Va­le a pe­na apos­tar no je­jum in­ter­mi­ten­te?

Sen­sa­ção do mo­men­to, a prá­ti­ca de fi­car por lon­gos pe­río­dos sem se ali­men­tar fa­vo­re­ce o ema­gre­ci­men­to e até pre­vi­ne do­en­ças. No en­tan­to, é pre­ci­so ter cui­da­dos an­tes de ini­ciá-la

Sport Life - - NUTRI TIPS - Ed­vâ­nia So­a­res é for­ma­da em Nutrição pe­la FISP des­de 2004 e pós-gra­du­a­da em Nutrição Clí­ni­ca Es­por­ti­va e Vi­gi­lân­cia Sa­ni­tá­ria

Ado­ta­do por di­ver­sas ce­le­bri­da­des, o je­jum in­ter­mi­ten­te con­sis­te em fi­car lon­gos pe­río­dos sem co­mer, in­ge­rin­do lí­qui­dos e chás nes­ses in­ter­va­los. Ape­sar de es­tar em evi­dên­cia, es­se es­ti­lo de ali­men­ta­ção não é no­vi­da­de: o je­jum era pra­ti­ca­do pe­los nos­sos an­ces­trais, que não co­mi­am a ca­da 3 h, con­for­me re­co­men­da­do nos di­as atu­ais. As­sim co­mo to­da di­e­ta, o je­jum in­ter­mi­ten­te tem prós e con­tras e, an­tes de ser fei­to, de­vem ser con­si­de­ra­dos o es­ti­lo de vi­da e há­bi­tos ali­men­ta­res do in­di­ví­duo. Ou se­ja, de­ve ser fei­ta sob ori­en­ta­ção de um nu­tri­ci­o­nis­ta pa­ra não se cor­rer ris­cos. Pa­ra qu­em es­tá que­ren­do ema­gre­cer, o je­jum in­ter­mi­ten­te aju­da nes­sa ta­re­fa, pois os lon­gos pe­río­dos sem co­mer exi­gem o uso dos es­to­ques de ener­gia do cor­po, que le­va a outro be­ne­fí­cio: o con­tro­le da in­su­li­na e o au­men­to da se­cre­ção do hormô­nio GH, que aju­da a di­mi­nuir o pe­so, a re­dis­tri­buir a gor­du­ra ab­do­mi­nal, além de au­men­tar a mas­sa mus­cu­lar e me­lho­rar o hu­mor. E não pa­ra por aí: a prá­ti­ca do je­jum in­ter­mi­ten­te po­de me­lho­rar a re­sis­tên­cia à in­su­li­na, pre­ve­nir di­a­be­tes do ti­po 2, di­mi­nuir os ní­veis de co­les­te­rol e tri­gli­cé­ri­des. En­cer­ran­do a lis­ta de be­ne­fí­ci­os, há es­tu­dos que afir­mam que o je­jum po­de pre­ve­nir o mal de Alzhei­mer. Ex­ce­len­te, não é mes­mo? No en­tan­to, há con­train­di­ca­ções pa­ra pes­so­as hi­per­ten­sas, grávidas, lac­tan­tes ou que uti­li­zem me­di­ca­men­tos re­la­ci­o­na­dos com a in­su­li­na. Se vo­cê quer eli­mi­nar al­guns qui­li­nhos, o je­jum in­ter­mi­ten­te de­ve es­tar as­so­ci­a­do à prá­ti­ca de exer­cí­ci­os es­pe­cí­fi­cos pa­ra o ga­nho de mas­sa ma­gra e, des­sa for­ma, evi­ta- se a per­da mus­cu­lar.

Outro aler­ta: du­ran­te um ci­clo de pro­du­ção de ener­gia quan­do se es­tá em je­jum pro­lon­ga­do, ocor­re a oxi­da­ção de to­dos os ti­pos de gor­du­ras e tam­bém dos áci­dos gra­xos, que são es­sen­ci­ais co­mo an­ti- in­fla­ma­tó­ri­os pa­ra o cor­po. Por is­so, é pre­ci­so es­tar sau­dá­vel pa­ra não ser pre­ju­di­ca­do por pos­sí­veis de­fi­ci­ên­ci­as nu­tri­ci­o­nais du­ran­te o pro­ces­so. A gran­de dú­vi­da so­bre es­se ti­po de je­jum é a res­pei­to de sua efi­cá­cia e se­gu­ran­ça. A res­pos­ta é que não exis­te cer­to ou er­ra­do, mas sim que a in­di­vi­du­a­li­da­de e a ne­ces­si­da­de de ca­da pes­soa de­ve ser res­pei­ta­da. O gran­de er­ro es­tá em se­guir qual­quer pro­gra­ma de ali- men­ta­ção sem a su­per­vi­são de um es­pe­ci­a­lis­ta, le­van­do a re­sul­ta­dos ne­ga­ti­vos no lon­go pra­zo.

Por is­so, an­tes de co­me­çar qual­quer ti­po de di­e­ta, con­sul­te um nu­tri­ci­o­nis­ta pa­ra que se ava­lie o me­lhor ti­po de ali­men­ta­ção pa­ra seu es­ti­lo de vi­da e ob­je­ti­vos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.