ME­MÓ­RIA À PRO­VA DE BA­LA

VOGUE (Portugal) - - Saúde -

sh­ley Jo­nes tem apenas 34 anos, mas ul­ti­ma­men­te pa­re­ce-lhe que se es­que­ce de tu­do. “Nun­ca me lem­bro on­de dei­xei o car­tão do me­tro”, diz Jo­nes, pla­ne­a­do­ra de even­tos em No­va Ior­que. “Vou ao su­per­mer­ca­do e vol­to sem uma das coi­sas de que pre­ci­sa­va. Não cos­tu­mo bal­dar-me a con­vi­tes, mas por ve­zes es­que­ço-me de com­bi­na­ções e de ani­ver­sá­ri­os de ami­gos.”

Pa­ra ser­mos fran­cos, Jo­nes tem mui­to em que pen­sar: ela voa pa­ra ou­tro es­ta­do qua­se to­das as se­ma­nas pa­ra or­ga­ni­zar con­fe­rên­ci­as pa­ra os seus cli­en­tes. É co­nhe­ci­da por en­vi­ar emails en­quan­to la­va os den­tes. Ape­sar disso, Jo­nes te­me que o seu es­que­ci­men­to se es­ten­da além da agen­da. “Eu era uma pes­soa mui­to eficiente”, co­men­ta. “Mas, ul­ti­ma­men­te, não sei on­de te­nho a ca­be­ça!”

Pa­ra as mu­lhe­res so­bre­car­re­ga­das de ho­je, os 30 anos po­dem pa­re­cer os no­vos 60. Po­de­mos ter reu­niões com o con­se­lho de ad­mi­nis­tra­ção, ge­rir star­tups e go­ver­nar uma ca­sa – pa­ra não men­ci­o­nar vá­ri­os twe­ets por dia e al­gu­mas idas ao gi­ná­sio por se­ma­na –, mas já não con­se­gui­mos lem­brar-nos se des­li­gá­mos o fer­ro de en­go­mar ou on­de dei­xá­mos as cha­ves do car­ro.

Por ve­zes, até pa­re­ce que an­da por aí uma epi­de­mia de ne­vo­ei­ro men­tal. Ci­en­tis­tas co­mo o Pro­fes­sor Dr. Ti­mothy Salthou­se, di­re­tor do La­bo­ra­tó­rio de En­ve­lhe­ci­men­to Cog­ni­ti­vo da Uni­ver­si­da­de da Vir­gí­nia, es­tão a es­tu­dar os cé­re­bros de pes­so­as jo­vens pa­ra des­co­brir quan­do ocor­rem as al­te­ra­ções ne­ga­ti­vas. Sur­pre­en­den­te­men­te, al­guns as­pe­tos do de­clí­nio cog­ni­ti­vo re­la­ci­o­na­dos com a ida­de co­me­çam logo na ca­sa dos 20 e dos 30 anos. Es­ta­mos per­ma­nen­te­men­te ocu­pa­dos a ga­ran­tir que es­ta­mos pre­sen­tes. Co­mo é pos­sí­vel que nos te­nha­mos tor­na­do tão dis­traí­dos?

Cog­ni­ção, ní­vel 1

Pa­ra per­ce­ber­mos a ra­zão pe­la qual um número cres­cen­te de mu­lhe­res jo­vens e sau­dá­veis têm “bran­cas” na cai­xa mul­ti­ban­co, quan­do têm de in­tro­du­zir o PIN, te­mos de co­nhe­cer as ba­ses da cog­ni­ção. Is­so é com­pli­ca­do: o cé­re­bro é mis­te­ri­o­so, mes­mo pa­ra os neu­ro­ci­en­tis­tas que o es­tu­dam. “Não é apenas a com­ple­xi­da­de do ór­gão em si, mas tam­bém da va­ri­a­bi­li­da­de de pes­soa pa­ra pes­soa”, diz a Dou­to­ra De­ni­se Park, pro­fes­so­ra ca­te­drá­ti­ca com dis­tin­ção de Ci­ên­ci­as Com­por­ta­men­tais e Ce­re­brais da Uni­ver­si­da­de do Te­xas. Além disso, exis­te pou­ca in­ves­ti­ga­ção fo­ca­da em pes­so­as en­tre os 25 e os 55 anos.

Mes­mo as­sim, sa­be­mos mui­ta coi­sa. O fun­ci­o­na­men­to do cé­re­bro po­de ser di­vi­di­do em duas ca­te­go­ri­as: me­câ­ni­ca e prag­má­ti­ca. As fun­ções me­câ­ni­cas en­vol­vem “pro­ces­sa­men­to de in­for­ma­ção, me­mó­ria, ra­pi­dez da res­pos­ta, ve­lo­ci­da­de do pen­sa­men­to e a ca­pa­ci­da­de de ra­ci­o­ci­nar, ava­li­ar e re­sol­ver pro­ble­mas”, diz a Dou­to­ra Mar­gie La­ch­man, pro­fes­so­ra de Psi­co­lo­gia na Bran­deis Uni­ver­sity. As fun­ções prag­má­ti­cas, im­pli­cam uti­li­zar o co­nhe­ci­men­to e a ex­pe­ri­ên­cia ad­qui­ri­dos pa­ra to­mar de­ci­sões. Em ge­ral, a fun­ção me­câ­ni­ca abran­da à me­di­da que en­ve­lhe­ce­mos, mas a prag­má­ti­ca me­lho­ra. “As mu­lhe­res com 20 e 30 anos es­tão no pi­co da sua me­câ­ni­ca”, diz La­ch­man. “Mas o fun­ci­o­na­men­to prag­má­ti­co atin­ge o au­ge nu­ma fa­se mais tar­dia. Na­que­las ida­des, es­tão me­ra­men­te a co­me­çar a acu­mu­lar co­nhe­ci­men­to e ex­pe­ri­ên­cia.” Os in­ves­ti­ga­do­res cre­em que es­ta acu­mu­la­ção con­tí­nua pos­sa com­pen­sar o abran­da­men­to de al­gu­mas fun­ções do cé­re­bro à me­di­da que en­ve­lhe­ce­mos. Do mes­mo mo­do, al­guns atle­tas de eli­te que atin­gem o au­ge na ca­sa dos 20 anos, con­ti­nu­am a ter ex­ce­len­tes re­sul­ta­dos mais tar­de: anos de treino e ex­pe­ri­ên­cia aju­dam-nos a con­cen­tra­rem-se me­lhor, com­pen­san­do, pos­si­vel­men­te, as per­das de re­sis­tên­cia e ve­lo­ci­da­de. Por fim, aca­ba­mos por nos tornar mais len­tos e es­que­ci­dos, com o de­clí­nio a ace­le­rar vi­si­vel­men­te a par­tir dos 65 anos.

O pro­ble­ma é que, ape­sar do co­nhe­ci­men­to que acu­mu­la­mos en­quan­to adul­tos, jo­vens e pes­so­as de meia-ida­de, po­de­mos es­tar a su­jei­tar-nos a um des­ti­no mar­ca­do pe­la per­da de ca­pa­ci­da­des ce­re­brais de­vi­do a al­guns dos nos­sos com­por­ta­men­tos, in­cluin­do vi­ver­mos num es­ta­do cons­tan­te de so­bre­car­ga, ex­ces­so de es­tí­mu­los e de in­for­ma­ção. (Es­tar ocu­pa­do faz bem ao cé­re­bro, es­tar as­so­ber­ba­do, não.) “O que di­mi­nui pri­mei­ro é a me­mó­ria, a ca­pa­ci­da­de de ra­ci­o­cí­nio e a Tru­ques que po­dem aju­dar a lem­brar-se de no­mes, ta­re­fas, da­tas e ou­tras coi­sas im­por­tan­tes. Num inqué­ri­to fei­to a 59 in­ves­ti­ga­do­res da me­mó­ria, ano­tar uma in­for­ma­ção num pa­pel re­ve­lou-se a me­lhor ma­nei­ra de se lem­bra­rem de­la. Man­te­nha as coi­sas que usa re­gu­lar­men­te, co­mo cha­ves e ócu­los, no mes­mo sí­tio quan­do não es­ti­ver a usá-las. Es­ta­ci­o­nou o car­ro na sec­ção verde de um par­que enor­me? Ima­gi­ne-o pa­ra­do em bai­xo de uma ár­vo­re fron­do­sa, pa­ra não se es­que­cer de on­de o dei­xou. Uti­li­ze es­tra­te­gi­ca­men­te a sua tec­no­lo­gia e pro­gra­me alar­mes pa­ra tu­do, do ani­ver­sá­rio do seu na­mo­ra­do a um brun­ch com as su­as ami­gas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.