Gul­ben­ki­an e tai­lan­de­ses con­tam fe­char ne­gó­cio da Par­tex ain­da es­te ano

O pla­no era con­cluir a ven­da da Par­tex até ao fi­nal do ano. Tan­to o ven­de­dor co­mo o com­pra­dor es­pe­ram cum­prir es­ta me­ta ape­sar da in­ten­ção de im­pug­na­ção por par­te dos tra­ba­lha­do­res.

Jornal de Negócios - - PRIMEIRA PÁGINA - ANA BA­TA­LHA OLI­VEI­RA

A Fun­da­ção Ca­lous­te Gul­ben­ki­an (FCG) anun­ci­ou a ven­da da pe­tro­lí­fe­ra Par­tex aos tai­lan­de­ses da PTT Ex­plo­ra­ti­on and Pro­duc­ti­on (PTTEP) no pas­sa­do mês de ju­nho, com o ob­je­ti­vo de a con­cluir até ao fi­nal do ano. Ape­sar de ter si­do no­ti­ci­a­da a in­ten­ção de im­pug­na­ção da ven­da, avan­ça­da por um gru­po de tra­ba­lha­do­res da pe­tro­lí­fe­ra, tan­to o ven­de­dor co­mo o com­pra­dor pre­ve­em con­ti­nu­ar a pro­gre­dir no pro­ces­so com nor­ma­li­da­de e de for­ma a respeitar a me­ta de o con­cluir até ao fi­nal de 2019.

A fun­da­ção afir­ma que “o pro­ces­so [de ven­da] es­tá a se­guir a tra­mi­ta­ção ha­bi­tu­al den­tro dos pra­zos pre­vis­tos” en­quan­to a no­va do­na, a tai­lan­de­sa PTTEP, adi­an­ta que o rol de apro­va­ções es­tá “na fa­se fi­nal”. A con­clu­são é unâ­ni­me: a ope­ra­ção de­ve­rá es­tar con­cluí­da até ao fi­nal de 2019, di­zem am­bas as par­tes, em res­pos­ta ao Ne­gó­ci­os.

Con­tu­do, pou­cos di­as após o anún­cio da ope­ra­ção, sur­giu o pri­mei­ro fo­co de tur­bu­lên­cia: os tra­ba­lha­do­res da Par­tex de­mons­tra­ram-se pre­o­cu­pa­dos com o fu­tu­ro na em­pre­sa, uma vez que o acor­do de ven­da só ga­ran­te os pos­tos de tra­ba­lho por dois anos. Le­van­ta­ram en­tão a hi­pó­te­se de im­pug­na­ção da ven­da, apon­tan­do co­mo ile­gal o des­pa­cho as­si­na­do pe­lo Go­ver­no que dis­pen­sa­va a au­to­ri­za­ção go­ver­na­men­tal pa­ra a ali­e­na­ção da Par­tex.

Já em ou­tu­bro, o advogado que re­pre­sen­ta os tra­ba­lha­do­res em cau­sa, An­tó­nio Garcia Pe­rei­ra, di­vul­gou que o pe­di­do de im­pug­na­ção deu en­tra­da na pri­mei­ra quin­ze­na de se­tem­bro. Res­sal­vou, con­tu­do, à Lu­sa que os tra­ba­lha­do­res man­têm a “to­tal dis­po­ni­bi­li­da­de pa­ra o diá­lo­go” e pa­ra ne­go­ci­ar so­lu­ções de sal­va­guar­da dos pos­tos de tra­ba­lho ou de saí­da dos tra­ba­lha­do­res que as­sim o pre­ten­dam.

Qu­es­ti­o­na­da se te­ri­am si­do avan­ça­das pro­pos­tas no sen­ti­do de res­pon­der aos re­cei­os dos tra­ba­lha­do­res, a Fun­da­ção re­me­te pa­ra o acor­do con­se­gui­do na al­tu­ra da ven­da. A FCG diz ter ido mais lon­ge do que o pre­vis­to na lei ao as­se­gu­rar os pos­tos de tra­ba­lho du­ran­te um pe­río­do de dois anos, uma “pro­te­ção mui­to pou­co fre­quen­te nos con­tra­tos re­la­ti­vos à com­pra e ven­da de em­pre­sas e que, na­tu­ral­men­te, tem um cus­to que se re­fle­te no va­lor fi­nal do ne­gó­cio”, o qual foi anun­ci­a­do por cer­ca de 622 mi­lhões de dó­la­res (553,3 mi­lhões de eu­ros).

Os tai­lan­de­ses di­zem es­tar a cum­prir com os ter­mos do acor­do e ne­gam ter avan­ça­do com pro­pos­tas adi­ci­o­nais.

Ti­a­go Pe­tin­ga/Lu­sa

A ven­da da Par­tex à tai­lan­de­sa PTTEP foi anun­ci­a­da no pas­sa­do dia 17 de ju­nho.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.