men­te, há dois anos, aqui­lo ar­deu tu­do com um in­cên­dio no ar­ma­zém.

Bem, é pre­ci­so ter azar.

Olha, as coi­sas acon­te­cem. Não po­de­mos pen­sar que por ha­ver di­fi­cul­da­des não con­se­gui­re­mos al­can­çar o so­nho ou pen­sar que ele não é pa­ra nós. Es­tá­va­mos a cons­truir vá­ri­as lo­jas que se­ri­am as­sim uma es­pé­cie de pe­que­nas FNAC ou Wor­ten, num con­cei­to mais pe­que­no, pa­ra dis­tri­buir li­vros e CD.

Uma es­pé­cie de shop­ping de mú­si­ca? Mas não só. Em An­go­la te­mos um gran­de dé­fi­ce de dis­tri­bui­ção de ar­te em ge­ral. Que­ria dis­tri­buir li­te­ra­tu­ra

an­go­la­na, mú­si­ca an­go­la­na, ar­tes plás­ti­cas. Por­tu­gal tem a Ca­sa do Ar­tis­ta e a nos­sa ideia é cha­mar-lhe a Lo­ja do Ar­tis­ta, por­que é ali que as pes­so­as po­dem ir com­prar o mer­chan­di­sing do seu ar­tis­ta fa­vo­ri­to.

Só que de­pois veio o fo­go...

... E a fá­bri­ca foi-se. E foi de­pois des­te per­cal­ço que co­me­çou a nas­cer a ideia de fa­zer um pro­jec­to mais vi­ra­do pa­ra sa­la de es­pec­tá­cu­los. Con­ti­nuo a ter a lo­ja e a dis­tri­bui­ção e em bre­ve vou inau­gu­rar a sa­la.

Apos­to que a inau­gu­ra­ção se­rá fei­ta com um con­cer­to seu.

[Ri­sos] Já pen­sá­mos nis­so. Acha­mos que faz sen­ti­do.

Até por­que o An­sel­mo é o men­tor do pro­jec­to.

Exac­to. É um pro­jec­to meu e da mi­nha em­pre­sa, em con­jun­to com a mi­nha es­po­sa. Ela é a gran­de in­cen­ti­va­do­ra pa­ra o An­sel­mo avan­çar com es­tes pro­jec­tos? É, mas nor­mal­men­te quan­do es­tou a so­nhar com gran­des pro­jec­tos ela não me li­ga. Quan­do lhe co­me­cei a di­zer: ‘Va­mos fa­zer uma gran­de sa­la de es­pec­tá­cu­los’, bem, ela fez ca­ra de ‘O An­sel­mo já es­tá a na­ve­gar na mai­o­ne­se’, mas de­pois, quan­do as coi­sas co­me­ça­ram a acon­te­cer, in­te­res­sou-se. É mui­to boa ges­to­ra. Mui­to pé no chão. Eu vi­a­jo na re­a­li­da­de, mas vi­a­jo mui­to na mi­nha ima­gi­na­ção. Es­tou sem­pre a que­rer coi­sas qua­se im­pos­sí­veis e ela é mui­to re­a­lis­ta. Os so­nhos de­la são mui­to re­a­li­zá­veis e os meus são es­tra­tos­fé­ri­cos [ri­sos].

E já de­ci­di­ram dar à sa­la de es­pec­tá­cu­los o seu no­me?

Não, por aca­so não. Ain­da não de­ci­di­mos, mas te­mos um no­me pen­sa­do… Aqui­lo, pa­ra nós, é a Ca­sa do Ar­tis­ta, que tem a lo­ja e um snack-bar as­so­ci­a­do ti­po Hard Rock Ca­fé, mas li­ga­do à mú­si­ca an­go­la­na, aos ar­tis­tas de An­go­la e à nos­sa cul­tu­ra mu­si­cal. Es­ta­mos a ne­go­ci­ar pa­ra ter a sa­la as­so­ci­a­da a uma mar­ca, mas se não ti­ver mar­ca ain­da pos­so pôr o no­me An­sel­mo.

Es­tá em aber­to, mas gos­ta­va de ter uma sa­la em Lu­an­da com o seu no­me. Gos­ta­va, gos­ta­va. Só que acho que é um pou­co cons­tran­ge­dor pa­ra ou­tros ar­tis­tas irem can­tar a uma sa­la com o meu no­me. Pen­so que se o Ma­ti­as Da­má­sio for lá dar um con­cer­to é o mo­men­to de­le. Fi­ca­va es­tra­nho anun­ci­ar-se que Ma­ti­as Da­má­sio ia dá um con­cer­to na Sa­la An­sel­mo Ralph, não dei­xa o ar­tis­ta bri­lhar.

Es­sa es­tra­nhe­za é uma boa dei­xa pa­ra lhe per­gun­tar co­mo é que é a re­la­ção en­tre os ar­tis­tas an­go­la­nos. Há mui­ta com­pe­ti­ção? Já hou­ve mais, mas há mui­ta com­pe­ti­ção. Ho­je, com a cri­se eco­nó­mi­ca, nós, ar­tis­tas, co­me­çá­mos a per­ce­ber que é im­por­tan­te es­tar­mos uni­dos. Te­nho pa­ra mim que as di­fi­cul­da­des são a me­lhor ma­nei­ra de fa­zer uma pes­soa pen­sar.

Mas, an­tes da cri­se, ha­via mui­ta in­ve­ja por­que um ou­tro ar­tis­ta bri­lha­va mais?

Sim, mas tu­do is­so é re­fle­xo da nos­sa so­ci­e­da­de. Até cer­to pon­to, na cul­tu­ra an­go­la­na os nos­sos mú­si­cos can­ta­vam por amor e di­fi­cil­men­te vi­vi­am da mú­si­ca. A par­tir de 2000 e de 2005, co­me­çou a ha­ver mui­ta gen­te a vi­ver e a ga­nhar com a mú­si­ca, e prin­ci­pal­men­te a par­tir da fa­se de ou­ro de An­go­la, que foi en­tre 2008 e 2011. De­pois as coi­sas com­pli­ca­ram-se.

Tem co­le­gas que não lhe fa­lam por­que tem su­ces­so? Eram seus ami­gos e dei­xa­ram de lhe fa­lar? É di­fí­cil fa­lar de mim, mas na boa, pa­ra dei­xa­rem de fa­lar co­mi­go é mui­to di­fí­cil. Por mais coi­sas que di­gam ou que eu sai­ba coi­sas, vou es­tar sem­pre na boa a fa­lar e a cum­pri­men­tar as pes­so­as. Não po­nho com­bus­tí­vel nas in­tri­gas nem ali­men­to ini­mi­za­des.

Mas sa­be que há con­ver­sas e in­ve­jas?

Sim, cla­ro que sei, mas não li­go. O An­sel­mo afir­mou-se co­mo can­tor em An­go­la, mas de­pois deu o sal­to pa­ra o mer­ca­do eu­ro­peu e fez car­rei­ra em Por­tu­gal. Cá sen­te tam­bém es­sa com­pe­ti­ção?

Sim, cla­ro. Quan­do en­trei no mer­ca­do por­tu­guês, em 2011, fi­quei es­pan­ta­do por­que não se to­ca­va mui­ta mú­si­ca por­tu­gue­sa e os ído­los por­tu­gue­ses que to­ca­vam na rá­dio era mal­ta mais ve-

“Por mais coi­sas que di­gam ou que eu sai­ba coi­sas, vou es­tar sem­pre na boa a fa­lar e a cum­pri­men­tar as pes­so­as. Não po­nho com­bus­tí­vel

nas in­tri­gas”

lha, a mai­o­ria com mais de 20 anos de car­rei­ra.

Não se ti­nha fei­to a re­no­va­ção ge­ra­ci­o­nal de for­ma vi­sí­vel.

Pois, não que se­ja mau te­rem car­rei­ras lon­gas, mas acho que tem de ha­ver um pou­co de tu­do: mal­ta mais ve­lha e jo­vens em co­me­ço de car­rei­ra com opor­tu­ni­da­des. Nes­tes úl­ti­mos cin­co a três anos, te­mos ti­do mui­tos bons no­mes jo­vens a apa­re­cer. An­tes dis­so nem cin­co ha­via, con­ta­va-se pe­los de­dos de uma mão os que ti­nham no­to­ri­e­da­de e que sin­gra­vam na mú­si­ca. Tam­bém acon­te­ce apa­re­ce­rem jo­vens com qua­li­da­de nes­tes pro­gra­mas de ta­len­to co­mo o The Voi­ce e de­pois nin­guém pe­ga ne­les, nem os au­to­res, nem as edi­to­ras, nin­guém os cha­ma.

Is­so es­tá a mu­dar. E des­cul­pem-me lá, mas acho que a cul­pa não é das edi­to­ras. Es­pe­ro não ser ba­ni­do por cau­sa do que vou di­zer, mas acho que a cul­pa é das rá­di­os. A mú­si­ca an­go­la­na cres­ceu mui­to lá de­pois de uma mu­dan­ça… Nós te­mos um pro­vér­bio em An­go­la que diz: ‘O ca­bo-ver­di­a­no can­ta, o an­go­la­no dan­ça e o mo­çam­bi­ca­no ba­te pal­mas’ e o que acon­te­cia é que, an­tes, nós con­su­mía­mos mui­ta mú­si­ca bra­si­lei­ra e ca­bo-ver­di­a­na e a mú­si­ca an­go­la­na qua­se que não ti­nha ex­pres­são. Acon­te­ceu uma de­ci­são do Mi­nis­té­rio da Cul­tu­ra que de­ter­mi­nou que 90% da mú­si­ca pas­sa­da na rá­dio de­ve­ria ser an­go­la­na.

Te­ve de se im­por por de­cre­to.

Sim, te­ve que se im­por uma re­gra e de­pois dis­so cres­ceu e as pes­so­as têm or­gu­lho na mú­si­ca do seu país e a mú­si­ca na­ci­o­nal vin­gou. Foi pre­ci­so es­te em­pur­rão, es­ta pla­ta­for­ma, pa­ra se co­me­çar a fa­zer boa mú­si­ca. Es­ta re­gra aju­dou mui­to, mas tor­nou-se uma es­pa­da de dois gu­mes: ho­je, em An­go­la, não con­se­gues ou­vir o no­vo gran­de su­ces­so do Dra­ke ou da Rihan­na. Só há uma rá­dio em An­go­la que to­ca mú­si­cas in­ter­na­ci­o­nais, tu­do o res­to pas­sa mú­si­ca na­ci­o­nal. O An­sel­mo já pen­sou in­ves­tir nu­ma rá­dio sua?

Já. Se Deus qui­ser, vou ter em bre­ve uma rá­dio mi­nha em An­go­la. Já pen­sou co­mo vai ser?

Sim. Nós pre­ci­sa­mos de in­ves­tir mais nos con­cei­tos e va­lo­res mo­rais e cí­vi­cos que se fo­ram per­den­do em An­go­la e eu qu­e­ro mui­to fa­lar so­bre es­ses va­lo­res pa­ra a mal­ta jo­vem.

Qu­ais são os va­lo­res?

A mal­ta an­go­la­na é mui­to con­ser­va­do­ra, mas nos úl­ti­mos anos fo­mos ab­sor­ven­do os va­lo­res do ca­pi­ta­lis­mo, em que o que im­por­ta é ter e mos­trar. Es­se não é o ca­mi­nho. Qu­e­ro aler­tar os jo­vens pa­ra o fac­to de que es­ses não são os va­lo­res cor­rec­tos. Ve­jo coi­sas ne­ga­ti­vas na nos­sa ju­ven­tu­de, co­mo por exem­plo fa­ze­rem tu­do por fa­ma ou por dinheiro, mas exis­tem mui­tos jo­vens com va­lor e com va­lo­res. Mais do que fa­lar, qu­e­ro mos­trar-lhes, de for­ma não abor­re­ci­da, que o ca­mi­nho da fa­ma e do dinheiro a qual­quer cus­to não é o ca­mi­nho cer­to. Por fa­lar em va­lo­res, An­go­la es­tá a mu­dar mui­to!

Es­tá, mas nós, os mais no­vos, já per­ce­be­mos que não é es­te o ca­mi­nho. Es­ta­mos a ir no sen­ti­do er­ra­do. Não di­go em ter­mos de po­lí­ti­ca, por­que acho que em ter­mos de po­lí­ti­ca es­ta­mos a ir num bom ca­mi­nho.

En­tão em que ter­mos?

Em ter­mos do que a so­ci­e­da­de se tor­nou. To­dos os an­go­la­nos têm de co­me­çar a re­flec­tir que An­go­la é de to­dos, não po­de­mos es­pe­rar que os ou­tros fa­çam. Se a ci­da­de de Lu­an­da es­tá su­ja não é só res­pon­sa­bi­li­da­de do Go­ver­no lim­pá-la. Eu con­to mui­tas ve­zes aos meus fi­lhos que aos sá­ba­dos, quan­do era pe­que­no, lim­pa­va a mi­nha es­co­la.

Nes­ta edi­ção do The Voi­ce, o An­sel­mo pa­re­ce mais cal­mo e mais con­ti­do. Sen­te-se as­sim?

Es­tou mais cal­mo, é ver­da­de, mas es­tou a di­ver­tir-me tam­bém mais. Es­tou sem­pre a go­zar com os meus co­le­gas. Só que es­te ano, ape­sar de gos­tar de me di­ver­tir, te­mos to­dos de bri­lhar e às ve­zes te­nho de dar o tem­po da Au­rea, da Ma­ri­sa, do Mic­ka­el. Es­te ano apren­di a ca­lar-me mais. Apren­di a ca­lar mais a bo­ca, às ve­zes quan­do co­me­ço a fa­lar não me ca­lo [ri­sos]. ●

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.