ALONGAMENTO NO CAPRICHO

Con­fi­ra 3 pro­gra­mas de aque­ci­men­to di­nâ­mi­co que vão apri­mo­rar a sua cor­ri­da

Sport Life - - NESTA EDIÇÃO - por RO­DRI­GO GERHARDT e AMANDA PRE­TO

Con­fi­ra 3 pro­gra­mas de aque­ci­men­to di­nâ­mi­co que vão apri­mo­rar a sua cor­ri­da

Um tro­te rá­pi­do e aque­la es­ti­ca­di­nha até a pon­ta do pé. Qu­em já não ado­tou a ve­lha fór­mu­la que ali­via a cons­ci­ên­cia, mas pou­co acres­cen­ta a seus mús­cu­los e ar­ti­cu­la­ções? O aque­ci­men­to, eta­pa mais ne­gli­gen­ci­a­da pe­los cor­re­do­res, vai além da ele­va­ção da tem­pe­ra­tu­ra cor­po­ral. É um ali­a­do da per­for­man­ce, pois, além de pro­te­ger o cor­po de le­sões, pre­pa­ra-o pa­ra su­por­tar o au­men­to da in­ten­si­da­de do exer­cí­cio, re­sul­tan­do em me­lhor ren­di­men­to. Pa­ra aju­dá-lo a va­ri­ar o alongamento, bus­ca- mos com três trei­na­do­res top pro­pos­tas de aque­ci­men­to re­al­men­te efi­ca­zes. Elas reú­nem mo­vi­men­tos que po­dem ser fei­tos ra­pi­da­men­te em qual­quer lu­gar e exer­cí­ci­os que exi­gem so­bre­tu­do con­cen­tra­ção e cons­ci­ên­cia cor­po­ral.

Pa­ra o cé­le­bre trei­na­dor ame­ri­ca­no An­drew Kas­tor, os exer­cí­ci­os di­nâ­mi­cos e edu­ca­ti­vos são uma for­ma útil de au­men­tar a am­pli­tu­de de mo­vi­men­to e es­ti­mu­lar a co­or­de­na­ção e a cir­cu­la­ção de san­gue nos mús­cu­los re­cru­ta­dos du­ran­te a cor­ri­da. De que­bra, ain­da tra­ba­lham equi­lí­brio e pos­tu­ra. “Quan­do es­ta­mos pa­ra­dos há mui­to tem­po, o lí­qui­do si­no­vi­al que exis­te den­tro das ar­ti­cu­la­ções tem a tex­tu­ra de um xam­pu. Com o aque­ci­men­to por meio de mo­vi­men­to ar­ti­cu­lar, ele se tor­na me­nos den­so”, com­ple­men­ta o co­or­de­na­dor téc­ni­co da MPR As­ses­so­ria Es­por­ti­va, Fa­bio Ro­sa. Is­so au­men­ta a fle­xi­bi­li­da­de e di­mi­nui a chan­ce de le­sões.

Fi­si­o­lo­gis­ta do es­por­te e fun­da­do­ra do Run­ningS­trong. com, Ja­net Ha­mil­ton des­ta­ca que, an­tes de uma pro­va, é im­por­tan­te ter em men­te a ne­ces­si­da­de de se aque­cer, mas não a pon­to de fa­di­gar as per­nas. “Ge­ral­men­te, quan­to mais lon­ga a pro­va, mais cur­to de­ve ser o aque­ci­men­to, pois é pos­sí­vel usar o iní­cio da cor­ri­da pa­ra is­so. Em uma ma­ra­to­na, por exem­plo, os dois pri­mei­ros quilô­me­tros po­dem ser fei­tos em um rit­mo in­fe­ri­or ao es­ta­be­le­ci­do co­mo ob­je­ti­vo”, ex­pli­ca. No ca­so de pro­vas cur­tas ou sessões de trei­nos in­ter­va­la­dos, va­le a pe­na de­di­car mais tem­po ao aque­ci­men­to, pois o cor­po so­fre­rá mai­or so­bre­car­ga em fun­ção da al­ta in­ten­si­da­de. Pa­ra não can­sar mui­to as per­nas, aumente o in­ter­va­lo de re­cu­pe­ra­ção en­tre as sé­ri­es, se sen­tir ne­ces­si­da­de.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.