MP que­ria CMVM a afe­rir ido­nei­da­de dos ges­to­res

O Mi­nis­té­rio Pú­bli­co acu­sa Me­xia e Manso Ne­to de não se­rem idó­ne­os e diz que a CMVM de­via ava­li­ar. A de­fe­sa con­tra­põe com a fal­ta de com­pe­tên­ci­as da su­per­vi­so­ra nes­sa ma­té­ria e acu­sa o MP de não ter le­gi­ti­mi­da­de pa­ra afe­rir ido­nei­da­des.

Jornal de Negócios - - PRIMEIRA LINHA - ALE­XAN­DRA MA­CHA­DO ama­cha­do@ne­go­ci­os.pt Pe­dro Zen­kl

Um dos ar­gu­men­tos de An­tó­nio Me­xia e João Manso Ne­to pa­ra con­si­de­ra­rem ile­gal a me­di­da de co­a­ção de sus­pen­são de fun­ções é o de que não são ges­to­res pú­bli­cos nem de con­ces­si­o­ná­ri­as públicas. Me­xia li­de­ra­va a EDP e Manso Ne­to a EDP Re­no­vá­veis. A con­ces­si­o­ná­ria pú­bli­ca é a EDP Dis­tri­bui­ção, na qual não são ad­mi­nis­tra­do­res.

E mes­mo nes­ta os ad­vo­ga­dos de de­fe­sa de Me­xia e Manso Ne­to sus­ten­tam que não se­ria apli­cá­vel a me­di­da. Mas o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co (MP) ar­gu­men­ta que “An­tó­nio Me­xia e João Manso Ne­to de­sen­vol­vem a sua ati­vi­da­de na EDP hol­ding SA e não me­ra­men­te na EDP Pro­du­ção [sic] con­tro­lan­do in­te­gral­men­te os des­ti­nos e to­da a ati­vi­da­de das res­tan­tes em­pre­sas des­se gru­po.” São elas pois, se­gun­do o MP, que “as­su­mem o in­ves­ti­men­to ne­ces­sá­rio, os ris­cos fi­nan­cei­ros em cau­sa, o pla­ne­a­men­to es­tra­té­gi­co, etc. Lo­go, são es­sas en­ti­da­des – o gru­po co­mo um to­do – que se tem de con­si­de­rar que as­su­mem as con­ces­sões”.

A de­fe­sa en­tre­gou um to­tal de seis pa­re­ce­res ju­rí­di­cos, sen­do al­guns a con­tes­tar pre­ci­sa­men­te a le­ga­li­da­de da apli­ca­ção des­ta me­di­da a ges­to­res de em­pre­sas pri­va­das. Es­ten­den­do, in­clu­si­ve, a sus­pen­são a fun­ções em par­ti­ci­pa­das no es­tran­gei­ro, o que leva a de­fe­sa a acu­sar o MP de pre­ten­der fa­zer a lei pro­ces­su­al pe­nal na­ci­o­nal no es­tran­gei­ro.

Car­los Ale­xan­dre não te­ve dú­vi­das de que “as ati­vi­da­des da REN e da EDP de­vem ser qua­li­fi­ca­das co­mo ser­vi­ço pú­bli­co, co­mo o exer­cí­cio de um po­der de uma fun­ção pú­bli­ca, de­pen­den­do de au­to­ri­za­ções, li­cen­ci­a­men­tos, fis­ca­li­za­ções e con­ces­sões”.

O pa­pel da CMVM

O Mi­nis­té­rio Pú­bli­co, no re­que­ri­men­to em que pe­de o agra­va­men­to das me­di­das de co­a­ção, con­si­de­ra que sen­do a EDP e a REN em­pre­sas co­ta­das “de­vam en­con­trar-se su­jei­tas a um es­pe­ci­al con­tro­lo de ido­nei­da­de dos mem­bros dos seus cor­pos so­ci­ais exe­cu­ti­vos ao ní­vel da sua ido­nei­da­de pa­ra as ati­vi­da­des por eles de­sem­pe­nha­das”, di­zen­do mes­mo que os critérios de “fit and pro­per” são apli­ca­dos aos ar­gui­dos e que se en­qua­dra nas com­pe­tên­ci­as da CMVM a ava­li­a­ção dos ad­mi­nis­tra­do­res. Ora, pa­ra os in­ves­ti­ga­do­res “o com­por­ta­men­to re­ve­la­do pe­los três ar­gui­dos no exer­cí­cio das su­as fun­ções (...) de­mons­tra que eles não são idó­ne­os pa­ra o exer­cí­cio das mes­mas”. Fa­ce a es­ta ques­tão, a de­fe­sa con­tra­põe di­zen­do que o MP não tem “le­gi­ti­mi­da­de nem com­pe­tên­cia” pa­ra di­zer que “A, B ou C são ou não idó­ne­os”. Re­al­çam os ad­vo­ga­dos de de­fe­sa que, por ou­tro la­do, “a CMVM não de­tém qual­quer com­pe­tên­cia le­gal­men­te pre­vis­ta a res­pei­to de uma pre­ten­sa e pu­ta­ti­va fun­ção de afe­ri­ção de ido­nei­da­de dos ad­mi­nis­tra­do­res das so­ci­e­da­des co­ta­das”.

A pró­pria CMVM já ti­nha es­cla­re­ci­do pu­bli­ca­men­te não ter a su­per­vi­são ma­cro­pru­den­ci­al das co­ta­das, pe­lo que não lhe ca­be afe­rir a ido­nei­da­de dos ad­mi­nis­tra­do­res. Ain­da as­sim, há ou­tros ór­gãos so­ci­ais pa­ra fis­ca­li­za­ção.

A de­fe­sa ar­gu­men­ta, ain­da, que o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co não tem em con­si­de­ra­ção os ou­tros ór­gãos so­ci­ais des­tas em­pre­sas, con­si­de­ran­do que “tu­do se pas­sa co­mo se ape­nas An­tó­nio Me­xia e João Manso Ne­to se reu­nis­sem e de­ci­dis­sem, tu­do se pas­sa co­mo, pa­ra além des­tes, ape­nas exis­tis­sem ho­mens e mu­lhe­res de pa­lha, tu­do me­ros fan­to­ches”, des­con­si­de­ran­do a exis­tên­cia dos ou­tros ad­mi­nis­tra­do­res e ele­men­tos que com­põem os ór­gãos so­ci­ais.

O juiz Car­los Ale­xan­dre agra­vou as me­di­das de co­a­ção sus­pen­den­do Me­xia e Manso Ne­to.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.