Si­lên­cio não be­ne­fi­cia

Jornal de Negócios - - PRIMEIRA LINHA -

João Con­cei­ção foi in­ter­ro­ga­do, no âm­bi­to do pro­ces­so EDP, du­as ve­zes. Uma a 28 de no­vem­bro de 2019 e ou­tra, mui­to re­cen­te­men­te e em vés­pe­ra do pe­di­do de agra­va­men­to das me­di­das de co­a­ção, a 4 de ju­nho de 2020. An­tó­nio Me­xia e João Manso Ne­to pre­fe­ri­ram não fa­lar, ale­gan­do co­e­rên­cia com o pe­di­do de ex­clu­são do pro­ces­so de Car­los Ale­xan­dre. Es­te juiz apro­vei­ta pa­ra di­zer, na de­ci­são, e a pro­pó­si­to do si­lên­cio dos ar­gui­dos que “se não o des­fa­vo­re­ce até por im­po­si­ção cons­ti­tu­ci­o­nal, tam­bém não o po­de fa­vo­re­cer”. Pa­ra o juiz, “o exer­cí­cio do di­rei­to ao si­lên­cio (...) não se pre­su­me a exis­tên­cia do pe­ri­go de per­tur­ba­ção do de­cur­so do inqué­ri­to”, mas não con­tri­buiu pa­ra dar a sua ver­são dos acon­te­ci­men­tos. “Da­qui re­sul­ta que, ob­je­ti­va­men­te, o exer­cí­cio do di­rei­to não pre­ju­di­cou o ar­gui­do. O que acon­te­ce é que tam­bém não o be­ne­fi­cia”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.