ABC DAS EMO­ÇÕES

Há pes­so­as que pa­re­cem des­cul­par a im­per­fei­ção do mun­do com a sua própria in­qui­e­tu­de. Quan­do en­tra nu­ma sa­la, Ana­be­la Mo­rei­ra traz con­si­go a bri­sa das coi­sas sel­va­gens. E, no en­tan­to, a atriz-fe­ti­che de João Ca­ni­jo, com qu­em re­pe­te par­ce­ria em Fá­ti­ma, é t

VOGUE (Portugal) - - Abc Das Emocoes - Por Ana Mur­cho. Fo­to­gra­fia de Má­rio Prín­ci­pe.

izes­te 41 anos há re­la­ti­va­men­te pou­co tem­po. Co­mo é que te sen­tes? “Sin­to-me ma­ra­vi­lho­sa. Eu ti­nha uma ideia do que era ter 40 anos, quan­do ti­nha 20, acha­va que ia es­tar uma mu­lher cheia de ru­gas, aca­ba­da. E co­mo is­so não acon­te­ceu, e de vez em quan­do até me sin­to mais fe­mi­ni­na, com mais con­fi­an­ça, fi­co mui­to fe­liz com o que con­quis­tei em 41 anos. Sin­to-me bem. E se ca­lhar sin­to-me me­lhor ago­ra do que me sen­tia com 31, 32 anos, que era a fa­se da ne­ga­ção. Acho que a par­tir dos 35 anos re­sol­vi is­so mui­to bem. Foi olhar-me ao es­pe­lho e di­zer: ‘Ok, tens 35 e en­tão? Es­tás vi­va, es­tás in­tei­ra!’ Há mui­tas an­gús­ti­as que de­sa­pa­re­cem. Eu lem­bro-me de ter 18 anos, não qu­e­ria vol­tar lá nem que me pa­gas­sem. Foi de­ma­si­a­do an­gus­ti­an­te. To­das nós nos de­ve­mos lem­brar do que era le­van­tar­mo-nos pa­ra ir à água e achar que a praia in­tei­ra es­ta­va a olhar pa­ra a bor­bu­lha que tí­nha­mos nas per­nas. E ago­ra es­tou li­ber­ta dis­so. E é tão bom, sa­bes? Ser mu­lher, ter 41 anos, vi­ver no nos­so tem­po, ter in­de­pen­dên­cia eco­nó­mi­ca, ter in­de­pen­dên­cia emo­ci­o­nal, sa­ber tu­do o que sei ho­je, olhar-me ao es­pe­lho e não me ver aca­ba­da.”

Eram mais de 40 mil ca­ra­te­res de en­tre­vis­ta pa­ra par­ti­lhar, cer­ca de uma ho­ra e meia de con­ver­sa, e nem as­sim che­ga­ría­mos a me­ta­de des­sa car­to­gra­fia in­ten­sa por que se re­ge Ana­be­la Mo­rei­ra (Lis­boa, 1976), a atriz de mil fa­ce­tas que tam­bém é, já sus­pei­tá­va­mos, uma mu­lher mis­te­ri­o­sa. Pa­ra nos­so des­gos­to, não es­ta­mos a es­cre­ver um tra­ta­do das pai­xões da al­ma e, nos tem­pos mo­der­nos, as pa­la­vras que­rem-se rá­pi­das, su­cin­tas. Há por­me­no­res que fi­ca­rão pe­lo ca­mi­nho, co­mo o len­ço de se­da que, na­que­la tar­de, lhe ta­pa­va o de­co­te li­gei­ra­men­te sus­pei­to, ou o so­bre­tu­do que es­con­dia o cor­po tra­ba­lha­do a bal­let – e tan­tas ve­zes es­que­ci­do em no­me da Ar­te (“Lem­bro-me de, no fim do Mal Nas­ci­da, a mi­nha ir­mã Margarida me di­zer: ‘Ana­be­la, eu não te es­tou a re­co­nhe­cer, a for­ma co­mo tu an­das, a for­ma co­mo tu te me­xes, tu não pa­re­ces da nos­sa fa­mí­lia.’”). Mas re­gis­tam-se pe­que­nos de­ta­lhes que fa­zem a di­fe­ren­ça en­tre ser des­pre­ten­si­o­so e ser ex­tra­or­di­ná­rio. Co­mo o medo de ou­vir rá­dio. “Ain­da ho­je não gosto de ou­vir rá­dio, por­que as mú­si­cas in­ter­fe­rem com o meu es­ta­do de es­pí­ri­to. De um se­gun­do pa­ra o ou­tro es­tou ner­vo­sa ou es­tou cal­ma ou es­tou aten­ta ou es­tou fo­ca­da, e nem eu sei ex­pli­car de for­ma ra­ci­o­nal por­que é que is­so acon­te­ce. Às ve­zes uma mú­si­ca rock mui­to pu­xa­da não me dei­xa ner­vo­sa e exis­tem ou­tras que até pa­re­cem cal­mas e que me dei­xam a mil à ho­ra, e de­pois ou­tras que me fa­zem lem­brar de coi­sas da mi­nha in­fân­cia… En­tão nun­ca ou­ço rá­dio, por­que não gosto de ser per­tur­ba­da sem es­tar à es­pe­ra. Dói mui­to.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.