POR QUE EU CORRO

50 cor­re­do­res (e um ído­lo) con­tam co­mo o es­por­te os aju­dou a re­fa­zer su­as vi­das. Se vo­cê ain­da an­da em bus­ca de ins­pi­ra­ção pa­ra cal­çar o tê­nis, leia es­tes de­poi­men­tos

Sport Life - - NESTA EDIÇÃO - por GA­BRI­EL GAMEIRO, AMANDA PRE­TO e VA­NES­SA DE SÁ fo­to de aber­tu­ra: WAG­NER ARAÚ­JO

50 cor­re­do­res (e um ído­lo) con­tam co­mo o es­por­te os aju­dou a re­fa­zer su­as vi­das. Se vo­cê ain­da an­da em bus­ca de ins­pi­ra­ção pa­ra cal­çar o tê­nis, leia es­tes de­poi­men­tos

“C ome­cei a cor­rer em ju­lho de 2008, quan­do meu psi­có­lo­go su­ge­riu que eu co­me­ças­se al­gu­ma ati­vi­da­de fí­si­ca [Cle­ber es­ta­va em pro­ces­so de re­cu­pe­ra­ção da de­pen­dên­cia de dro­gas]. Fi­quei sa­ben­do de uma pro­va, que se­ria re­a­li­za­da em Ri­bei­rão Pre­to (in­te­ri­or do Es­ta­do de São Pau­lo) e de­ci­di par­ti­ci­par. Era uma cor­ri­da cur­ta, com op­ções de 5 km ou 10 km. A sen­sa­ção que ti­ve quan­do cru­zei a li­nha de che­ga­da foi in­des­cri­tí­vel. No kit do even­to ha­via uma re­vis­ta que fa­la­va so­bre ma­ra­to­nas. Foi quan­do co­nhe­ci os 42 km. Dis­se a mim mes­mo: ‘É is­so o que eu que­ro cor­rer’. Em ju­lho de 2009, com­ple­tei um ano lim­po, li­vre das dro­gas, e me dei uma ma­ra­to­na de pre­sen­te. Trei­nei sem acom­pa­nha­men­to al­gum. De­ci­di cor­rer a Ma­ra­to­na do Rio, mas no dia da pro­va ti­ve uma cri­se de an­si­e­da­de, pas­sei mui­to mal e não con­se­gui nem lar­gar. Sen­ti uma frus­tra­ção enor­me e me deu von­ta­de até de vol­tar a usar dro­gas. Ao che­gar em ca­sa, re­fle­ti e che­guei à con­clu­são de que ten­ta­ria a ma­ra­to­na em 2010. Com a aju­da de um trei­na­dor, con­se­gui com­ple­tar meus pri­mei­ros 42 km. Em ou­tu­bro do mes­mo ano, fiz ou­tra ma­ra­to­na, bai­xan­do em qu­a­se 1 h meu tem­po em re­la­ção à mi­nha es­treia. En­trei de vez pa­ra o mun­do da cor­ri­da por cau­sa das ma­ra­to­nas e já fiz 11 de­las. A cor­ri­da ocu­pa o tem­po oci­o­so do meu dia e a mi­nha ca­be­ça. Quan­do es­tou cor­ren­do, con­si­go fa­zer uma ava­li­a­ção da mi­nha vi­da e do que es­tá dan­do cer­to ou er­ra­do. É du­ran­te a cor­ri­da que fa­ço meus pla­ne­ja­men­tos pa­ra cur­to, mé­dio e lon­go pra­zos. Cos­tu­mo cor­rer no ca­na­vi­al e no meio do ma­to. É o úni­co mo­men­to que ti­ro pra mim. A cor­ri­da foi uma das fer­ra­men­tas que me aju­da­ram a me li­vrar das dro­gas e a re­cu­pe­rar a mi­nha vi­da, e ain­da vem me aju­dan­do. Nun­ca sen­ti na­da pa­re­ci­do com o que sen­ti quan­do cru­zei a li­nha de che­ga­da da mi­nha pri­mei­ra ma­ra­to­na. Dro­ga al­gu­ma me trou­xe tan­to pra­zer quan­to cru­zar aque­la li­nha de che­ga­da. Is­so dei­xa um gos­to de ‘ que­ro mais’, sem­pre. A cor­ri­da me en­si­nou que eu pos­so con­quis­tar tu­do que eu qui­ser com dis­ci­pli­na e per­sis­tên­cia. Ela me acom­pa­nha no meu dia a dia.” Cle­ber Is­bin, 35 anos, ve­te­ri­ná­rio, Jar­di­nó­po­lis (SP)

Eu mo­ra­va em Re­ci­fe, à bei­ra da praia, e ca­mi­nha­va to­do dia de ma­nhã. Uma co­le­ga me con­vi­dou pa­ra cor­rer com o gru­po de­la, e eu nun­ca mais pa­rei. Ho­je eu sir­vo de exem­plo pa­ra os meus fi­lhos. Ca­da vez que che­go com um tro­féu em ca­sa, eles sen­tem or­gu­lho de mim.” Edi­meia Lehn, 46 anos, ar­qui­te­ta, Por­to Ale­gre (RS)

“Sou um ex-usuá­rio de dro­gas. Há qu­a­tro anos, co­me­cei a cor­rer pa­ra ocu­par mi­nha men­te. Quan­do vo­cê sai de uma clí­ni­ca de re­a­bi­li­ta­ção, nin­guém con­fia mais em vo­cê. A cor­ri­da é mi­nha vál­vu­la de es­ca­pe: me faz me es­que­cer tu­do. A do­en­ça es­tá den­tro do meu cor­po, ela não vai sair, mas a cor­ri­da é o que me man­tém vi­vo, que me faz ter fo­co e per­se­ve­ran­ça pa­ra não vol­tar a usar dro­gas.” Fá­bio Al­ves, 34 anos, pro­fis­si­o­nal li­be­ral, Cam­pi­nas (SP)

“A cor­ri­da me aju­dou a ser qu­em eu era an­tes. Eu es­ta­va grá­vi­da e na mes­ma se­ma­na em que meu fi­lho nas­ceu, mi­nha mãe fa­le­ceu. En­trei em de­pres­são e pa­rei de tra­ba­lhar pa­ra cui­dar do meu be­bê. Per­di to­do o con­ví­vio so­ci­al, pa­rei de sair e me tor­nei mui­to fe­cha­da. A cor­ri­da me aju­dou a sair de uma do­en­ça con­tro­la­da por me­di­ca­men­tos e ho­je ela é meu re­mé­dio. Eu me re­en­con­trei atra­vés de­la.” Be­a­triz Jo­va­nol­li, 34 anos, den­tis­ta, São Pau­lo (SP)

“A cor­ri­da é um es­por­te mui­to so­li­tá­rio; as­sim, quan­do eu corro, fi­co co­mi­go mes­ma. Com ela, apren­di a de­sen­vol­ver a sen­sa­ção de que pos­so atin­gir mi­nhas me­tas a par­tir do meu pró­prio es­for­ço. Cor­rer é um jei­to de me sen­tir vi­to­ri­o­sa, e ca­da pro­va que fa­ço é um jei­to de car­re­gar is­so den­tro de mim.” An­na Ce­cí­lia Lan­de, es­tu­dan­te de edu­ca­ção fí­si­ca, 22 anos, São Pau­lo (SP)

“A cor­ri­da aju­dou a res­ga­tar uma Ya­ra que es­ta­va ador­me­ci­da, que gos­ta de um de­sa­fio, que quer me­lho­rar sem­pre. Ho­je, aos 49 anos, me sin­to com uma for­ça in­crí­vel, fe­liz por ter co­me­ça­do, fe­liz por es­tar ati­va, or­gu­lho­sa do ca­mi­nho que tri­lhei. O es­por­te é mi­nha mo­ti­va­ção, mi­nha te­ra­pia, mi­nha vi­da.” Ya­ra Achôa, 50 anos, jor­na­lis­ta, do blog Eu Corro Por­que...

“A cor­ri­da é mi­nha me­di­ta­ção. Fi­co bem mais tran­qui­la quan­do corro.” Da­li­la As­sun­ção, 34 anos, flo­ris­ta, São Pau­lo (SP)

“Gos­to de di­zer que a cor­ri­da tor­nou-se uma en­gre­na­gem fun­da­men­tal pa­ra que o re­ló­gio da mi­nha vi­da se man­te­nha fun­ci­o­nan­do per­fei­ta­men­te e de for­ma pon­tu­al.” Ra­fa­el de Car­va­lho Far­ne­zi, 29 anos, tri­a­tle­ta e trei­na­dor es­por­ti­vo, Uber­lân­dia (MG)

“Eu era to­tal­men­te se­den­tá­rio e ho­je não con­si­go mais vi­ver sem ati­vi­da­de fí­si­ca. A cor­ri­da me trou­xe qua­li­da­de de vi­da e a con­quis­ta dos de­sa­fi­os. Eu nun­ca ha­via ima­gi­na­do que po­de­ria fa­zer uma meia ma­ra­to­na ou uma pro­va de Iron Man, que ho­je fa­ço. Eu trou­xe is­so pa­ra a mi­nha vi­da pro­fis­si­o­nal: a ca­pa­ci­da­de de su­pe­ra­ção e de en­ca­rar de­sa­fi­os no­vos sa­ben­do que eu con­se­gui­rei ter­mi­ná-los.” Cas­sius Co­e­lho, 42 anos, co­zi­nhei­ro, For­ta­le­za (CE)

“A cor­ri­da de rua é a for­ma que eu en­con­trei de es­tar mais pró­xi­ma de mim mes­ma. Quan­do eu corro, en­tro em con­ta­to com os meus me­dos e en­con­tro a for­ça ne­ces­sá­ria pa­ra en­fren­tar as di­fi­cul­da­des diá­ri­as da mi­nha vi­da pro­fis­si­o­nal e pes­so­al. É o meu mo­men­to.” Gi­sel­li Sou­za, 37 anos, jor­na­lis­ta e cri­a­do­ra o blog Di­vas que Cor­rem, São Pau­lo (SP)

“A Ma­ri­na, ami­ga que fiz em São Pau­lo por cau­sa das cor­ri­das, re­su­miu bem o que é a cor­ri­da pa­ra mim: ‘Aqui, de­bai­xo do pór­ti­co pra lar­gar, é o seu lu­gar. É o lu­gar que vo­cê tem que es­tar e de on­de vo­cê nun­ca de­ve­ria ter saí­do.’ Nós du­as cho­ra­mos mui­to, jun­tas, na lar­ga­da e na che­ga­da des­sa pro­va! A cor­ri­da foi o que sal­vou a mi­nha vi­da, de vá­ri­as ma­nei­ras. Foi o que me sal­vou fi­si­ca­men­te, pois, se­gun­do os mé­di­cos, foi a mi­nha con­di­ção fí­si­ca [ela so­freu um gra­ve aci­den­te e se tor­nou pa­ra­tle­ta] que fez com que meu cor­po res­pon­des­se rá­pi­do na UTI e no tem­po em que eu fi­quei no hos­pi­tal. Se fos­se uma pes­soa se­den­tá­ria no meu lu­gar, te­ria mor­ri­do. A cor­ri­da e o es­por­te, de mo­do ge­ral, me sal­va­ram emo­ci­o­nal­men­te, não dei­xan­do que a tris­te­za me pe­gas­se, não per­mi­tin­do que eu eu me en­tre­gas­se e me dan­do um mo­ti­vo pra lu­tar.” Da­ni­el­le No­bi­le, 30 anos, pro­fes­so­ra apo­sen­ta­da, Ri­bei­rão Pre­to (SP)

“Eu e meu co­le­ga de pro­fis­são Mar­cus Vi­ni­cius ini­ci­a­mos um gru­po de cor­ri­da ex­clu­si­vo pa­ra de­pen­den­tes quí­mi­cos que já ha­vi­am con­cluí­do o tem­po de per­ma­nên­cia na in­ter­na­ção, o No­va Vi­da. É atra­vés do exem­plo de vi­da des­ses ca­ras que me mo­ti­vo a trei­nar quan­do não te­nho von­ta­de, que me le­van­to ce­do quan­do es­tou com so­no, que di­go não pa­ra noi­ta­das por­que te­nho trei­no no outro dia ce­do. A ca­da cor­ri­da que fa­ço, pro­cu­ro le­van­tar a bandeira de que a cor­ri­da sal­va vi­das. Que­ro que to­dos che­guem ao fi­nal, que to­dos te­nham a emo­ção de cru­zar a li­nha de che­ga­da! A cor­ri­da me en­si­nou que sou ca­paz de re­a­li­zar qual­quer coi­sa, só pre­ci­so es­pe­rar o tem­po cer­to e me pre­pa­rar com fo­co e de­ter­mi­na­ção, sem des­cul­pas. É as­sim que vi­vo a mi­nha vi­da: cor­ren­do!” Cris­ti­a­no Fet­ter An­tu­nes, 29 anos, edu­ca­dor fí­si­co, Por­to Ale­gre (RS)

“Sa­be quan­to tu es­tás apai­xo­na­do, ama tan­to que tem a cer­te­za de que nin­guém no mun­do sen­te tan­to amor co­mo tu? É as­sim que me sin­to em re­la­ção à cor­ri­da.” Ana Go­ri­ni da Vei­ga, 39 anos, pro­fes­so­ra da Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral de Ci­ên­ci­as da Saú­de de Por­to Ale­gre, Por­to Ale­gre(RS)

“Se eu pu­des­se re­su­mir em uma pa­la­vra o que a cor­ri­da sig­ni­fi­ca na mi­nha vi­da, se­ria su­pe­ra­ção. Com ela, saí da de­pres­são e mos­trei a mim mes­mo que pos­so ir além do que ima­gi­no.” Vag­ner Jo­sé Ferreira, 37 anos, em­pre­sá­rio, Su­ma­ré (SP)

“As por­tas se abri­ram ao co­nhe­cer um gru­po de pais que cor­rem com seus fi­lhos ca­dei­ran­tes, o Klabhia. Fiz um trei­no com o gru­po e vi­vi pe­la pri­mei­ra vez a ex­pe­ri­ên­cia de cor­rer em­pur­ran­do um ca­dei­ran­te. A emo­ção foi ta­ma­nha que, a par­tir daí, sur­giu o Per­nas de Alu­guel. An­tes de tu­do is­so, eu de­tes­ta­va cor­rer, e ho­je es­se es­por­te se tor­nou par­te da mi­nha vi­da. Mais do que nun­ca, que­ro cor­rer com es­sa cri­an­ça­da e mos­trar a to­dos a sen­sa­ção in­des­cri­tí­vel de cru­zar uma li­nha de che­ga­da.” Edu­ar­do Go­doy, 43 anos, cri­a­dor do pro­je­to Per­nas de Alu­guel, Ba­ru­e­ri (SP)

“A cor­ri­da é o meu ‘re­mé­dio’. Ca­da cor­ri­da é uma do­se de re­la­xa­men­to, vi­gor, en­fim, é tu­do de bom! Já são 30 anos cor­ren­do.Sem­pre ter­mi­no mi­nha cor­ri­da me­lhor do que co­me­cei!”

Re­na­to Du­tra, 43 anos, di­re­tor, téc­ni­co do app SouRun e co­lu­nis­ta da Sport Li­fe, São Pau­lo (SP)

“Cor­rer, pa­ra mim, é al­go mui­to sim­bó­li­co... por­que sin­to a vi­da en­tran­do no pul­mão no­vo que re­ce­bi. Ti­ve um pul­mão trans­plan­ta­do há 4 anos (vi­vo so­men­te com o pul­mão es­quer­do). So­fria de uma pa­to­lo­gia de­no­mi­na­da fi­bro­se pul­mo­nar, uma do­en­ça pro­gres­si­va e sem tra­ta­men­to que vai li­mi­tan­do a ca­pa­ci­da­de res­pi­ra­tó­ria de for­ma que a pes­soa se can­sa ao mí­ni­mo es­for­ço, co­mo es­co­var os den­tes, por exem­plo. Pa­ra qu­em não con­se­guia nem mais ca­mi­nhar, cor­rer, com­pe­tir e ven­cer é uma gran­de su­pe­ra­ção”. Liè­ge Gau­té­rio, 43 anos, per­so­nal trai­ner, Por­to Ale­gre (RS)

“Quan­do eu es­tou cor­ren­do, sou ca­paz de re­fle­tir, pen­sar e tra­çar no­vas me­tas pa­ra vi­da pro­fis­si­o­nal e pes­so­al.” Natha­lia So­a­res Sch­mal, 29 anos, con­sul­to­ra de ven­das, do blog No Rit­mo De­la, São Pau­lo (SP)

“En­con­trei na cor­ri­da uma es­pé­cie de for­ça do há­bi­to, uma co­ra­gem in­co­mum que me faz ven­cer obs­tá­cu­los co­ti­di­a­nos im­pos­tos pe­la na­tu­re­za e pe­la men­te. A cor­ri­da me trou­xe mais se­gu­ran­ça e con­vic­ção de que eu pos­so for­ta­le­cer cor­po e men­te. Fui cons­truin­do e adap­tan­do es­se cor­po de corredor. E num pro­ces­so de au­to­co­nhe­ci­men­to, des­co­brin­do mais de mim. Co­mo se tor­nou um há­bi­to, não sei quan­do pa­rar. Que­ro le­var pra vi­da to­da e con­ti­nu­ar fa­zen­do ami­za­des e des­co­brin­do lu­ga­res atra­vés da cor­ri­da.” Humberto Alit­to, 42 anos, co­lu­nis­ta do Run­ning News, São Pau­lo (SP)

“A cor­ri­da é o mo­tor do meu dia. Ini­cio meu co­ti­di­a­no ro­dan­do pa­ra que meus afa­ze­res se­jam mais fá­ceis de re­a­li­zar, já que o pri­mei­ro ob­je­ti­vo do dia já foi al­can­ça­do: de­sa­fi­ar a mim mes­ma. Creio que sem ela eu se­ria uma pes­soa mais es­tres­sa­da, pre­o­cu­pa­da com pra­zos, ati­tu­des dos ou­tros. A cor­ri­da me en­si­nou que eu é qu­em tor­no as coi­sas me­lho­res ou pi­o­res.” Mi­che­le Reis Cos­ta Be­ral­di, 34 anos, pro­fes­so­ra, São Pau­lo (SP) “O gos­to­so da cor­ri­da de rua é que vo­cê não es­tá trei­nan­do pa­ra com­pe­tir e ga­nhar pó­dio, mas pa­ra su­pe­rar o seu me­lhor tem­po e os seus me­dos, além de me­lho­rar a sua qua­li­da­de de vi­da. Vo­cê acor­da ou che­ga do tra­ba­lho, pe­ga seu tê­nis e sai pa­ra cor­rer 10, 15 ou, por­que não, 20 km. Vol­ta pa­ra ca­sa com a sa­tis­fa­ção de ter fei­to uma coi­sa pa­ra vo­cê, pa­ra sua saú­de, pa­ra sua ca­be­ça. Ho­je meus ami­gos e co­le­gas di­zem que sou uma pes­soa mais tran­qui­la e fe­liz, e é ver­da­de, pois me sin­to li­vre e de bem co­mi­go e com meu cor­po.” Pa­tri­cia Bal­bu­e­no, 41 anos, pro­fes­si­o­nal li­be­ral, Por­to Ale­gre (RS)

“Na mi­nha con­cep­ção, o es­por­te mu­da vi­das, as­sim co­mo mu­dou a mi­nha. Mes­mo não re­a­li­zan­do o so­nho de ser uma atle­ta olím­pi­ca, eu tor­nei re­a­li­da­de um outro. Na ver­da­de, mui­tos ou­tros, ao in­cen­ti­var as pes­so­as a pra­ti­car o me­lhor es­por­te do mun­do: a cor­ri­da.” Ma­ri­nei­de dos Santos Sil­va, 55 anos, fun­da­do­ra do Pro­je­to Vi­da Cor­ri­da, São Pau­lo (SP)

“A cor­ri­da é uma das coi­sas mais im­por­tan­tes da mi­nha vi­da. Cons­truí gran­de par­te de mi­nha his­tó­ria gra­ças a ela. Os mo­ti­vos que me le­vam a cor­rer são mui­tos e a or­dem de­pen­de mui­to de ca­da fa­se do ano e da vi­da. Te­ra­pia (cor­rer é meu re­me­di­nho!): a cor­ri­da me faz re­la­xar, des­con­trair e me di­ver­tir. Mo­rar em São Pau­lo é mui­to es­tres­san­te. É ne­ces­sá­rio ter vál­vu­las de es­ca­pe pa­ra não en­lou­que­cer!Corro tam­bém pa­ra man­ter um cor­po mais sau­dá­vel e es­te­ti­ca­men­te le­gal. Corro pa­ra po­der ba­ter pa­po com meus ami­gos. Corro pra co­nhe­cer o mun­do. Corro pa­ra des­co­brir me­lho­res for­mas de trei­nar as pes­so­as e sa­ber o que elas sen­tem.” Nel­son Evên­cio, 45 anos, di­re­tor téc­ni­co da Nel­son Evên­cio As­ses­so­ria Es­por­ti­va, São Pau­lo (SP).

“Em 2007, fui di­ag­nos­ti­ca­do com hér­nia de dis­co avan­ça­da e três mé­di­cos me proi­bi­ram de cor­rer. De­pois de ser con­de­na­do, já con­quis­tei qu­a­tro ma­ra­to­nas e, nes­te ano, vou le­var es­sas hér­ni­as pa­ra cor­rer três ma­ra­to­nas e uma ul­tra (75 km) só no pri­mei­ro se­mes­tre. A cor­ri­da se trans­for­mou na fer­ra­men­ta que uso pa­ra mos­trar a mim mes­mo que sou ca­paz do que eu de­ci­dir re­a­li­zar, in­de­pen­den­te­men­te de al­guém ter me di­to que era im­pos­sí­vel.” An­dré Ho­lan­da, 30 anos, em­pre­en­de­dor, São Pau­lo (SP), do blog tem­trei­no.com.br

“Es­se es­por­te, que era pa­ra ser so­li­tá­rio, me apre­sen­tou mui­tas pes­so­as guer­rei­ras que tes­tam e su­pe­ram seus li­mi­tes di­a­ri­a­men­te. Ho­je a cor­ri­da ul­tra­pas­sou o sta­tus de hobby. Ela ali­men­ta meus bons pen­sa­men­tos e pas­sei so­nhar com ob­je­ti­vos que an­tes pa­re­ci­am ina­tin­gí­veis.” Leonardo Car­va­lho, 31 anos, su­per­vi­dor de TV e au­tor do blog Cor­re Sam­pa, São Pau­lo (SP)

“A cor­ri­da é meu ob­je­ti­vo de vi­da nes­ta se­gun­da eta­pa de mi­nha exis­tên­cia. Ja­mais pas­sa­ria mi­nha apo­sen­ta­do­ria em ca­sa, em fren­te à te­le­vi­são. Co­me­cei o trei­na­men­to es­pe­cí­fi­co pa­ra as cor­ri­das no dia 2 de ou­tu­bro de 1997 e pas­sei a re­gis­trar tu­do em um diá­rio, ain­da sem ne­nhu­ma pre­ten­são. Não sa­bia o que iria acon­te­cer. Só que­ria man­ter a saú­de fí­si­ca e men­tal. Pre­ten­do cor­rer até quan­do meu cor­po aguen­tar.” Lú­cio Mau­ro Di­niz, 72 anos, apo­sen­ta­do, Con­ta­gem (MG)

“A cor­ri­da exi­ge da gen­te en­ge­nho e ar­te, fa­zer das tri­pas co­ra­ção, co­mo se diz nas ru­as, e bus­car den­tro de si al­gu­ma coi­sa de bom que ain­da res­te de­pois do can­sa­ço, do de­sâ­ni­mo e do fra­cas­so. É quan­do, sem mais nem porquê, a gen­te se vê sor­rin­do, rin­do, dan­do até um sal­to no ar e di­zen­do: per­nas, pa­ra que te que­ro (a gra­má­ti­ca não é es­cor­rei­ta, mas as per­nas en­ten­dem o cha­ma­do ge­ral). A cor­ri­da é um ato de en­tre­ga, uma de­cla­ra­ção de amor à vi­da. Va­mos às ru­as sem len­ço nem do­cu­men­to, sem gra­va­ta, car­tei­ra re­che­a­da, tí­tu­los ho­no­rí­fi­cos ou ga­lar­dões em­pre­sa­ri­ais: ca­da um é sim­ples­men­te o que res­ta de si quan­do nin­guém es­tá olhan­do. Por is­so, há tan­ta ale­gria e des­co­ber­ta.” Ro­dol­fo Lu­ce­na, 60 anos, jor­na­lis­ta, São Pau­lo (SP) (tex­to pu­bli­ca­do no blog do Lu­ce­na (em lu­ce­na­cor­re­dor.blogs­pot.com.br)

“O trail run en­trou em mi­nha vi­da em uma das opor­tu­ni­da­des que pas­sa­ram em mi­nha fren­te. Ain­da sem sa­ber o re­al des­ti­no, fui em bus­ca do no­vo, cor­ri pa­ra sa­ber on­de a tri­lha que ris­ca as mon­ta­nhas po­de­ria me le­var, ho­je pos­so di­zer que o trail run é o meu ca­mi­nho, é a mi­nha so­ci­e­da­de, é o meu dia. Es­se é o meu mun­do.” Jo­sé Vir­gi­nio de Mo­rais, 36 anos, di­re­tor téc­ni­co da JVM e corredor de trail, São Pau­lo (SP)

“Di­fí­cil ima­gi­nar mi­nha se­ma­na sem os trei­nos de rit­mo, os in­ter­va­la­dos, os re­ge­ne­ra­ti­vos, os lon­gos e o for­ta­le­ci­men­to mus­cu­lar. Im­pro­vá­vel pen­sar nos fins de se­ma­na sem acor­dar às 5 ou 6 ho­ras da ma­nhã pa­ra en­ca­rar uma pro­va, ou sim­ples­men­te ‘ ro­dar’ em par­ques, uni­ver­si­da­des ou nas ru­as. En­ca­ro tu­do is­so co­mo agen­da obri­ga­tó­ria, co­mo es­tu­dar, tra­ba­lhar ou me ali­men­tar. Não há pos­si­bi­li­da­de de ‘não so­brar tem­po’. Que­ro tra­çar me­tas e per­se­gui-las, pa­ra co­me­mo­rar quan­do ti­ver su­ces­so, ou in­sis­tir quan­do não for pos­sí­vel. Por que eu fa­ço is­so? Não é pa­ra ser me­lhor do que os ou­tros, mas pa­ra ser me­lhor do que eu mes­mo era on­tem.” Jo­sé Edu­ar­do Mot­ta Gar­cia, 37 anos, ge­ren­te de pro­je­tos fi­nan­cei­ros, São Pau­lo (SP)

“Foi nas cor­ri­das de mon­ta­nha de lon­ga du­ra­ção que eu apren­di e com­pre­en­di co­mo meu cor­po e a mi­nha men­te se com­por­ta­vam em si­tu­a­ções que até en­tão eu não co­nhe­cia. Há uma tro­ca per­ma­nen­te. As­sim co­mo le­va­mos par­te da nos­sa es­sên­cia pa­ra as cor­ri­das, sem­pre car­re­ga­mos o apren­di­za­do das pro­vas pa­ra as nos­sas vi­das.” Sid­ney To­gu­mi, 42 anos, di­rec­tor téc­ni­co da Up­fit As­ses­so­ria, São Pau­lo (SP)

“A cor­ri­da é uma for­ma de eu po­der me or­ga­ni­zar,pois é cor­ren­do que eu me des­li­go um pou­co do mun­do e con­si­go re­fle­tir so­bre o que fiz e o que fa­rei em to­dos os cam­pos de mi­nha vi­da. A cor­ri­da é tão po­de­ro­sa pa­ra mim que meus pen­sa­men­tos fi­cam cla­ros co­mo água. Ela ain­da me traz a ener­gia pa­ra po­der agir ao lon­go do dia. Pa­re­ce que tu­do fi­ca mais fá­cil, mais di­ver­ti­do!” Cris­ti­a­no Hoshi­kawa, 44 anos, cri­a­dor do apli­ca­ti­vo pa­ra cor­ri­das runx.te­ch­no­logy, São Pau­lo (SP)

“A cor­ri­da me­lho­ra o meu dia. É o meu tem­po de pen­sar e de es­que­cer. Ve­jo co­mo mi­nha te­ra­pia e uma for­ma de vo­ar. É de­sa­fi­an­te, con­ve­ni­en­te, me aju­da a re­la­xar e me le­va mais lon­ge.” Ma­ri­na Ba­ra­ças Fi­guei­re­do, 28 anos, es­tu­dan­te, Lis­boa (Por­tu­gal).

“Cor­rer é um mo­men­to úni­co, uma co­ne­xão com a na­tu­re­za e co­mi­go mes­ma. É dis­ci­pli­nar mi­nha men­te, com­pe­tir co­mi­go e ven­cer meus li­mi­tes, apoi­ar os com­pa­nhei­ros... e vi­ver!” Dé­bo­ra Wan­derck, 36 anos, edu­ca­do­ra fí­si­ca e au­to­ra do blog Lo­ve Run­ning, Blu­me­nau (SC)

“Eu gos­to de cor­rer por­que gos­to de fa­zer gi­nás­ti­ca pa­ra fi­car for­te e pa­ra le­van­tar coi­sas pe­sa­das. Tam­bém gos­to mui­to de ga­nhar me­da­lhas, por­que elas bri­lham. São lin­das!” João de Oli­vei­ra Es­cu­dei­ro, 4 anos, es­tu­dan­te, São Pau­lo (SP)

“Cor­rer pa­ra mim é mui­to mais que fa­zer um bom tem­po e su­pe­rar ad­ver­sá­ri­os. Cor­rer é su­pe­rar a mim mes­mo, é ins­pi­rar ou­tros a cor­re­rem, é ter dis­ci­pli­na e res­pei­to aos de­mais cor­re­do­res.” Sid­nei Bar­bo­sa, 46 anos, ser­vi­dor pú­bli­co, Juiz de Fo­ra (MG)

“Na Di­na­mar­ca, on­de vi­vo, a gen­te se sen­te meio co­mo sen­do in­vi­sí­vel, pois nin­guém lhe dá bom dia, boa noi­te ou um sor­ri­so, mas a par­tir do mo­men­to em que vo­cê es­tá cor­ren­do, tu­do mu­da. São sor­ri­sos e vo­tos de uma boa cor­ri­da. Nós, cor­re­do­res, so­mos mes­mo uma tri­bo. E nes­sa era da tec­no­lo­gia e das mí­di­as so­ci­as, a cor­ri­da é pra­ti­ca­men­te o úni­co mo­men­to que te­mos pa­ra fi­car so­zi­nhos, no qual po­de­mos me­di­tar so­bre a vi­da e en­con­trar os mais di­ver­sos sen­ti­men­tos ou so­lu­ções.”

Ana Au­dun, 36 anos, ge­ren­te de mar­ke­ting di­gi­tal e au­to­ra do blog Cor­ra

Co­mi­go, Co­pe­nha­gue (Di­na­mar­ca)

“Em um dia 1º de maio, al­co­o­li­za­do na praia, ain­da com o meu uni­for­me de gar­çom (mi­nha pro­fis­são na épo­ca), vi al­gu­mas pes­so­as cor­ren­do. Re­sol­vi me le­van­tar e cor­rer com elas. Só de­pois per­ce­bi que aque­las pes­so­as es­ta­vam par­ti­ci­pan­do de uma pro­va. Foi as­sim que a cor­ri­da en­trou na mi­nha vi­da. De­pois de no­ve ci­rur­gi­as na co­lu­na, o mé­di­co me dis­se pa­ra pa­rar de cor­rer. Foi nes­sa épo­ca que ado­tei meu fi­lho Isa­ac, que tem pa­ra­li­sia ce­re­bral. Co­me­cei a ca­mi­nhar com ele, vi que ele gos­ta­va, e aos pou­cos ele me fez vol­tar a cor­rer. Ho­je eu corro com meu fi­lho e pre­ten­do fa­zer a pró­xi­ma São Sil­ves­tre jun­to com ele. Ver a ale­gria nos olhos do meu fi­lho me faz que­rer cor­rer ca­da vez mais.” Da­ni­el Gra­cie, 43 anos, ser­vi­dor pú­bli­co, Ma­nha­çu (MG)

“A cor­ri­da é sim­ples­men­te meu no­vo nor­te na vi­da. Ela me dá o con­tro­le e a no­ção de bem-es­tar que eu acho que to­do ser hu­ma­no de­ve­ria ter.” Ivan Bru­no Hos­til, 26 anos, pro­fes­sor de idi­o­mas, au­tor do blog Te­a­cher que Cor­re, Sal­va­dor (BA)

“A sen­sa­ção de ven­cer aque­la voz den­tro da ca­be­ça que nos diz pa­ra pa­rar por­que o cor­po es­tá to­do do­lo­ri­do é vi­ci­an­te.” Or­lan­do Ya­ma­na­ka, 53 anos, em­pre­sá­rio, São Pau­lo (SP)

“Cor­rer é vi­ver uma vi­da de in­ten­sas emo­ções, di­vi­di­da com no­vos ami­gos e no­vas pai­sa­gens.” Fel­li­pe Sa­vi­o­li, 35 anos, or­to­pe­dis­ta, São Pau­lo (SP)

“Cor­ri­da é de­sa­fio, dis­ci­pli­na, pa­ci­ên­cia. É mi­grar em mi­nu­tos do ‘ o que eu es­tou fa­zen­do aqui’ pa­ra o ‘ que bom que eu vim’. O sen­ti­men­to de con­quis­ta não é pas­sa­gei­ro: fi­ca en­rai­za­do no cor­po e na al­ma.”

Re­na­ta Ve­ne­ri, 40 anos, apre­sen­ta­do­ra do BandNews em For­ma ( Bandnews FM)

“Acre­di­to mui­to que a cor­ri­da po­de trans­for­mar vi­das. A mi­nha foi trans­for­ma­da pe­la cor­ri­da. Por meio de­la, des­co­bri que te­nho uma fé ina­ba­lá­vel e um for­ça imen­su­rá­vel den­tro de mim, que me fez se­guir adi­an­te mes­mo com tan­tas di­fi­cul­da­des pa­ra ir em bus­ca do meu so­nho.” Ane­li­ve Cos­ta­cur­ta Tor­res, 37 anos, bi­o­mé­di­ca, São Pau­lo (SP)

“En­ten­di que a cor­ri­da po­de­ria ser mi­nha mai­or ali­a­da na­que­la no­va fa­se [ela ha­via per­di­do a fi­lha, ain­da cri­an­ça]. Pre­ci­sa­va res­ga­tar meu ca­sa­men­to, dar or­gu­lho e ser re­fe­rên­cia pa­ra mi­nhas fi­lhas, e ela me deu o re­tor­no: eu e meu ma­ri­do nos tor­na­mos cúm­pli­ces, par­cei­ros na vi­da e na cor­ri­da. Com is­so, nos­so ca­sa­men­to se for­ta­le­ceu e nos­sas fi­lhas re­fle­tem ho­je es­sa har­mo­nia. Elas têm or­gu­lho da mãe cor­re­do­ra! Com a cor­ri­da eu me trans­for­mei, me res­ga­tei, me re­en­con­trei… Com a cor­ri­da eu apren­di que os obs­tá­cu­los que en­con­tra­mos em nos­so per­cur­so mui­tas ve­zes são ape­nas ala­van­cas que a vi­da co­lo­ca pa­ra nos im­pul­si­o­nar, pa­ra nos ti­rar da zo­na de con­for­to. É pre­ci­so ter a per­se­ve­ran­ça de um ul­tra­ma­ra­to­nis­ta pa­ra cru­zar a li­nha de che­ga­da… na cor­ri­da e na vi­da!” Au­rea Bi­san, 42 anos, se­cre­tá­ria, São Pau­lo (SP)

“A cor­ri­da me deu uma coi­sa – e ela não é de so­me­nos: a pos­si­bi­li­da­de de en­con­trar um es­por­te pa­ra cha­mar de meu. Sem ha­bi­li­da­des so­ci­ais pa­ra o fu­te­bol e com su­pe­re­go de­sa­jus­ta­do pa­ra fre­quen­tar aca­de­mi­as de gi­nás­ti­ca, en­con­trei na cor­ri­da al­go que eu pu­des­se exer­cer re­gu­lar­men­te e com pra­zer. Já são, nes­ta se­gun­da den­ti­ção – a pri­mei­ra foi na ado­les­cên­cia e du­rou uns qu­a­tro anos –, 16 anos de cor­ri­das ca­da vez mais in­ten­sas, uma ma­ra­to­na de São Pau­lo, e um jei­to meio en­vi­e­sa­do de ver a ci­da­de, o país, o mun­do: com as per­nas.” Pau­lo Vi­ei­ra, 51 anos, jor­na­lis­ta, do blog Jor­na­lis­tas que Cor­rem, São Pau­lo (SP)

“Eu corro por­que a cor­ri­da me le­vou a lu­ga­res on­de ja­mais ima­gi­nei es­tar! A cor­ri­da é a fer­ra­men­ta mais for­te pa­ra eu ex­pe­ri­men­tar o no­vo, me co­nec­tar com a na­tu­re­za e pes­so­as ao re­dor do glo­bo. A cor­ri­da me faz rein­ven­tar a mi­nha for­ma de se­guir na jor­na­da, é so­li­dá­ria no mo­men­to em que abra­ço a cau­sa do com­ba­te ao cân­cer, é o le­ga­do de ati­tu­de que dei­xo pa­ra o meu fi­lho e é o agra­de­ci­men­to por tu­do que mi­nha mãe me dei­xou.” Car­los Di­as, 43 anos, ul­tra­ma­ra­to­nis­ta, São Pau­lo (SP) “Quan­do es­tou cor­ren­do, sin­to ter a ver­da­dei­ra li­ber­da­de em to­dos os sen­ti­dos. Um dia de cor­ri­da é um dia com­ple­to. A cor­ri­da faz com que meu tra­ba­lho se­ja mais tran­qui­lo e pra­ze­ro­so, pois com ela eu ga­nho tem­po e meu cé­re­bro fi­ca mais oxi­ge­na­do. Com es­se ga­nhos, te­nho mais cal­ma e con­cen­tra­ção no meu tra­ba­lho. Sem ela, mi­nha vi­da fi­ca­ria mais com­pli­ca­da, tris­te e, con­se­quen­te­men­te, tem um pra­zo de va­li­da­de me­nor. Meu so­nho é cor­rer de­va­gar e sem­pre por mais de um sé­cu­lo, em vez de mui­to rá­pi­do por ape­nas uma dé­ca­da.” Mar­cos Vi­a­na, 49 anos, fo­tó­gra­fo e web­de­sig­ner, São Pau­lo (SP)

“A cor­ri­da é al­go que nos mos­tra que so­mos ca­pa­zes, mes­mo quan­do sen­ti­mos que não so­mos. Ela é uma for­ma de mos­trar que os obs­tá­cu­los que te­mos na vi­da são co­mo as su­bi­das que ve­mos pe­la fren­te: umas mais ín­gre­mes, ou­tras mais tê­nu­es, mas lon­gas. Mas, de qual­quer for­ma, uma ho­ra che­ga­re­mos ao to­po. É es­sa a ana­lo­gia que fa­ço.” Vi­tor Tes­sut­ti, 43 anos, pro­fes­sor da Uni­feo, São Pau­lo (SP)

“O in­cen­ti­vo da Ga­bri­e­la, mi­nha fi­lha, que me en­si­nou a cor­rer, me fez gos­tar do es­por­te de ver­da­de. Ho­je amo a cor­ri­da tan­to quan­to amo a mi­nha fil h a .”

An­dréia Di­as, 44 anos, tec­nó­lo­ga em ra­di­o­lo­gia, Por­to Ale­gre (RS)

“Não di­go que amo to­dos os as­pec­tos da cor­ri­da, is­so sim­ples­men­te não é ver­da­de. Já per­di as con­tas dos ‘O que es­tou fa­zen­do aqui?’ e ‘Pra que is­so?’ em inú­me­ros trei­nos e pro­vas. Mi­nha pai­xão não é pe­la ro­ti­na cha­ta e pe­los trei­nos exaus­ti­vos. Não mes­mo! Mi­nha pai­xão é pe­lo que a cor­ri­da con­se­gue me pro­por­ci­o­nar. Sou apai­xo­na­da pe­lo po­der de trans­for­ma­ção, pe­la pos­si­bi­li­da­de de tes­tar e ul­tra­pas­sar meus li­mi­tes, pe­la sa­tis­fa­ção que sin­to após cum­prir uma me­ta ou ter­mi­nar um pro­va ou dis­tân­cia que já pen­sei ser im­pos­sí­vel. É o que faz to­da a par­te ruim va­ler a pe­na, o que faz a cor­ri­da se tor­nar uma par­te im­por­tan­te de mim mes­ma, um es­ti­lo de vi­da.” Ju Fal­chet­to, 34 anos, au­to­ra do blog Run Ju Run, Be­lo Ho­ri­zon­te (MG)

“Eu sem­pre fiz ca­mi­nha­da. Até que um dia co­me­cei a na­mo­rar e ele cor­ria. En­con­trei com es­se na­mo­ra­do cor­ren­do ao la­do de uma mo­ça e, por ciú­mes, co­me­cei a trei­nar tam­bém. Já que ele que­ria com­pa­nhia, que fos­se a mi­nha. De­pois des­co­bri que a mo­ça era pri­ma de­le, mas já ti­nha to­ma­do gos­to pe­la cor­ri­da e não pa­rei mais. Já se pas­sa­ram 20 anos e aque­le na­mo­ra­do, ho­je ma­ri­do, além de com­pa­nhei­ro de vi­da, é com­pa­nhei­ro de cor­ri­das. Ho­je em dia so­mos exem­plo de ‘ca­sal saú­de’ e apai­xo­na­dos pe­la cor­ri­da.” An­dréa Vi­dal, 38 anos, ad­vo­ga­da, Be­lo Ho­ri­zon­te (MG).

Cle­ber Is­bin usa ca­mi­se­ta Se­quen­ce, short Su­per­no­va Split e tê­nis Ul­tra­bo­ost, to­dos da Adi­das.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.