Fre­de­rik­ke So­fie

VOGUE (Portugal) - - Modelos -

“Sem­pre usei o ca­be­lo as­sim, me­nos quan­do ti­nha 14 anos – cor­tei-o to­do. Dei­xei-o cres­cer des­de en­tão e ago­ra gos­to de usá-lo sol­to e com­pri­do, mas não o cui­do mui­to. Até es­tá um pou­co es­tra­ga­do por cau­sa do sty­ling.” É qua­se im­pos­sí­vel acreditar que Fre­de­rik­ke So­fie, a Ra­pun­zel das pas­se­rel­les, já deu uma te­sou­ra­da to­tal nos ca­be­los lou­ros que, nas úl­ti­mas tem­po­ra­das, têm da­do vi­da às cam­pa­nhas mais co­bi­ça­das da in­dús­tria da Mo­da (Cé­li­ne, Ch­loé, Mis­so­ni, Etro) e que se­du­zem as len­tes dos fo­tó­gra­fos mais pro­cu­ra­dos. “Tem ha­vi­do tan­tos mo­men­tos in­crí­veis que é di­fí­cil es­co­lher um só. Es­tou re­al­men­te or­gu­lho­sa do que al­can­cei até ago­ra. Mas um dos melhores foi tra­ba­lhar com Ste­ven Mei­sel pa­ra a ca­pa da Vo­gue Ita­lia, em agos­to.”

As su­as fei­ções pré-ra­fa­e­li­tas apai­xo­nam meio mun­do, e ago­ra che­gou a vez da Man­go, que tem na sua his­tó­ria as melhores mo­de­los de sem­pre. Fre­de­rik­ke, que “já era cli­en­te da mar­ca há al­gum tem­po”, es­tá sa­tis­fei­ta com o re­sul­ta­do fi­nal. “O sho­o­ting foi mui­to di­ver­ti­do, es­tá­va­mos em Mar­ro­cos e du­ran­te to­do o tem­po es­te­ve imen­so ca­lor. Eu já co­nhe­cia a equipa e sen­ti-me mui­to bem por ter pes­so­as tão cri­a­ti­vas à mi­nha vol­ta. Com­pre­en­de­mo-nos uns aos ou­tros mui­to bem e es­pe­ro que is­so trans­pa­re­ça nas ima­gens. A co­le­ção é re­al­men­te co­ol e fe­mi­ni­na. Te­nho al­gu­mas pe­ças de­bai­xo de olho: o vestido com­pri­do de pa­drão flo­ral que uso na cam­pa­nha e o sa­fa­ri jac­ket.”

Pe­ças pa­ra acres­cen­tar a um guar­da-rou­pa al­ta­men­te co­bi­ça­do ao ní­vel glo­bal já que, fo­ra das pas­se­rel­les, Fre­de­rik­ke é uma das pre­fe­ri­das pe­los fo­tó­gra­fos de stre­et sty­le. So­bre a sua pin­ta fo­ra do nor­mal, diz que tem um “es­ti­lo clás­si­co com um twist funky. Gos­to de usar pe­ças es­pe­ci­ais, que se­jam edgy, e acres­cen­tá-las aos meus clás­si­cos”. O que, em ter­mos práticos, sig­ni­fi­ca que se sen­te es­pe­ci­al­men­te bo­ni­ta quan­do usa a sua “pró­pria rou­pa e te­nho tem­po de es­co­lher um con­jun­to giro pa­ra ir jan­tar fo­ra à noi­te”.

A miú­da que vol­tou a pôr a Di­na­mar­ca no ma­pa ain­da só tem 19 anos, e gos­ta de ser ela a es­co­lher o guar­da-rou­pa. É giro usar pe­ças em­pres­ta­das, mas é ain­da mais di­ver­ti­do cons­truir o seu pró­prio look. Tal­vez se­ja is­so que a tor­na fran­ca­men­te es­pe­ci­al, tal co­mo as ra­pa­ri­gas do Nor­te da Eu­ro­pa. “Acho que te­mos um bom olho – a nos­sa cul­tu­ra dá-nos um bom back­ground de es­ti­lo.” Es­se olho es­ten­de-se aos ócu­los, qua­se tão fa­mo­sos co­mo ela. “Te­nho uns 25 ou 30 pa­res… Ve­jo-os co­mo um aces­só­rio per­ma­nen­te.” E da­qui a uma dé­ca­da, co­mo se ima­gi­na? “Sin­ce­ra­men­te, não fa­ço ideia. Ima­gi­no-me a fa­zer qual­quer coi­sa fo­ra da Mo­da, ado­ra­ria ter a mi­nha pró­pria con­cept sto­re. A po­lí­ti­ca tam­bém me in­te­res­sa mui­to, por­tan­to tal­vez me en­vol­va nis­so.” Hil­lary, wat­ch your steps!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.