VI­A­GEM sem prin­cí­pio nem fim

VOGUE (Portugal) - - Coleção -

As co­res e as tex­tu­ras de um mun­do imen­sa­men­te be­lo, na de Em­po­rio Ar­ma­ni.

pas­se­rel­le uma ce­na em Mo­gam­bo, o clás­si­co de John Ford de 1953, quan­do Eloi­se Kelly (Ava Gard­ner) e Lin­da Nor­dley (Gra­ce Kelly) con­ver­sam na va­ran­da da ca­ba­na on­de se de­sen­ro­la par­te do tri­ân­gu­lo amo­ro­so com Vic­tor Marswell (Clark Ga­ble), o es­ti­lo das du­as pro­ta­go­nis­tas sal­ta à vis­ta. A fu­tu­ra prin­ce­sa do Mó­na­co nu­ma ele­gan­te saia be­ge pe­los jo­e­lhos, ca­mi­sa cor-de-ro­sa e “sa­pa­tos de ci­da­de” (é im­pos­sí­vel de­fi­ni-los de ou­tra ma­nei­ra), fren­te ao “mais be­lo ani­mal do mun­do” em cal­ças kha­ki cas­ta­nhas, po­lo bran­co e me­di­das de cor­tar a res­pi­ra­ção acen­tu­a­das por um cin­to ver­me­lho. Mo­gam­bo re­pre­sen­ta a épo­ca de ou­ro de Hollywo­od, quan­do a sé­ti­ma ar­te era si­nó­ni­mo de gla­mour e sen­su­a­li­da­de, e on­de os de­ta­lhes de guar­da-rou­pa ti­nham di­rei­to a pa­pel prin­ci­pal.

O ci­ne­ma ha­ve­ria de re­gres­sar a Áfri­ca, e às vi­a­gens, ve­zes sem con­ta, e qua­se sem­pre se apoi­ou na Mo­da pa­ra pas­sar a men­sa­gem de uma es­té­ti­ca vi­bran­te, oti­mis­ta e re­quin­ta­da – a es­té­ti­ca a que Gi­or­gio Ar­ma­ni re­cor­re, es­ta pri­ma­ve­ra/ve­rão, na Em­po­rio Ar­ma­ni, nu­ma co­le­ção in­ti­tu­la­da Ci­da­dã do Mun­do. Num ce­ná­rio fu­tu­ris­ta, em Pa­ris (o de­sig­ner ce­le­bra­va a aber­tu­ra de uma lo­ja na Ci­da­de Luz), rou­pa que lem­bra des­ti­nos lon­gín­quos ves­tiu uma mu­lher con­tem­po­râ­nea. “A mu­lher que eu ima­gi­no pa­ra a Em­po­rio Ar­ma­ni é uma mu­lher for­te, cu­ri­o­sa e de men­te aber­ta. Ela gos­ta de cap­tar si­nais de ou­tras cul­tu­ras e tor­ná-los seus, Gi­or­gio Ar­ma­ni e mis­tu­rá-los num guar­da-rou­pa que é re­quin­ta­da­men­te ur­ba­no.”

Aos 82 anos, Ar­ma­ni man­tém-se ma­es­tro na ar­te do “me­nos é mais”, da so­fis­ti­ca­ção sub­til e do re­quin­te de­li­ca­do. A atra­ção pe­lo exó­ti­co, es­pe­lha­da em pa­drões co­lo­ri­dos co­mo o es­tam­pa­do de ele­fan­tes, nun­ca é le­va­da ao ex­tre­mo, nem se so­bre­põe ao mais im­por­tan­te: a rou­pa que ves­te a mu­lher. “Na mi­nha bus­ca cons­tan­te por flui­dez, sem­pre olhei pa­ra o Ori­en­te, cap­tu­ran­do o seu es­pí­ri­to e a qua­li­da­de es­sen­ci­al pa­ra cri­ar rou­pa ade­qua­da ao es­ti­lo de vi­da da ci­da­de de ho­je.”

As vi­a­gens, que sem­pre ins­pi­ra­ram Ar­ma­ni, são aqui si­nó­ni­mo de li­ber­da­de e de ele­gân­cia: bla­zers des­cons­truí­dos com­bi­na­dos com cal­ças de se­da em co­res só­li­das (azul-elé­tri­co, ver­me­lho-es­cu­ro, ro­xo), ves­ti­dos flui­dos com fo­lhos, cal­ças e cal­ções com trans­pa­rên­ci­as ador­na­dos por pe­que­nos la­ços… Os bor­da­dos, pre­sen­tes em ca­sa­cos e ves­ti­dos, evo­cam o artesanato de di­fe­ren­tes ge­o­gra­fi­as sem re­fe­rên­ci­as es­pe­cí­fi­cas e, nos aces­só­ri­os, car­tei­ras e clut­ches em cou­ro per­fu­ra­do ou se­da, san­dá­li­as de sal­to al­to com apli­ques me­tá­li­cos e sa­pa­tos ra­sos com bor­las, são a res­pos­ta a es­te es­pí­ri­to de ex­plo­ra­ção e mo­der­ni­da­de. Ci­né­fi­lo con­fes­so afir­mou, em tem­pos, so­bre a sua re­la­ção com a sé­ti­ma ar­te: “O ci­ne­ma per­mi­te-me tra­ba­lhar com rou­pa de uma for­ma que de­fen­de a mi­nha vi­são de es­ti­lo, ten­do em con­ta que aju­do a cons­truir uma per­so­na­gem. É o ti­po de tra­ba­lho que, quan­do fun­ci­o­na bem, nos re­com­pen­sa da for­ma mais sa­tis­fa­tó­ria: a eter­ni­da­de.” l Ana Mur­cho

"Na mi­nha bus­ca cons­tan­te por flui­dez, sem­pre olhei pa­ra o Ori­en­te, cap­tu­ran­do o seu es­pí­ri­to."

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.