CO­LE­ÇÃO pri­va­da

VOGUE (Portugal) - - Artes -

É a pri­mei­ra ex­po­si­ção in­di­vi­du­al de Natha­lie Du Pas­qui­er em Portugal, um ras­go en­tre o re­al e o ima­gi­ná­rio.

Por Ana Mur­cho.

s três cai­xas aber­tas, co­lo­ri­das, que ocu­pam uma das pa­re­des da Kunsthal­le Lis­sa­bon, são “o cor­po” de Natha­lie Du Pas­qui­er: a ca­be­ça, as pernas e o co­ra­ção. Es­tas es­cul­tu­ras, que fun­ci­o­nam co­mo re­pre­sen­ta­ções mais ou me­nos abs­tra­tas do in­te­ri­or da ar­tis­ta, são fei­tas em ma­dei­ra, to­tal­men­te trans­por­tá­veis, e é a par­tir de­las que nas­ce o tí­tu­lo da ex­po­si­ção. “As cai­xas cha­mam-se ‘co­le­ções pri­va­das’ por­que fe­cham e fun­ci­o­nam co­mo uma pe­que­na par­te de ca­da um de nós. São, ao mes­mo tempo, uma pe­ça [de ar­te] e uma cai­xa, e eu gos­to des­sa ideia de coi­sa por­tá­til.” Col­le­zi­o­ni Pri­va­te é a pri­mei­ra ex­po­si­ção in­di­vi­du­al de Natha­lie du Pas­qui­er em Portugal. Em vez do pat­chwork de tons e pa­drões a que es­ta­mos ha­bi­tu­a­dos na obra da fran­ce­sa, o que aqui en­con­tra­mos é uma no­va sé­rie de de­se­nhos a pre­to e bran­co que con­vi­ve har­mo­ni­o­sa­men­te com as es­cul­tu­ras/cai­xas, por­que “as coi­sas nem sem­pre acon­te­cem a co­res. Pen­so que no úl­ti­mo ano ti­ve mui­ta von­ta­de de fazer coi­sas a pre­to e bran­co. Acho que es­tes es­pa­ços cin­zen­tos são mui­to es­ti­mu­lan­tes”.

Natha­lie Du Pas­qui­er, no­me mai­or da ar­te con­tem­po­râ­nea – foi, nos anos 80, uma das de­sig­ners do gru­po Memphis, junto a Ge­or­ge Sow­den e Et­to­re Sott­sass –, é exí­mia na exe­cu­ção de na­tu­re­zas-mor­tas e há no seu tra­ba­lho um fas­cí­nio por for­mas e uma ex­plo­ra­ção cons­tan­te en­tre as su­per­fí­ci­es pla­nas e a ilusão da pers­pe­ti­va. Não se considera, no en­tan­to, ob­ce­ca­da por ne­nhu­ma des­tas va­ri­an­tes: “Sou pin­to­ra, por is­so é nor­mal in­te­res­sar-me por for­mas, co­res e es­pa­ços, mas acho que as co­res po­dem ser uma coi­sa mui­to ins­tin­ti­va, nem sem­pre uso as mes­mas, de­pen­de do mood, da luz, de­pen­de de uma sé­rie de coi­sas. E às ve­zes não uso co­res de to­do.”

Não foi o ca­so da co­le­ção-cáp­su­la que de­se­nhou pa­ra a Ame­ri­can Ap­pa­rel, em 2014. En­tre rou­pa e aces­só­ri­os, fo­ram 43 pe­ças, nu­ma co­la­bo­ra­ção cu­jo sal­do foi al­ta­men­te po­si­ti­vo. “A Ame­ri­can Ap­pa­rel qu­e­ria fazer um re­vi­val dos meus prints dos anos 80. A sty­list era uma pes­soa mui­to sim­pá­ti­ca, de­mo-nos mui­to bem, num mês o tra­ba­lho es­ta­va fei­to. De­pois de­mo­rou mais tempo a pro­du­zir a co­le­ção, cla­ro. Eles até fi­ze­ram um vídeo su­per­di­ver­ti­do em que a mú­si­ca é de um dis­co que eu fiz na dé­ca­da de 80. Foi mui­to in­te­res­san­te, por­que eu não sa­bia na­da so­bre a Ame­ri­can Ap­pa­rel e, de re­pen­te, fa­ço uma coi­sa pa­ra eles e fi­co na moda en­tre os jo­vens, o que foi mui­to bom!” [Ri­sos]

Na sua pas­sa­gem por Portugal, Du Pas­qui­er apro­vei­tou pa­ra se ins­pi­rar, e an­te­ci­par co­le­ções (e ex­po­si­ções) fu­tu­ras. “Fi­co a mai­or par­te do tempo no meu es­tú­dio, por is­so não ve­jo gran­de coi­sa. Mas ho­je dei um be­lo pas­seio por Lis­boa, fui ao Mu­seu do Azu­le­jo, por is­so vi mui­tas coi­sas que de cer­te­za me vão ins­pi­rar no fu­tu­ro. Tal­vez as mi­nhas pró­xi­mas pin­tu­ras te­nham azu­le­jos.”

Natha­lie Du Pas­qui­er, Col­le­zi­o­ni Pri­va­te, na Kunsthal­le Lis­sa­bon até 15 de abril.

Vis­ta da ex­po­si­ção: le mie gam­be, Stan­ze gri­gie per Lis­bo­na: III e Col­le­zi­o­ni pri­va­te: la mia tes­ta, to­das de 2016. Ao la­do, a ar­tis­ta Natha­lie Du Pas­qui­er.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.