PI­O­NEI­RA

VOGUE (Portugal) - - Testemunho -

A modelo Han­ne Gaby Odi­e­le con­ta co­mo foi cres­cer sen­do in­ter­se­xo, a de­ci­são de se as­su­mir – e a sua no­va mis­são de de­fe­sa e apoio à co­mu­ni­da­de.

Por Lynn Ya­e­ger. Quan­do ti­nha du­as se­ma­nas de vi­da, Han­ne Gaby Odi­e­le so­freu uma in­fe­ção. Os pais le­va­ram-na ao hos­pi­tal, jun­to à sua ter­ra na­tal, Kor­trijk, na Bél­gi­ca. Os mé­di­cos fi­ze­ram-lhe aná­li­ses ao san­gue – e in­for­ma­ram Fran­ke e An­nie Ter­mo­te que o seu me­ni­no ia fi­car bom. Me­ni­no? Fi­ca­ram per­ple­xos. As aná­li­ses re­ve­la­ram que a cri­an­ça so­fria de uma con­di­ção clí­ni­ca co­nhe­ci­da co­mo sín­dro­me de in­sen­si­bi­li­da­de ao an­dro­gé­nio (SIA) – em­bo­ra fos­se ge­ne­ti­ca­men­te do se­xo mas­cu­li­no, com um cro­mos­so­ma X e um Y, era re­sis­ten­te às hor­mo­nas mas­cu­li­nas, ou an­dro­gé­ni­os. Han­ne nas­ceu com tes­tí­cu­los in­ter­nos e sem úte­ro nem ová­ri­os. Os mé­di­cos da fa­mí­lia Ter­mo­tes nun­ca ti­nham vis­to na­da as­sim. O ca­sal foi en­ca­mi­nha­do pa­ra um es­pe­ci­a­lis­ta, que deu a mes­ma in­for­ma­ção ou­vi­da ve­zes sem con­ta pe­los pais de Han­ne en­quan­to a fi­lha cres­cia – era in­ter­se­xo. Iria pre­ci­sar de ci­rur­gi­as cor­re­ti­vas e era fun­da­men­tal que tu­do fos­se man­ti­do em se­gre­do, in­clu­si­ve da própria Han­ne.

Odi­e­le tem ago­ra 28 anos. É modelo e já pi­sou pas­se­rel­les, de Chanel a Gi­ven­chy e Pra­da, e pro­ta­go­ni­zou cam­pa­nhas da Mul­ber­ry e Ba­len­ci­a­ga. Con­ta-me tu­do is­to en­quan­to be­be­mos cham­pa­nhe, ao iní­cio da tar­de, num res­tau­ran­te em No­li­ta on­de a de­co­ra­ção cor-de-ro­sa pas­ti­lha elás­ti­ca con­diz com a sua ca­mi­so­la fel­pu­da da Ac­ne Stu­di­os. Um su­bli­nha­do in­vo­lun­tá­rio do es­te­reó­ti­po “o ro­sa é pa­ra ra­pa­ri­gas” – uma coin­ci­dên­cia in­te­res­san­te pa­ra a nos­sa con­ver­sa, diz a rir-se.

Na no­va pai­sa­gem do se­xo e do gé­ne­ro – num mun­do on­de os di­rei­tos trans e gay têm fei­to con­quis­tas in­crí­veis – o in­ter­se­xo é, pos­si­vel­men­te, o úl­ti­mo ta­bu. A de­ci­são de Odi­e­le de se as­su­mir, re­ve­lan­do to­dos os por­me­no­res do cor­po com que nas­ceu, e de se tor­nar por­ta-voz e de­fen­so­ra da co­mu­ni­da­de in­ter­se­xo é um ato de enor­me bra­vu­ra. Em­bo­ra ela re­co­nhe­ça ter si­do ins­pi­ra­da por Ha­ri Nef e An­dre­ja Pe­jic, mo­de­los trans que já des­fi­la­ram em pas­se­rel­les im­por­tan­tes, Odi­e­le es­tá a ex­plo­rar territórios desconhecidos – é im­pos­sí­vel iden­ti­fi­car uma úni­ca pes­soa, em qual­quer área, que se­ja as­su­mi­da­men­te in­ter­se­xo.

In­ter­se­xo é, na ver­da­de, um ter­mo abran­gen­te pa­ra mais de 30 con­di­ções di­fe­ren­tes em que uma pes­soa nas­ce com uma va­ri­a­ção na sua ana­to­mia se­xu­al. Du­ran­te dé­ca­das, a mai­o­ria dos mé­di­cos re­a­giu aos be­bés in­ter­se­xo man­dan­do-os pa­ra a sa­la de ope­ra­ções. A dra. Ile­ne Wong, MD, uma uro­lo­gis­ta que já tra­tou adul­tos in­ter­se­xo diz que, nos úl­ti­mos anos, “a pai­sa­gem es­tá a mu­dar, as pes­so­as a tor­na­re­am-se cons­ci­en­tes das con­sequên­ci­as. Al­gu­mas coi­sas não pre­ci­sam de ser cor­ri­gi­das! Às ve­zes

Na se­ma­na de Mo­da de Pa­ris, 2015. Em bai­xo, Com o na­mo­ra­do John Swi­a­tek na cam­pa­nha Ale­xan­der Wang, P/V 2016.

No backs­ta­ge do des­fi­le de Ga­bri­e­la Ca­de­na, P/V 2016, em No­va Ior­que.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.