(R)evo­lu­ção

VOGUE (Portugal) - - Entrevista -

mu­lher que ve­em aqui é a mi­nha che­fe, Vi­vi­en­ne Westwo­od.” Es­ta foi a pri­mei­ra fra­se de Bri­git­te Step­put­tis nas Fast Talks da Mo­da­lis­boa. Ou­viu-se um ri­so aba­fa­do no pú­bli­co: nu­ma con­fe­rên­cia so­bre Sus­ten­ta­bi­li­da­de na Mo­da: Porquê e Co­mo?, Bri­git­te in­tro­du­ziu a úni­ca mu­lher que não pre­ci­sa de apre­sen­ta­ções. Por ou­tro la­do, o tra­ba­lho de Step­put­tis, que es­tá com Westwo­od des­de 1990 e lan­çou, em 1996, o ser­vi­ço Vi­vi­en­ne Wes­to­od Cou­tu­re, é mais in­vi­sí­vel, em­bo­ra o pro­du­to fi­nal se­ja es­cru­ti­na­do ao por­me­nor. Os ves­ti­dos de pas­sa­dei­ra ver­me­lha de Bri­git­te são sus­ten­tá­veis até à úl­ti­ma cos­tu­ra e an­dam de bra­ço da­do com mo­vi­men­tos co­mo o Gre­en Car­pet Chal­len­ge lan­ça­do, em 2012, por Li­via Firth e, mais re­cen­te­men­te, a press tour pa­ra a pro­mo­ção do fil­me A Bela e o Mons­tro, em que Em­ma Wat­son fez ques­tão de só usar pe­ças gre­en e pro­mo­ver to­do o pro­ces­so nu­ma con­ta de Ins­ta­gram. Tra­ba­lhar em Cou­tu­re, e nu­ma que se qu­er sus­ten­tá­vel, sig­ni­fi­ca bas­ti­do­res, cui­da­do e tem­po – prin­ci­pal­men­te tem­po. É por ele que co­me­ça­mos a con­ver­sa com a ale­mã, mi­nu­tos de­pois do aplau­so fi­nal das con­ver­sas que ser­vi­ram de pon­to de par­ti­da da Mo­da­lis­boa Boun­dless. Sin­to-me mui­to pri­vi­le­gi­a­da por tra­ba­lhar em Cou­tu­re pe­la ar­te que en­tra no pro­ces­so de cri­ar pe­ças bo­ni­tas. Por ou­tro la­do, é um gran­de lu­xo nos nos­sos tem­pos. É mui­to caro, e nem to­da a gen­te o po­de com­prar, mas pe­lo me­nos é al­go que é apre­ci­a­do e pas­sa­do de ge­ra­ção em ge­ra­ção ou

ven­di­do a ou­tra pes­soa que o apre­cie. Re­vo­lu­ção, sim,

Bri­git­te mas tal­vez se­ja me­lhor cha­mar-lhe “evo­lu­ção”. Ca­be às

Step­put­tis. ge­ra­ções mais no­vas de­ci­dir co­mo é que que­rem vi­ver. Há mui­tas pes­so­as jo­vens que se re­cu­sam a ce­der a es­te mo­do de vi­ver mui­to rá­pi­do, e es­tão no seu di­rei­to. Pre­fe­rem ter qua­li­da­de de vi­da a ter di­nhei­ro, e ver a vi­da pas­sar sem es­ta­rem pre­sen­tes en­quan­to os seus fi­lhos cres­cem. Que pe­que­nas re­vo­lu­ções faz to­dos os di­as? Fa­ze­mos mui­tas coi­sas pe­que­ni­nas to­dos os di­as. Per­gun­to a to­dos os nos­sos pro­du­to­res de te­ci­dos so­bre a sus­ten­ta­bi­li­da­de do seu tra­ba­lho e, quan­to mais per­gun­tas, mais o pro­ces­so mu­da. A in­dús­tria mu­dou mui­to nos úl­ti­mos cin­co anos, e vai mu­dar mais. Co­nhe­ço al­guns de­sig­ners, es­pe­ci­al­men­te na área de Cou­tu­re, que es­tão re­al­men­te a re­pen­sar a for­ma co­mo fa­zem as coi­sas. nos­so Red Car­pet Gre­en Dress Pro­ject: se pro­cu­ra­res um te­ci­do gre­en, eles exis­tem, mas são mui­to pou­cos. As em­pre­sas es­tão a per­ce­ber que há pro­cu­ra e vão ce­den­do len­ta­men­te, mas ain­da é de­ma­si­a­do caro e não há mui­ta es­co­lha. Is­so tem de mu­dar. E os con­su­mi­do­res tam­bém pre­ci­sam de ser par­te do pro­ces­so. Têm um gran­de po­der: no mi­nu­to em que de­sem­bol­sam o car­tão de cré­di­to, têm uma es­co­lha a fa­zer.

Não po­de­mos mu­dar a cor da pas­sa­dei­ra, mas po­de­mos mu­dar a cor da eti­que­ta dos ves­ti­dos que a pi­sam. É aí que en­tra Bri­git­te Step­put­tis, a He­ad of Cou­tu­re da Vi­vi­en­ne Westwo­od.

Por Iri­na Chi­tas.

Lily Co­le, uma das mai­o­res em­bai­xa­do­ras da mar­ca, nos Ós­ca­res, em 2017. O ves­ti­do, fei­to to­tal­men­te em po­liés­ter re­ci­cla­do, faz par­te do Red Car­pet Gre­en Dress Pro­ject. Mi­chel­le Mo­naghan, na es­treia do fil­me Sle­e­pless, em ja­nei­ro de 2017. Es­te ves­ti­do Vi­vi­en­ne Westwo­od Cou­tu­re é úni­co e fei­to a par­tir de so­bras de te­ci­do.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.